União Europeia fecha espaço aéreo para voos russos

Medida anunciada pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, acontece após ataque da Rússia à Ucrânia

A Lufthansa da Alemanha disse no sábado que suspenderia os voos de e para Kiev e Odessa, uma cidade portuária do sul, até o final de fevereiro
A Lufthansa da Alemanha disse no sábado que suspenderia os voos de e para Kiev e Odessa, uma cidade portuária do sul, até o final de fevereiro Oliver Roesler

Denise Odorissida CNN*

em Londres

Ouvir notícia

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, anunciou neste domingo (27) o fechamento do espaço aéreo da União Europeia para qualquer aeronave russa, de propriedade russa ou controlada por russos.

Mais cedo, diversos países europeus anunciaram medidas semelhantes, incluindo Espanha, Portugal, França, Itália, Holanda, Alemanha, Finlândia, Reino Unido, Irlanda, República Tcheca, Polônia, Eslovênia, Estônia, Lituânia, Letônia, Romênia e Bulgária.

Na América, o Canadá também decidiu fechar seu espaço aéreo para voos russos. O ministro dos transportes canadense anunciou a medida neste domingo. As proibições acontecem após a Rússia atacar a Ucrânia.

Em publicação no Twitter, o ministro dos transportes francês, Jean-Baptiste Djebbari, anunciou que “à invasão russa à Ucrânia, a Europa responde com total unidade”.

A decisão da Itália também foi anunciada neste domingo pelo gabinete do primeiro-ministro.

Já a Alemanha decidiu fechar seu espaço aéreo para aviões e companhias aéreas russas por três meses a partir das 15h, no horário local, deste domingo (27), informou Ministério dos Transportes do país. Os voos de ajuda humanitária estão excluídos da proibição, disse um porta-voz do ministério.

O ministério alemão havia dito neste sábado (26) que estava se preparando para fechar o espaço aéreo para voos russos, seguindo medidas semelhantes de outros países europeus em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Também neste domingo, a Islândia decidiu fechar seu espaço aéreo ao tráfego russo, segundo o ministro das Relações Exteriores da Islândia, Thordis Kolbrun Gylfadottir, neste domingo (27).

A Dinamarca também anunciou o fechamento de seu espaço aéreo para aeronaves russas, disse o ministro das Relações Exteriores dinamarquês, Jeppe Kofod, em um tuíte neste domingo (27) – ele acrescentou que pressionaria por uma proibição de voos em toda a União Europeia.

Na Lituânia, a primeira-ministra, Ingrida Simonyte, também anunciou por meio do Twitter que o país proibirá as companhias aéreas russas de seu espaço aéreo a partir da meia-noite, no horário local, deste domingo.”

“Sem voos para agressores no céu da liberdade”, escreveu Simonyte.

Espaços aéreos já fechados

Ucrânia, Moldávia e parte da Belarus já fecharam seus espaços aéreos, resultando no cancelamento de voos nos países, além de proibir o tráfego aéreo regular de passar pelo espaço fechado.

A Agência de Segurança da Aviação da União Europeia (EASA) dobrou seu alerta de segurança existente nesta sexta-feira (25), expandindo o alerta para companhias aéreas e outros operadores civis de 100 milhas náuticas para 200 milhas náuticas da fronteira ucraniana com a Rússia devido a temores de “mísseis de médio alcance penetrando em espaço aéreo controlado.”

A EASA disse, na última quinta-feira (24), que “os operadores devem ter extrema cautela”.

Entenda o conflito

Após meses de escalada militar e intemperança na fronteira com a Ucrânia, a Rússia atacou o país do Leste Europeu. No amanhecer desta quinta-feira (24), as forças russas começaram a bombardear diversas regiões do país – acompanhe a repercussão ao vivo na CNN.

Horas mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou uma “operação militar especial” na região de Donbas (ao Leste da Ucrânia, onde estão as regiões separatistas de Luhansk e Donetsk, as quais ele reconheceu independência).O que se viu nas horas a seguir, porém, foi um ataque a quase todo o território ucraniano, com explosões em várias cidades, incluindo a capital Kiev.

De acordo com autoridades ucranianas, dezenas de mortes foram confirmadas nos exércitos dos dois países. Em seu pronunciamento antes do ataque, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

Mapa da Ucrânia
Mapa da Ucrânia com destaque para as regiões de Donetsk e Luhansk / Foto: Reprodução/CNN Brasil

Esse ataque ao ex-vizinho soviético ameaça desestabilizar a Europa e envolver os Estados Unidos. A Rússia vem reforçando seu controle militar em torno da Ucrânia desde o ano passado, acumulando dezenas de milhares de tropas, equipamentos e artilharia nas portas do país. Nas últimas semanas, os esforços diplomáticos para acalmar as tensões não tiveram êxito.

A escalada no conflito de anos entre a Rússia e a Ucrânia desencadeou a maior crise de segurança no continente desde a Guerra Fria, levantando o espectro de um confronto perigoso entre as potências ocidentais e Moscou.

(Com informações de Sarah Marsh e Madeline Chambers, da Reuters, e de Eliza Mackintosh, da CNN, e Reuters) 

Mais Recentes da CNN