Fed quer contornar inflação sem lesar a economia, mas pode levar EUA à recessão

Estratégia de aumentar repetidamente as taxas de juros não tem bom histórico entre principais BCs do mundo: de 16 ciclos de apertos desde 1970, 13 terminaram em recessão

Fachada do Federal Reserve, em Washington
Fachada do Federal Reserve, em Washington 26/01/2022REUTERS/Joshua Roberts

Charles Rileydo CNN Business*

em Londres

Ouvir notícia

Jerome Powell está tentando aumentar as taxas de juros sem prejudicar a economia. Errar significa recessão, e ele sabe disso.

O presidente do Federal Reserve disse na última segunda-feira (21) que o banco central americano está preparado para aumentar repetidamente as taxas de juros – e em 0,5 ponto percentual, se necessário – para manter a inflação sob controle.

As observações sobre os preços são as mais agressivas até agora de Powell, que tem o trabalho muito difícil de aumentar as taxas de juros sem empurrar a economia dos EUA para uma recessão – algo que os economistas chamam de engenharia de “aterrissagem suave”.

“Se concluirmos que é apropriado agir de forma mais agressiva aumentando a taxa de fundos federais em mais de 25 pontos base em uma reunião ou reuniões, faremos isso”, disse Powell durante discurso a economistas.

“E se determinarmos que precisamos ir além das medidas comuns de neutralidade e adotar uma postura mais restritiva, faremos isso também.”

O tom estridente do chefe do Fed disparou alarmes em Wall Street, e as ações caíram durante o discurso. O banco central elevou as taxas na semana passada pela primeira vez desde 2018, mas apenas em 0,25 ponto percentual.

A mensagem dos funcionários do Fed é que estão preparados para fazer “o que for preciso para trazer a inflação de volta à meta”, disseram analistas do UBS. Os preços de mercado sugerem que há dois terços de chance de uma alta de meio ponto em maio.

A história sugere que o caminho do Fed à frente é carregado.

Houve 16 ciclos de aperto da política monetária nos Estados Unidos, Reino Unido e Europa desde o final da década de 1970. Treze deles terminaram em recessão, de acordo com Neil Shearing, da Capital Economics.

Há três razões pelas quais taxas mais altas foram seguidas por recessões:

  1. A economia é atingida por um choque que nada tem a ver com as taxas de juros. A pandemia de coronavírus, que interrompeu um ciclo de aperto de 36 meses do Fed, é um bom exemplo.
  2. Os bancos centrais têm sido muito tímidos, permitindo o superaquecimento das economias e a formação de bolhas. Quando eles estouram, tem recessão.
  3. Os bancos centrais começam a subir as taxas tarde demais e depois precisam apertar agressivamente para acompanhar a inflação, provocando uma recessão.

É o terceiro risco que parece mais relevante agora. A recessão está longe de ser inevitável, disse Shearing, mas Powell está “agora tentando alcançar algo que o registro histórico sugere que é mais provável que falhe do que tenha sucesso”.

“A história mostra que o caminho para um pouso suave é estreito – e o choque inflacionário da guerra na Ucrânia o estreitou ainda mais”, disse Shearing.

Powell também consultou os livros de história – e chegou a uma conclusão diferente. Olhando apenas para os Estados Unidos, ele disse na segunda-feira que os pousos suaves foram projetados com sucesso em 1965, 1984 e 1994.

“Acredito que o registro histórico fornece alguns motivos para otimismo”, disse ele, observando que “a política monetária é frequentemente considerada um instrumento contundente”.

“Apresso-me a acrescentar que ninguém espera que uma aterrissagem suave seja algo simples no contexto atual – muito pouco pode ser feito direto no contexto atual”, concluiu Powell.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN