Bolsas dos Estados Unidos fecham em campo misto com queda no preço do petróleo

Nasdaq bateu um recorde de 16.102,722 pontos, nesta tarde, apoiado pela queda nos rendimentos das Treasuries

Placa de Wall Street em frente ao prédio da Bolsa de Nova York
Placa de Wall Street em frente ao prédio da Bolsa de Nova York FILEDIMAGE

Artur Nicocelido CNN Brasil Business*

São Paulo

Ouvir notícia

As bolsas nos Estados Unidos operaram em campo misto ao longo do dia, com a preocupação dos investidores sobre as novas restrições relacionadas à Covid-19 no país e na Europa, além do preço do petróleo que atingiu mínimas desde setembro. Situação que se manteve até o fechamento da sessão.

O Dow Jones terminou em queda de 0,75%, aos 35.602 pontos e o S&P 500 operou em baixa de 0,14%, aos 4.697 pontos, enquanto o Nasdaq subiu 0,40%, aos 16.057 pontos.

O índice de tecnologia norte-americano bateu um recorde de 16.102,722 pontos, nesta tarde, apoiado pela queda nos rendimentos das Treasuries (tesouro dos Estados Unidos), movimento que melhora o cenário de financiamento para empresas de tecnologia, altamente dependentes de fluxos de caixa futuros.

Petróleo

Às 18h01, o petróleo de referência global Brent era negociado a US$ 78,42, caindo 3,48%.

O Goldman Sachs disse que uma liberação coordenada da commodity das reservas estratégicas de petróleo pode ser apenas uma solução de curto prazo para um déficit de oferta e representar um risco na previsão do banco dos EUA para 2022.

A Opep+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados) concordou em manter seus planos atuais de aumentar a produção de petróleo, apesar dos apelos dos Estados Unidos por fornecimento extra para esfriar os preços em alta.

Pandemia nos EUA

De acordo com o Our World In Data, na noite de ontem (18), os Estados Unidos registrou 110.304 novos casos.

195.612.365 pessoas nos EUA estão completamente imunizadas, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês) – no Brasil são 125.986.353.

“Há algum risco da pandemia. No entanto, não acredito que os EUA vão na direção da Áustria. Se a Alemanha instituir um bloqueio total, isso provavelmente terá um impacto, novamente, na cadeia de abastecimento”, disse Tom Mantione, diretor administrativo da UBS Private Wealth Management em Stamford, Connecticut.

Europa

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) reforçou o alerta sobre a situação de retorno da pandemia na Europa e lembrou que alguns países europeus com crescimento no número de casos têm índices de vacinação superiores aos do Brasil.

Países como Lituânia, Áustria – 1º país da Europa a impor novo lockdown com temor de 5ª onda – e Alemanha apresentam percentuais maiores da população vacinada, de 65,2%, 63,7% e 67%, respectivamente, se comparado com o Brasil, de 60%.

Contudo, eles enfrentam uma nova alta de internações, além do crescimento no indicador de óbitos por milhão de habitantes.

*Com Agência Brasil e Reuters

Mais Recentes da CNN