Preços da gasolina podem disparar se Rússia invadir Ucrânia

Vizinho russo é um importante centro de trânsito de energia, por onde flui uma grande quantidade de exportações russas de gás natural para a Europa

Uma invasão da Ucrânia provocaria temores imediatos de sanções de Washington aos vastos recursos energéticos da Rússia, danos à infraestrutura energética da região e aumentaria o espectro de Vladimir Putin armando exportações de gás natural e petróleo bruto.
Uma invasão da Ucrânia provocaria temores imediatos de sanções de Washington aos vastos recursos energéticos da Rússia, danos à infraestrutura energética da região e aumentaria o espectro de Vladimir Putin armando exportações de gás natural e petróleo bruto. 31/10/2014REUTERS/Darren Whiteside

Matt Egando CNN Business

Ouvir notícia

Se a Rússia invadir a Ucrânia, os americanos cansados ​​da inflação provavelmente pagarão o preço na bomba.

Os preços do petróleo já atingiram máximas de sete anos nos últimos dias. Um conflito entre a Rússia e a Ucrânia, que a Casa Branca alertou que poderia ser iminente, teria o potencial de levá-los muito mais longe.

Isso porque a Rússia é o segundo produtor de petróleo do planeta, atrás apenas dos Estados Unidos. E a Ucrânia é um importante centro de trânsito de energia, por onde flui uma grande quantidade de exportações russas de gás natural para a Europa.

Uma invasão da Ucrânia provocaria temores imediatos de sanções de Washington aos vastos recursos energéticos da Rússia, danos à infraestrutura energética da região e aumentaria o espectro de Vladimir Putin armando exportações de gás natural e petróleo bruto.

Os investidores comprariam primeiro e perguntariam depois.

“Há uma chance muito boa de chegarmos a US$ 100. Isso será inflacionário com um ponto de exclamação”, disse Robert Yawger, diretor de futuros de energia da Mizuho Securities. “Nós não precisamos disso. E não conseguimos pagar por isso.”

‘Todas as apostas estão encerradas’

É impossível dizer até onde os preços subiriam —e por quanto tempo eles permaneceriam altos. Mas o petróleo a US$ 100 certamente elevaria os preços na bomba. E isso significa que um conflito Rússia-Ucrânia tem o potencial de impactar a maioria dos americanos.

Os preços da gasolina, que se movem com um atraso em relação ao petróleo, já começaram a subir nos últimos dias. A média nacional atingiu US$ 3,32 por galão na quarta-feira, acima da baixa recente de US$ 3,28, segundo a AAA.

“Se houver uma guerra com a Rússia, então todas as apostas estão perdidas”, disse Claudio Galimberti, vice-presidente sênior de análise da Rystad Energy.

Os preços do petróleo subiram acentuadamente esta semana e analistas dizem que as preocupações com um conflito Rússia-Ucrânia contribuíram para esses ganhos.

“O mercado tem sido muito lento para avaliar os riscos de uma invasão”, disse Helima Croft, chefe de estratégia global de commodities da RBC Capital Markets. “Putin não é realmente um blefador. Ele é conhecido por apoiar palavras com ação.”

A Casa Branca está conversando com empresas de energia e países

Tudo isso ressalta a difícil situação em que a Casa Branca se encontra, econômica, politicamente e, claro, do ponto de vista da segurança nacional.

A inflação já é um grande problema político e econômico para o presidente Joe Biden. A recente recuperação dos preços da gasolina ameaça agravar ainda mais a inflação. E petróleo a US$ 100 em um conflito Rússia-Ucrânia tornaria ainda pior.

“O que quer que decidamos é o caminho certo para nosso interesse e segurança coletivos”, disse um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional à CNN em comunicado, “estamos preparados para entregar custos severos à economia russa, incluindo seu sistema financeiro e setores considerados críticos para as ambições do Kremlin e do presidente Putin – enquanto minimiza o transbordamento indesejado”.

Essa última parte —mitigar o impacto— pode ser complicada.

Um alto funcionário do governo disse à CNN que as autoridades estão levando o planejamento de contingência muito a sério “para garantir que estamos preparados para mitigar qualquer impacto e avaliar possíveis repercussões”.

Esse planejamento de contingência, disse o funcionário, inclui conversas com empresas de energia e países.

O funcionário do governo acrescentou que a Casa Branca foi “muito clara” sobre como responderia a uma invasão e “isso já deve começar a ser precificado nos mercados”.
Preços do gás natural podem disparar

Os europeus pagariam o maior preço em um conflito. Isso porque a Europa depende da Rússia para o gás natural. Os custos de aquecimento na Europa dispararam no outono passado, com o aumento dos futuros de gás natural.

A Alemanha alertou que consideraria interromper o gasoduto Nord Stream 2, um projeto de gasoduto de Moscou para a Alemanha, se a Rússia atacar a Ucrânia. Isso limitaria ainda mais o fornecimento de gás natural para a Europa.

O impacto para os consumidores americanos é menos direto.

A Rússia envia quantidades relativamente modestas de petróleo para os Estados Unidos, totalizando apenas 200.000 barris por dia em outubro. Isso representa apenas 3% do total de importações de petróleo dos EUA de 6 milhões de barris.

No entanto, o petróleo bruto é uma commodity comercializada globalmente e os preços na bomba são baseados nos preços mundiais do petróleo. Um choque de petróleo em qualquer lugar é sentido em todos os lugares.

Não apenas isso, mas um aumento nos preços do gás natural no exterior teria efeitos significativos em cascata.

Isso porque os preços muito altos do gás natural forçariam algumas usinas de energia e fábricas na Europa e na Ásia a trocar o gás pelo petróleo. Em outras palavras, a demanda por petróleo aumentaria.

‘Energia como arma’

Ao mesmo tempo, a oferta estaria em dúvida.

Primeiro, um conflito militar ameaçaria a infraestrutura energética da região.

Mas mesmo que os oleodutos e refinarias sejam poupados, a Rússia pode decidir reduzir sua oferta de gás natural –ou mesmo petróleo bruto.

“A Rússia pode armar as exportações de energia —para fazer com que todos sintam a dor”, disse Croft, estrategista do RBC. “Muitas pessoas acreditam que a Rússia responderá retendo o fornecimento, para nos fazer pagar o preço.”

E há o risco de que a Casa Branca responda a uma invasão sancionando o petróleo e o gás natural russos.

O presidente Biden alertou na quarta-feira (19) sobre a imposição de “custos severos e danos significativos” à economia russa se Putin invadir a Ucrânia.
“Vai ser pesado, vai ser real e vai ter consequências”, disse Biden.

Biden observou que a Rússia depende de suas exportações de petróleo e gás para sua economia. No entanto, ele não chegou a ameaçar impor sanções energéticas.

Croft, um ex-analista da CIA, sugeriu que a relutância das autoridades norte-americanas em ameaçar com sanções energéticas à Rússia está mostrando uma vulnerabilidade para Putin.

“Se você esculpe energia, está sinalizando que está preocupado com a energia”, disse ela.

Sanções podem piorar a inflação

Nivelar as sanções seria uma decisão difícil para Biden.

Por um lado, a energia é vital para a economia da Rússia, tornando-se um alvo óbvio para sanções e uma maneira de fazer Putin enfrentar consequências reais.

O petróleo bruto e o gás natural representaram cerca de 43%, em média, da receita anual do governo russo entre 2011 e 2020, segundo a Administração de Informações sobre Energia dos EUA.

A receita de petróleo e gás aumentou 60% durante os primeiros nove meses do ano passado, tornando-os o maior motor de crescimento da receita do governo, segundo o Banco Mundial.

“A Rússia é uma cidade de um pônei. Energia é a única coisa que eles têm. É a fraqueza gritante de sua economia”, disse Yawger, da Mizuho.

E, no entanto, aproveitar essa fraqueza limitando o fornecimento de gás natural e petróleo da Rússia elevaria os preços em um momento em que já estão elevados.

“Esta situação de guerra já seria ruim o suficiente. Mas se você começar a impor sanções à energia, isso simplesmente superdimensiona toda a história da inflação e a leva para o próximo nível”, disse Yawger. “Você estaria cometendo suicídio econômico e político ao fazer isso.”

A OPEP e as grandes petrolíferas virão em socorro?

Croft, analista do RBC, disse que o governo Biden provavelmente responderia a um aumento de preços liberando mais barris da Reserva Estratégica de Petróleo, provavelmente de forma coordenada com outras nações. Isso poderia ajudar a amortecer o golpe.

Biden também pode tentar convencer a Opep, liderada pela Arábia Saudita, a abrir as torneiras, argumentando que preços muito altos não são bons para os produtores se destruirem a demanda.

Analistas dizem que as companhias petrolíferas americanas, que até recentemente relutavam em aumentar significativamente a produção, responderiam ao petróleo de mais de US$ 100 aumentando a produção.

Mas isso não se traduziria em mais gasolina da noite para o dia. E, enquanto isso, os preços na bomba continuariam altos.

Mais Recentes da CNN