Magalu, Via, Americanas: entenda por que ações de e-commerce caíram mais de 40%

Para analistas, perdas refletem ajuste exagerado no preço, e papéis do setor ficaram baratos

No ano passado, a antiga B2W tinha subido 21%, a Via Varejo 45% e, o Magazine Luiza, 110%
No ano passado, a antiga B2W tinha subido 21%, a Via Varejo 45% e, o Magazine Luiza, 110% Foto: rupixen.com/Unsplash

Juliana Eliasdo CNN Brasil Business

em São Paulo

Ouvir notícia

A bolsa brasileira não está em seus melhores dias, mas os tempos estão piores para algumas ações do que para outras. É o caso das companhias ligadas ao setor do comércio eletrônico, que estão sofrendo para segurar seus preços depois de liderarem os ganhos e baterem recordes inimagináveis no ano passado, com altas que chegaram a passar dos 100%.

Referências do varejo online na bolsa, o Magazine Luiza (MGLU3) acumula queda de 43% neste ano, a Via (VIIA3), antiga Via Varejo e dona das Casas Bahia e Ponto Frio, perdeu 49%, e a Americanas (AMER3), união recente das Lojas Americanas com a B2W, dos sites Submarino e Shoptime, perde 48%.

O Ibovespa, no mesmo período, acumula queda de 3,9%, considerado o fechamento até a segunda-feira (18).

No ano passado, quando as restrições da pandemia levaram o dinheiro do mundo a migrar em massa para ações ligadas à tecnologia, a antiga B2W tinha subido 21%, a Via Varejo 45% e, o Magazine Luiza, 110%, todas as três entre as 20 maiores altas do ano na bolsa.

As razões para as quedas em 2021, de acordo com corretoras e analistas consultados pelo CNN Brasil Business, são uma mistura de correção das fortes altas do ano passado com um certo exagero na fuga desses papéis, o que amplificou, para elas, a fraqueza pelo qual passa o Ibovespa como um todo.

Com isso, os papéis acabaram ficando baratos demais e, não à toa, voltaram para as recomendações de muitos analistas.

As varejistas digitais também acompanham uma tendência internacional em que as ações de tecnologia perderam fôlego enquanto empresas mais ligadas à economia tradicional, como indústria e produtoras de commodities, entraram para o foco.

“No início da pandemia, tudo girava em torno de comércio online, visto que lojas e shoppings estavam fechados”, disse o diretor da casa de análises Investmind, Leonardo Alvarenga.

“Agora que estamos no ciclo de retomada, com a vacinação avançada e menores restrições de circulação, é normal que os resultados do e-commerce sejam impactados no curto prazo. Mas isso não quer dizer que essas varejistas sejam um mau investimento, apenas que o mercado prefere investir em outras teses no momento”, afirmou.

Atualmente, a Investmind tem indicação de compra para as ações da Americanas, devido ao contínuo crescimento nas vendas de seu marketplace. “Enxergamos um ‘upside’ [espaço para crescer] em suas ações maior do que o de seus pares”, diz a Investmind.

Alta e queda exageradas

“Foi um movimento exagerado [de queda], que corrige um pouco do exagero do ano passado”, disse Carlos Daltozo, chefe de pesquisa da casa de análises Eleven.

“Ainda tem espaço, na nossa visão, para que essas empresas recuperem parte do terreno perdido, podendo até voltar aos preços de antes. Só não há como saber se voltam rápido”, acrescentou, lembrando que as incertezas econômicas, fiscais e políticas do país em ano de véspera de eleição têm pesado sobre a bolsa brasileira como um todo.

A Eleven recomenda atualmente a compra das três varejistas, com especial destaque para a Via – que é também uma das ações mais recomendadas para outubro, de acordo com o levantamento mensal do CNN Brasil Business das carteiras de recomendações de bancos e corretoras.

“A empresa apresenta uma operação cada vez mais acertada e conseguiu performar muito bem mesmo ao longo da pandemia”, escreveu a corretora Toro Investimentos sobre sua recomendação de compra para a dona das Casas Bahia. “Nos últimos meses, a performance do papel arrefeceu na bolsa e voltou a patamares de preço atrativos.”

“Temos recomendação de compra hoje para as três ações”, disse Daltozo, da Eleven.

“Chegamos a retirar a recomendação do Magazine Luiza lá atrás, quando subiu muito, esperando justamente esse ajuste, e hoje a nossa equipe já considera que o papel está em um ponto de entrada interessante de novo.”

Mais Recentes da CNN