Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exercícios militares da China em Taiwan ameaçam derrubar comércio global

    Na quinta-feira (4), a China iniciou exercícios envolvendo a marinha, a força aérea e outras forças militares nos mares e espaço aéreo ao redor de Taiwan

    Presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, se encontra com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em Taipé, Taiwan
    Presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, se encontra com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em Taipé, Taiwan Gabinete Presidencial de Taiwan/Disponibilizado via REUTERS

    Laura Hedo CNN Business

    em Hong Kong

    Ouvir notícia

    Os exercícios militares de fogo real da China em torno de Taiwan estão ameaçando interromper o comércio e as viagens comerciais no leste da Ásia, forçando os navios a desviarem de uma das vias navegáveis ​​mais movimentadas do mundo e pressionando ainda mais as tensas cadeias de suprimentos globais.

    Na quinta-feira (4), a China iniciou exercícios envolvendo a marinha, a força aérea e outras forças militares nos mares e espaço aéreo ao redor de Taiwan.

    Os exercícios — sem precedentes em número — são uma demonstração direta de força em resposta à visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, à ilha autogovernada, contra a qual Pequim alertou repetidamente.

    O Ministério da Defesa chinês divulgou na terça-feira (2) um mapa de seis zonas ao redor da ilha, onde disse que realizará exercícios aéreos e marítimos, bem como exercícios de fogo real de longo alcance que durarão até domingo.

    Navios e aeronaves foram avisados ​​para ficarem fora das áreas durante os exercícios.

    Taiwan disse que os exercícios militares equivalem a um “bloqueio marítimo e aéreo” e “violaram as águas territoriais de Taiwan e sua zona contígua”.

    Eles também ameaçam interromper os fluxos comerciais em uma das rotas marítimas mais movimentadas do mundo.

    O Estreito de Taiwan, uma artéria de 110 milhas de largura que separa a ilha de Taiwan e a Ásia continental, é uma importante rota comercial para navios que transportam mercadorias entre as principais economias do nordeste da Ásia, como China, Japão e Coréia do Sul, e o resto do mundo.

    A consultoria marítima VesselsValue, com sede em Londres, disse que atualmente existem 256 navios porta-contêineres e outras embarcações em águas territoriais de Taiwan, com mais 60 estimados para chegar entre quinta e domingo (7), quando os exercícios serão realizados.

    “Há potencial para uma interrupção substancial do comércio na região”, disse Peter Williams, analista de fluxo comercial da VesselsValue.

    O fechamento de rotas comerciais em torno de Taiwan, mesmo que temporariamente, “levanta preocupações sobre se a China pode fazer isso com sucesso novamente e o que isso pode significar não apenas para futuros padrões comerciais, de viagens e econômicos, mas também para cenários potencialmente defensivos e de segurança”, disse Nick Marro, analista líder de comércio global da Economist Intelligence Unit.

    Repercussões à frente

    Ainda não está claro qual será o impacto a longo prazo, mas os transportadores esperam atrasos devido ao reencaminhamento, potenciais vendas perdidas e custos mais altos para os trabalhadores que trabalham por mais horas.

    As cadeias de suprimentos globais já foram abaladas pela pandemia e pela guerra na Ucrânia, que interrompeu o fluxo de mercadorias e aumentou a inflação em muitas partes do mundo.

    Qualquer conflito em Taiwan, que domina a indústria de semicondutores, pode exacerbar a escassez global de chips de computador, que são componentes vitais para praticamente todos os eletrônicos modernos.

    Taiwan tem sete portos principais. O Porto de Kaohsiung, localizado na costa sudoeste, é o maior porto de Taiwan e o 15º maior do mundo, de acordo com o World Shipping Council.

    O Departamento Marítimo e Portuário de Taiwan emitiu três avisos na quarta-feira, pedindo aos navios que usem rotas alternativas para portos nas cidades de Keelung, Taipei, Kaohsiung e outros.

    Taiwan redireciona voos internacionais

    Taiwan também redirecionou 18 rotas de voos internacionais após negociações com o Japão e as Filipinas.

    Aproximadamente 300 voos seriam afetados como resultado do reencaminhamento, disse o ministro dos Transportes de Taiwan, Wang Kwo-tsai, na quarta-feira.

    “Não acabou, as repercussões, pois elas estão apenas começando”, disse Clifford Bennett, economista-chefe da ACY Securities, uma corretora australiana.

    “Muito pior será qualquer retardo econômico na relação entre Taiwan e China como resultado da visita de Pelosi”, disse ele.

    A China já atingiu Taiwan com algumas restrições ao comércio desde quarta-feira, incluindo a suspensão de algumas importações de frutas e peixes de Taiwan e exportações de areia natural para a ilha.

    Todo o evento pode “continuar a reverberar causando mais danos por meses, até anos, tanto às relações de Taiwan quanto dos EUA com a China continental”, disse Bennett.

    Wayne Chang da CNN em Hong Kong, Shawn Deng, Brad Lendon, Beijing Bureau e Hannah Ritchie contribuíram para este relatório.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN