Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: não há crise bancária global, mas sistema financeiro está sob pressão

    Fato de empréstimos concedidos pelo Fed serem de crédito primário indica que bancos precisavam de apoio emergencial e não que estavam com risco de falência iminente

    Grupo de bancos centrais de todo mundo impulsionou movimentação de dólares no sistema financeiro global para manter fluxo de empréstimos na economia
    Grupo de bancos centrais de todo mundo impulsionou movimentação de dólares no sistema financeiro global para manter fluxo de empréstimos na economia Paul Fiedler/Unsplash

    David Goldmanda CNN

    Nova York

    O Credit Suisse, prejudicado por décadas pela má administração, escândalos e más apostas, finalmente sucumbiu à emergente crise bancária global.

    Sua impressionante e rápida aquisição pelo rival UBS, orquestrada pelas autoridades suíças no domingo, tirou um dominó gigante e oscilante da mesa.

    Horas depois, um grupo de bancos centrais de todo o mundo impulsionou a movimentação de dólares americanos no sistema financeiro global para manter o fluxo de empréstimos para famílias e empresas e apoiar as principais economias do mundo.

    A pergunta que os investidores e clientes nervosos querem responder esta semana: o que vem a seguir? Os outros bancos estão prestes a cair – ou serão salvos? Os reguladores serão forçados a intervir com mais planos de resgate?

    Nos Estados Unidos, a crise bancária começou há quase duas semanas com os colapsos repentinos do Silicon Valley Bank e do Signature Bank em um período de três dias. Isso provocou ondas de choque no sistema bancário global.

    Bancos regionais com perfis semelhantes ao SVB, incluindo First Republic Bank, PacWest e Western Alliance, oscilaram à beira do precipício na semana passada.

    Clientes ansiosos sacaram dezenas de bilhões de dólares em dinheiro dos bancos menores e os colocaram em instituições maiores e mais bem capitalizadas.

    Para pagar os saques dos clientes, os bancos regionais se esforçaram para ter acesso a dinheiro suficiente. O First Republic recebeu um empréstimo de US$ 70 bilhões do JPMorgan Chase há uma semana e outro salva-vidas de US$ 30 bilhões de um consórcio de 11 bancos, organizado por reguladores dos EUA, na quinta-feira. Isso ainda parece ser insuficiente, com as ações da First Republic caindo mais 33% na sexta-feira.

    A Moody’s rebaixou a classificação de crédito do First Republic para Ba1 ou inferior na noite de sexta-feira e a S&P cortou a classificação do banco para BB+ ou inferior no domingo.

    A Moody’s disse que o rebaixamento reflete a deterioração do perfil financeiro do banco e os “desafios significativos” que ele enfrenta devido à sua dependência de financiamentos de prazo mais curto e de custo mais alto, à medida que os clientes retiram seu dinheiro.

    E muitos outros bancos, cujas identidades provavelmente permanecerão desconhecidas por algum tempo, buscaram empréstimos de emergência do Federal Reserve na semana passada.

    Os bancos tomaram emprestado um recorde de US$ 153 bilhões na janela de desconto do Fed na semana passada – uma opção de último recurso para os bancos obterem acesso rápido ao dinheiro.

    Boas e más notícias

    A boa notícia: esses empréstimos não indicam nada inerentemente errado com o sistema bancário global. Nenhum dos bancos que tomaram empréstimos da janela de desconto do Fed tomou empréstimos em condições de crédito secundárias – empréstimos emergenciais, overnight, que ajudam bancos profundamente problemáticos a manter as luzes acesas. Esses empréstimos vêm com restrições severas e mais supervisão do Fed.

    O fato de os empréstimos concedidos pelo Fed serem de crédito primário “indica que os supervisores bancários dos EUA consideram os bancos que precisavam de apoio emergencial ‘saudáveis’ e não sob risco elevado de falência iminente”, observou Jill Cetina, analista da Moody’s, em nota aos investidores na sexta-feira.

    Os reguladores financeiros globais concordam, usando aparentemente todas as oportunidades que podem ter para gritar do alto das montanhas que o sistema bancário é seguro, saudável e fluindo com dinheiro.

    A má notícia: os bancos podem estar saudáveis ​​no geral, mas todos esses empréstimos mostram quanta pressão está sobre o sistema financeiro no momento.

    A tensão significa que os bancos podem ser resistentes a emprestar dinheiro, adicionando mais escrutínio à credibilidade dos tomadores de empréstimo. Isso significa menos hipotecas e menos dinheiro fluindo para as empresas, o que pode desacelerar a economia global e potencialmente levar a uma recessão.

    É por isso que os bancos centrais intervieram no domingo. Sua ação coordenada, como o mundo não via desde a crise da dívida europeia há uma década, representa a primeira indicação de que a crise bancária pode ter efeitos duradouros e prejudiciais para a economia global.

    Como isso vai acabar?

    A solução seria os clientes pararem de sacar depósitos. Mas o sistema bancário e os reguladores teriam que acalmar os temores antes que isso aconteça em todo o sistema.

    É por isso que há cada vez mais pedidos para que as autoridades americanas garantam todos os depósitos dos clientes, independentemente de serem segurados ou não.

    A US Federal Deposit Insurance Corporation garante depósitos em bancos qualificados de até US$ 250 mil por conta. Os países europeus operam programas semelhantes.

    Se os reguladores assegurassem todos os depósitos de todos os tamanhos, semelhante ao que aconteceu com os clientes do Silicon Valley Bank e Signature depois que esses bancos faliram, isso poderia dar aos clientes a confiança de que seu dinheiro está seguro com os bancos regionais.

    A Moody’s disse na sexta-feira que há uma “alta probabilidade” de que os reguladores federais possam invocar uma exceção de risco sistêmico para proteger todos os depositantes não segurados na First Republic. Mas se os reguladores abrirem uma exceção para apenas mais um banco, isso significaria resgatar todos os bancos em dificuldades.

    As autoridades americanas podem relutar em fazer isso se houver uma chance de o sistema resolver seus problemas por conta própria.

    Com uma crise iminente do teto da dívida e intenso escrutínio sobre o uso do dinheiro do contribuinte para financiar qualquer coisa que se pareça com um resgate, o governo Biden quase certamente preferiria uma solução orgânica para a crise.

    Há algumas evidências de que isso pode estar começando a acontecer.

    A Western Alliance e a Charles Schwab, que relataram uma grande quantidade de saques na semana passada, procuraram tranquilizar clientes e investidores dizendo que os depósitos permaneceram relativamente estáveis ​​nos últimos dias e que permaneceram suficientemente líquidos – o que significa que eles têm dinheiro suficiente para continuar a financiar suas operações.

    E uma autoridade dos EUA disse à CNN que os depósitos em pequenos e médios bancos americanos se estabilizaram nos últimos dias, com fluxos de saída diminuindo, parando ou, em alguns casos, revertendo.

    Os problemas do Credit Suisse – anos em construção – não estão relacionados com as recentes corridas de depósitos em bancos americanos. Mas depois que o UBS veio em socorro do Credit Suisse, a enxurrada de saques de depósitos dos bancos regionais dos EUA diminuiu e os bancos centrais tentaram disponibilizar mais dólares para manter os empréstimos dos bancos, há esperança de que a atual crise bancária desapareça e o mundo evite uma recessão econômica.

    O que é certo: isso ainda não acabou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original