EUA e UE anunciam força-tarefa para reduzir dependência de petróleo e gás russos

Necessidade dos países europeus de adquirir combustíveis da Rússia tem sido entrave na resposta conjunta contra a guerra

Kevin Liptakda CNN

Ouvir notícia

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciaram nesta sexta-feira (25) uma força-tarefa para afastar a Europa de sua dependência do petróleo e gás russos.

O painel, presidido por um representante da Casa Branca e outro da Comissão Europeia, terá como objetivo encontrar alternativas de fornecimento de gás natural liquefeito e reduzir a demanda geral por este combustível.

Os Estados Unidos trabalharão para fornecer à Europa pelo menos 15 bilhões de metros cúbicos de gás natural liquefeito em 2022, em parceria com outras nações, informou a Casa Branca.

“Hoje, concordamos com um plano conjunto em direção a esse objetivo, enquanto aceleramos nosso progresso em direção a um futuro seguro de energia limpa”, disse Biden durante um comunicado.

“Esta iniciativa se concentra em duas questões centrais: uma ajudando a Europa a reduzir sua dependência do gás russo o mais rápido possível, e a segunda reduzindo a demanda de gás do continente em geral”, acrescentou.

A dependência energética europeia provou ser um grande entrave nos esforços ocidentais para punir Moscou por sua invasão da Ucrânia. Enquanto os EUA proibiram as importações de energia da Rússia, a Europa achou muito mais difícil cortar seus suprimentos.

O grupo também trabalhará para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, diminuindo as emissões de metano e usando energia limpa.

Em uma declaração conjunta, os EUA e a União Europeia destacaram que “a segurança energética e a sustentabilidade da UE e da Ucrânia são essenciais para a paz, a liberdade e a democracia na Europa”.

Ambos estão “empenhados em cumprir as metas do Acordo de Paris, atingindo o objetivo de zero emissões líquidas até 2050 e mantendo um limite de 1,5 graus Celsius para o aumento da temperatura ao alcance”. Segundo a nota, isso será possível com uma rápida transição para energia limpa, renovável e maior eficiência energética.

O texto finaliza dizendo que os Estados Unidos e a Comissão Europeia estão decididos a negociar e então implementar um “ambicioso Acordo Global sobre Comércio de Aço e Alumínio baseado em emissões que incentive a descarbonização industrial e reduza a demanda de energia”.

Biden vai à Polônia para discutir projeto

O presidente americano deve ir à Polônia nesta sexta-feira (25), um dos países mais afetados diretamente pela guerra na Ucrânia. Até o momento, mais de 2 milhões de ucranianos fugiram para cidades polonesas desde o início do conflito, em 24 de fevereiro.

Após sua chegada no Aeroporto Rzeszów-Jasionka, Biden será recebido pelo presidente polonês Andrzej Duda e será atualizado sobre a resposta humanitária à guerra. Ele viajará para Varsóvia à noite, capital da Polônia.

No sábado (26), a Casa Branca anunciou que Biden fará uma reunião bilateral com Duda para discutir como os EUA e seus aliados estão respondendo à crise de refugiados iniciada como consequência da guerra. Ele também dará declarações antes de retornar para Washington.

A vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, já havia visitado a Polônia no início do mês para tratar das consequências da guerra.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN