Governo manda reduzir vazão de usinas para tentar conter crise hídrica

A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na noite de sexta-feira (11)

Região da Bacia do Paraná, que abrange os estados de MG, GO, MS, SP e PR
Região da Bacia do Paraná, que abrange os estados de MG, GO, MS, SP e PR Foto: JOEL SILVA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Anne Warth,

do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

Em mais uma medida para tentar conter os impactos da crise hídrica e evitar um racionamento de energia, o governo decidiu reduzir a vazão de duas hidrelétricas na Bacia do Paraná. A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) na noite de sexta-feira (11).

Trata-se de uma portaria publicada pelo Ministério de Minas e Energia (MME) que determina a diminuição imediata do fluxo de água das usinas de Jupiá, entre as cidades de Andradina e Castilho (SP) e Três Lagoas (MS), e Porto Primavera, entre Rosana (SP) e de Batayporã (MS).

A portaria determina que a defluência mínima de Jupiá, da concessionária China Three Gorges Corporation Brasil (CTG Brasil), deverá ser reduzida gradualmente de forma a atingir 2.300 metros cúbicos por segundo (m³/s) em 1º de julho; e a de Porto Primavera, da Cesp, a 2.700 m³/s a partir da mesma data.

Desde a primeira quinzena de maio, a Cesp e a CTG realizam os testes de redução das defluências dessas duas usinas. Jupiá teve a vazão gradualmente diminuída de 3.700 metros cúbicos por segundo para 3.200 m³/s, e Porto Primavera, de 4.300 m³/s para 3.800 m³/s.

Mas, na sexta-feira passada (4) o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) já havia deixado claro em nota técnica que iria recomendar fluxos ainda menores e realizar as tratativas necessárias com o Ibama e a Agência Nacional de Águas (ANA), além das empresas donas das usinas. O objetivo é monitorar e diminuir os impactos para o turismo, pescadores, fauna e meio ambiente.

Há duas semanas, o governo emitiu alerta de emergência hídrica para os cinco Estados banhados pelos rios: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

Mais Recentes da CNN