Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Crise do First Republic Bank pode ter a ver com dependência de clientela rica, dizem especialistas

    Essa base particularmente volátil de depositantes representa um risco para investidores

    Alisson Morrowda CNN

    em Nova York

    O First Republic, que entrou em derrocada há seis semanas, está em escrutínio pela Federal Deposit Insurance Corporation e foi adquirido pelo JPMorgan Chase, é o terceiro credor dos EUA a falir em dois meses — e o motivo tem muito a ver com sua base de clientes “de salto alto”.

    A turbulência bancária que começou com o Silicon Valley Bank em março desencadeou o pânico entre os depositantes e investidores, que fugiram das ações de bancos regionais que tinham semelhanças com o SVB.

    O First Republic, apenas um pouco maior que o SVB e atendendo a uma clientela praiana igualmente rica, imediatamente ficou “na mira” do mercado.

    O que aconteceu?

    Ambos os credores com sede na Bay Area – na Califórnia – atendiam a clientes de elite — empresas e indivíduos — que carregavam grandes saldos em dinheiro. Em ambos os casos, os bancos tinham uma proporção exagerada de depósitos acima dos US$ 250 mil cobertos pelo FDIC.

    “Esses depositantes são particularmente propensos a retirar fundos”, disse Patricia McCoy, professora de direito do Boston College, à CNN no mês passado. “Eles são sofisticados, sabem que têm outras opções e têm mecanismos para movimentar dinheiro rapidamente.”

    Essa base particularmente volátil de depositantes representa um risco para os investidores.

    E, de fato, quando o First Republic divulgou seus resultados do primeiro trimestre na segunda-feira – acompanhados por uma ligação curta para os investidores, na qual os líderes não responderam a perguntas dos investidores ou da mídia – o banco revelou que perdeu mais de 40% de seus depósitos, ou cerca de US$ 100 bilhão.

    A notícia levou suas ações a uma nova baixa.

    Grandes bancos como JPMorgan Chase e Bank of America diversificaram suas bases de depositantes para incluir mais do que McCoy chama de “depósitos pegajosos”. Em outras palavras, pessoas comuns que têm menos de US$ 250 mil no banco e não fugirão tão rapidamente.

    Cerca de dois terços dos depósitos do First Republic não tinham seguro.

    Isso é muito menos do que os 94% sem seguro que o Silicon Valley Bank tinha, mas o First Republic também tinha uma taxa de empréstimo para depósito extraordinariamente alta de 111% no final do ano passado, segundo a S&P Global — o que significa que emprestou mais dinheiro do que tem em depósitos.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original