Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Russos se preparam para uma mudança drástica em seu padrão de vida

    Saídas de empresas do país, combinadas com a queda do valor do rublo, ameaçam sufocar a economia da Rússia e privar os russos de bens estrangeiros cruciais

    Civis de Donetsk e Luhansk, regiões com predominância de separatistas russos, em Donbass, estão se instalando em campos em Rostov, na Rússia, após a evacuação da região em 21 de fevereiro de 2022
    Civis de Donetsk e Luhansk, regiões com predominância de separatistas russos, em Donbass, estão se instalando em campos em Rostov, na Rússia, após a evacuação da região em 21 de fevereiro de 2022 Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images

    Alisson Morrowdo CNN Business

    Ouvir notícia

    À medida que as sanções ocidentais se estabelecem, os russos estão se preparando para uma mudança dramática em seu padrão de vida, com suas economias diminuindo de valor e as importações de bens de uso diário rapidamente cortadas.

    Na semana passada, várias empresas ocidentais abandonaram suas operações russas para evitar entrar em conflito com as sanções.

    Eles também estão evitando possíveis atoleiros de relações públicas que podem resultar da manutenção de laços com um país que é cada vez mais visto como um pária no cenário global.

    Na terça-feira (1), a Apple disse que parou de vender todos os seus produtos na Rússia, seguindo medidas semelhantes de fabricantes de carros e caminhões, incluindo Ford, General Motors, Volvo, Renault e Jaguar.

    As gigantes petrolíferas ocidentais Shell e BP encerraram as joint ventures com contrapartes russas no início desta semana.

    A Disney, juntamente com a WarnerMedia, empresa controladora da CNN, está pausando o lançamento de filmes na Rússia.

    Para agravar a dor econômica, duas das maiores empresas de transporte de contêineres do mundo, Maersk e MSC, disseram que estão interrompendo as reservas de carga de e para a Rússia, com exceção de alimentos, remédios e suprimentos humanitários.

    Trens de carga estão nos trilhos em Munique, Alemanha, estaleiro de triagem do Norte, em 28 de fevereiro. Após o ataque da Rússia à Ucrânia, os países ocidentais impuseram inúmeras sanções, e a UE impôs uma proibição de exportação de bens, tecnologias e serviços para a indústria aeroespacial.

    Trens de carga estão nos trilhos do estaleiro de Munique, Alemanha, norte, em 28 de fevereiro.

    Após o ataque da Rússia à Ucrânia, os países ocidentais impuseram inúmeras sanções, e a UE impôs uma proibição de exportação de bens, tecnologias e serviços para a indústria aeroespacial indústria.

    Essas saídas, combinadas com a queda do valor do rublo, ameaçam sufocar a economia da Rússia e privar os russos de bens estrangeiros cruciais, como carros, celulares, roupas e alimentos.

    Embora a economia da Rússia seja impulsionada principalmente pelas exportações de petróleo e gás natural, ela depende fortemente das importações de produtos de consumo acabados.

    A moeda da Rússia caiu cerca de 25% na segunda-feira (28), e um rublo agora vale menos que um centavo norte-americano.

    O rublo enfraquecido provavelmente exacerbará a inflação, que já estava bem acima da meta do banco central antes da invasão da Ucrânia por Putin.

    Já há sinais de pânico, com vários relatos de moradores esperando em longas filas para caixas eletrônicos no fim de semana. O banco central evitou uma liquidação de ações mantendo o mercado de ações fechado esta semana.

    Também mais do que dobrou sua taxa de juros para 20% para tentar estabilizar a moeda.

    Sofrendo as consequências

    Se a história é uma indicação de como o regime do presidente Vladimir Putin responderá a uma economia doméstica desastrosa, então os russos comuns podem enfrentar uma difícil mudança de vida.

    Após a invasão da Crimeia em 2014, a Rússia respondeu às sanções ocidentais com as chamadas políticas de substituição de importações para tentar reduzir sua dependência de produtos estrangeiros.

    Embora mais bem-sucedidas do que a maioria dos observadores ocidentais esperava, essas políticas tiveram resultados mistos.

    “Houve uma substituição bastante bem-sucedida, principalmente por alimentos e em algumas outras partes que entram em bens industriais… mas tem sido principalmente na extremidade inferior da escala econômica”, explica Charles Lichfield, vice-diretor do Centro de Geoeconomia do Atlantic Council.

    Hardware de alta tecnologia é um exemplo frequentemente citado.

    “Isso é algo em que eles são extremamente dependentes, não necessariamente de fornecedores ocidentais, mas de fornecedores que negociam em dólares”, disse Lichfield.

    As restrições de exportação dos EUA anunciadas na semana passada foram projetadas para prejudicar o avanço militar da Rússia — sem causar pressão indevida aos consumidores russos.

    Mas o colapso do rublo já está provocando pânico em um país que passou por uma crise cambial semelhante na última década.

    Se as últimas sanções persistirem, é muito mais provável que a Rússia duplique os substitutos domésticos e diga a seus cidadãos que simplesmente se adaptem do que negociar com o Ocidente.

    “A maneira como eles lidaram com isso em 2014/15, a maneira como eles lidarão com isso agora, é apenas levar a inflação no queixo, promulgar políticas de substituição e usar a receita do petróleo para manter os gastos públicos”, disse Lichfield.

    O governo da Rússia pode fazer isso porque a opinião pública não é tão importante para o regime de Putin quanto seria em uma democracia ocidental.

    “Não há oposição real, então o padrão de vida caiu em 2014/15”, disse Lichfield, “mas não teve realmente uma consequência política. E acho que eles preveem que será o mesmo desta vez”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN