Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Queda dos preços do cobre é mais um aviso de recessão, avaliam especialistas

    No início deste ano, depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, preço do metal disparou, junto com outros também importantes na economia

    Rússia responde por 4% da produção global de cobre e quase 7% da produção de níquel, de acordo com a S&P Global
    Rússia responde por 4% da produção global de cobre e quase 7% da produção de níquel, de acordo com a S&P Global 19/05/2022. REUTERS/Andrew Kelly

    Julia Horowitzdo CNN Business

    Ouvir notícia

    Alguns investidores olham para os preços do cobre como um indicador da economia global. Se você é um deles, tem boas razões para se preocupar.

    O que está acontecendo: os preços do cobre atingiram as mínimas de 16 meses na quinta-feira (23), com os comerciantes despejando o metal. Eles caíram mais de 11% em duas semanas.

    “Os preços do cobre estão apenas começando a explicar o fato de que o crescimento global está desacelerando”, disse-me Daniel Ghali, diretor de estratégia de commodities da TD Securities.

    O metal é usado em muitos materiais de construção, incluindo fios elétricos e canos de água. Isso significa que muitas vezes é visto como um substituto para a atividade econômica, já que a demanda tende a aquecer quando a economia está em expansão e esfriar quando está contraindo. É carinhosamente chamado de “Dr. Copper” entre os comerciantes por causa de seu suposto talento para o prognóstico.

    No início deste ano, depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, o preço do cobre disparou, junto com outros metais importantes.

    A Rússia responde por 4% da produção global de cobre e quase 7% da produção de níquel, de acordo com a S&P Global. Os investidores estavam nervosos com o fato de que a oferta poderia acabar no momento em que a recuperação econômica da pandemia estava aumentando e começaram a acumular agressivamente.

    Agora, à medida que os temores de recessão se instalam, os preços estão indo na direção oposta.

    “Uma vez que o impulso de estocagem terminou, a demanda global por commodities começou a se reconectar com o crescimento global”, disse Ghali.

    A primeira olhada em um indicador econômico observado de perto para junho afirmou que a atividade econômica está caindo em uma marcha mais baixa à medida que os preços dos alimentos e dos combustíveis aumentam.

    O Índice de Gerentes de Compras divulgado pela S&P Global na quinta-feira (23) descobriu que a produção do setor privado desacelerou “fortemente” nos Estados Unidos este mês.

    “Tendo desfrutado de um mini-boom de consumidores que retornam após o relaxamento das restrições da pandemia, muitas empresas de serviços agora estão vendo as famílias lutando cada vez mais com o aumento do custo de vida, com produtores de bens não essenciais vendo uma queda semelhante nos pedidos”, disse Chris. Williamson, economista-chefe de negócios da S&P Global Market Intelligence.

    As empresas também ficaram muito mais estressadas com as perspectivas, já que o Federal Reserve aumenta agressivamente as taxas de juros na tentativa de conter os aumentos de preços.

    “A confiança das empresas está agora em um nível que normalmente anunciaria uma desaceleração econômica, aumentando o risco de recessão”, disse Williamson.

    Na Europa, o crescimento em junho caiu para um mínimo de 16 meses, de acordo com a leitura do PMI para os 19 países que usam o euro.

    E a China, que tem sido um motor crucial do crescimento global, ainda está lutando com os tremores secundários de seus bloqueios contra a Covid-19 e as consequências de uma queda no mercado imobiliário.

    A economia do país mostrou alguns sinais de melhora em maio, mas as vendas no varejo contraíram pelo terceiro mês consecutivo.

    O que acontece a seguir: espera-se que o crescimento na China aumente ainda este ano, e os preços do cobre e de outras refeições básicas devem se recuperar nesse ponto, disse Darwei Kung, gerente de portfólio de commodities da DWS. Só não está claro quando esse momento chegará.

    “Eles estão voltando, é apenas uma questão de tempo”, disse Kung.

    Enquanto isso, os preços podem cair ainda mais à medida que a ansiedade sobre a economia persiste. “No médio prazo, os preços do cobre têm mais espaço para cair, especialmente quando encaramos o barril de uma recessão”, disse Ghali.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN