Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Dívidas com cartão de crédito nos EUA atingem recorde de US$ 1 trilhão

    Durante o segundo trimestre, as contas do cartões de crédito dispararam US$ 45 bilhões, ou quase 4,6%, para US$ 1,03 trilhão

    Dívida geral das famílias aumentou US$ 2,9 trilhões desde o final de 2019, antes da pandemia
    Dívida geral das famílias aumentou US$ 2,9 trilhões desde o final de 2019, antes da pandemia Foto: Shutterstock (20.jun.2020)

    Alicia Wallaceda CNN

    Os níveis de dívida em cartões de crédito nos Estados Unidos acabaram de atingir um novo, mas indesejável, marco: pela primeira vez, eles ultrapassaram US$ 1 trilhão, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (8) pelo Federal Reserve (Fed) Bank de Nova York.

    Durante o segundo trimestre, o saldo devedor de cartões de crédito dispararam US$ 45 bilhões, para US$ 1,03 trilhão, de acordo com o último relatório trimestral do Fed de Nova York sobre dívida e crédito doméstico.

    O aumento da dívida de cartão de crédito e dos saldos de empréstimos para automóveis ajudou a elevar os níveis gerais de dívida das famílias em 1%, para US$ 17,06 trilhões no trimestre, mostrou o relatório.

     

    A dívida geral das famílias aumentou US$ 2,9 trilhões desde o final de 2019, antes da pandemia. Os saldos da dívida do Fed de Nova York são nominais e não são ajustados pela inflação.

    Esses aumentos estão ocorrendo em um momento em que as taxas de juros saltaram rapidamente para uma alta de 22 anos.

    “À medida que as taxas de juros passam da taxa de fundos federais para as taxas de juros de hipotecas e cartões de crédito, isso afeta os consumidores comuns”, disse Sofia Baig, economista da empresa de inteligência de decisão Morning Consult, à CNN.

    “Assim, com taxas de juros elevadas, pagar essa dívida se torna mais caro e, com os consumidores continuando a contrair mais dívidas, essa combinação colocará mais pressão sobre algumas famílias que têm orçamentos mais apertados”.

    O cartão de crédito médio cobra uma taxa de juros quase recorde de 20,53%, de acordo com o Bankrate.

    Os saldos de cartões de crédito aumentaram por cinco trimestres consecutivos, crescendo em algumas das maiores taxas em 20 anos, mostra uma análise dos dados do Fed de Nova York.

    “Infelizmente, só vai subir a partir daqui”, disse Matt Schulz, analista-chefe de crédito da LendingTree, em entrevista à CNN.

    Nem todas as pessoas podem aguentar

    Embora o mercado de trabalho esteja forte, a economia esteja crescendo e os gastos do consumidor estejam aumentando, a inflação persistentemente alta, aliada ao aumento das taxas de juros, pesou sobre os consumidores – especialmente aqueles que não estavam entre os 14 milhões de proprietários de imóveis que refinanciaram durante a pandemia, prendendo em ultra -baixas taxas de juros e extraindo US$ 430 bilhões no processo.

    Na terça-feira anterior, o Bank of America informou que mais pessoas estavam acessando suas contas 401(k) por causa de dificuldades financeiras.

    O número de pessoas que fizeram retirada por dificuldades durante o segundo trimestre aumentou em relação aos primeiros três meses do ano para 15.950, um aumento de 36% em relação ao segundo trimestre de 2022.

    Embora as retiradas de dificuldades estejam sendo feitas por uma pequena fração dos titulares de planos gerais, é outra indicação de que rachaduras podem estar se formando na situação financeira das famílias.

    “Existem muitos dados que mostram que as pessoas estão indo muito bem, suas dívidas em comparação com sua renda disponível são boas, a inadimplência é baixa e o desemprego é baixo”, disse Schulz.

    “Mas também há um limite para as dívidas sólidas que as pessoas podem administrar antes que a inadimplência realmente aumente.”

    Novas inadimplências continuam a subir de baixas históricas recentes, de acordo com o último relatório do Fed de Nova York.

    As taxas de transição para inadimplência antecipada para cartões de crédito, empréstimos para automóveis e hipotecas residenciais aumentaram no trimestre, de acordo com dados do Fed de Nova York suavizados como uma média móvel de quatro trimestres.

    Embora as taxas de inadimplência de novas hipotecas permaneçam abaixo do que era visto antes da pandemia, as médias móveis para inadimplência de automóveis e cartões de crédito são as mais altas desde o primeiro trimestre de 2018 e o primeiro trimestre de 2012, respectivamente.

    Embora tenham aumentado, ainda não chegaram a um ponto em que os consumidores estejam passando por dificuldades financeiras generalizadas, escreveram pesquisadores do Fed de Nova York em um post de blog.

    “Os consumidores americanos até agora resistiram às dificuldades econômicas dos períodos pandêmico e pós-pandêmico com resiliência”, escreveram os pesquisadores.

    “No entanto, saldos crescentes podem apresentar desafios para alguns mutuários, e a retomada dos pagamentos de empréstimos estudantis neste outono pode adicionar tensão financeira adicional para muitos tomadores de empréstimos estudantis”.

    Recuando nos gastos

    Os pagamentos de empréstimos estudantis federais devem ser retomados em outubro, após uma pausa de mais de três anos devido à pandemia de Covid-19 e à pressão do governo Biden para perdoar dívidas.

    O recente lançamento de programas de reembolso do governo Biden deve ajudar a suavizar o golpe para os mutuários, disseram pesquisadores do Fed de Nova York a repórteres na terça-feira.

    Ainda assim, nem todas as finanças são criadas igualmente e pode ser mais difícil para algumas famílias adicionar novamente o pagamento mensal.

    “Será um grande teste para muitos americanos”, disse Schulz. “Os orçamentos das pessoas são muito, muito apertados. Uma vez iniciados, simplesmente não sabemos como será.”

    Quando a dívida se acumula, inevitavelmente forçará as pessoas a controlar ainda mais seus gastos, disse Baig, da Morning Consult.

    Os consumidores já cortaram gastos ou economizaram para cobrir despesas que estão fora de seus orçamentos, disse ela.

    “Posso ver esse comportamento se transformando em algo como pagamentos de empréstimos estudantis ou pagamentos de dívidas de cartão de crédito”, disse ela.

    “Se a pressão chegar ao limite e você precisar começar a pagar seus empréstimos estudantis, espero ver esses consumidores reduzirem seus gastos para que funcione.”

    “O que vamos ver aqui é basicamente uma mudança de comportamento para sobreviver”, disse ela.

    Veja também: Saiba como renegociar as dívidas do cartão de crédito

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original