‘Injusto’, diz associação de bares sobre fechamento às 20h em São Paulo

Presidente da Abrasel espera que o governo de João Doria (PSDB) volte atrás na decisão

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O setor de bares e restaurantes está descontente com a determinação do estado de São Paulo, para que esse tipo de comércio seja fechado até as 20h a partir do sábado (12).

Segundo Percival Maricato, presidente Abrasel, a medida “é absolutamente injusta” e “não vai resolver coisa alguma” para diminuir a disseminação do novo coronavírus. 

O governo de João Doria (PSDB) anunciou na tarde desta sexta (11) que bares deverão fechar às 20h e os restaurantes às 22h – com a venda de bebida alcoólica permitida apenas até 20h.

“O governo errou e atingiu um setor que já está muitíssimo fragilizado. O que ele [Doria] fez em restrições de horário foi praticamente decretar o encerramento da atividade. Nenhum bar vai fechar às 20h, não tem sentido. Muito menos restaurante que recebe pessoas depois das 20h e não pode vender bebida [alcoólica]. Nós esperamos que o governo tenha sensibilidade de voltar atrás”, disse.

Maricato afirmou ainda que o setor quer “maior liberdade” e mesas nas calçadas. 

Assista e leia também:

Veja o andamento da análise das vacinas contra Covid-19 no Brasil

Quer se encontrar com amigos no fim do ano? Veja o que são ‘bolhas’

Governo de SP mudou horário de funcionamento de bares, que deverão fechar às 20h
Governo de SP mudou horário de funcionamento de bares, que deverão fechar às 20h
Foto: Reprodução/Governo de SP

O Brasil ultrapassou hoje a marca de 180 mil mortes por Covid-19, em meio a um aumento no número de episódios diários. Com 672 vítimas confirmadas nas últimas 24 horas, são 180.437 os brasileiros mortos pela doença causada pelo novo coronavírus. 

O país tem a segunda maior contagem de mortes do mundo, atrás somente dos Estados Unidos, que registraram 293.785 óbitos.

Um boletim da Secretaria de Saúde de São Paulo mostrou que a transmissão do vírus no estado é equivalente ao pico da pandemia, entre abril e maio deste ano. 

 

(Publicado por Sinara Peixoto)

 

Mais Recentes da CNN