Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    EUA aumentam restrições sobre vendas de chips para China e tensão cresce

    Novas medidas devem cortar brechas das restrições aplicadas em 2022

    Segundo secretária, intenção é proteger segurança nacional
    Segundo secretária, intenção é proteger segurança nacional Reuters

    Michelle TohKayla Tauscheda CNN

    Hong Kong/Washington

    A administração Biden segue reduzindo a gama de semicondutores que as empresas norte-americanas poderão vender à China.

    Na terça-feira (17), o Departamento de Comércio dos Estados Unidos emitiu novas regras que endurecem as restrições de exportação introduzidas em outubro de 2022.

    Para o governo, as medidas são necessárias para eliminar brechas nas regulações impostas no final do ano passado.

    As regras atualizadas “aumentarão a eficácia do nosso controle e fecharão ainda mais caminhos para contornar as nossas restrições”, disse a secretária do Comércio dos EUA, Gina Raimondo, num comunicado.

    “Continuaremos a trabalhar para proteger a nossa segurança nacional, restringindo o acesso a tecnologias críticas, aplicando vigilantemente as nossas regras, ao mesmo tempo que minimizamos qualquer impacto não intencional nos fluxos comerciais.”

    Chips avançados de inteligência artificial (IA), como os produtos H800 e A800 da Nvidia, serão afetados, de acordo com um documento regulatório da empresa norte-americana.

    Além da China e Macau, os regulamentos também expandem as restrições às exportações para outros 21 países com os quais os Estados Unidos mantêm um embargo de armas, incluindo o Irã e a Rússia.

    As medidas devem entrar em vigor nos próximos 30 dias.

    As regras originais procuravam dificultar a capacidade da China de adquirir chips de computação avançados e fabricar sistemas de armas avançados.

    Desde então, altos funcionários da administração sugeriram que precisavam de ser ajustados devido à evolução tecnológica.

    “Batalha” por chips

    Raimondo, que visitou a China em agosto, disse que a administração estava “focada” em abrandar o avanço das forças armadas da China.

    A secretária do Comércio enfatizou que Washington optou por não ir mais longe na restrição de chips para outras aplicações.

    Os chips usados ​​em telefones, videogames e veículos elétricos foram propositadamente excluídos das novas regras, de acordo com altos funcionários do governo.

    Mas é pouco provável que estas garantias acalmem Pequim, que prometeu “vencer a batalha” nas tecnologias essenciais, a fim de reforçar a posição do país como superpotência tecnológica.

    O Ministério das Relações Exteriores da China criticou as novas regras do governo Biden na segunda-feira (16), antes de serem oficialmente divulgadas.

    “Os EUA precisam parar de politizar e armar as questões comerciais e tecnológicas e parar de desestabilizar as cadeias industriais e de abastecimento globais”, disse o porta-voz Mao Ning numa conferência de imprensa.

    “Acompanharemos de perto os desenvolvimentos e iremos defender firmemente os nossos direitos e interesses.”

    Como parte do diálogo contínuo estabelecido por Raimondo e outros responsáveis ​​dos EUA com os pares chineses, Pequim foi informada das atualizações iminentes, de acordo com um alto funcionário da administração.

    “Informamos aos chineses, para maior clareza, que essas regras estavam chegando, mas não houve negociação com eles”, disse o funcionário aos repórteres.

    A rivalidade tecnológica entre as duas maiores economias do mundo tem se acirrado. Nos últimos meses, os Estados Unidos foram apoiados por aliados na Europa e na Ásia, que adotaram as restrições as vendas de equipamentos avançados de produção de chips à China.

    Em julho, Pequim reagiu impondo as suas próprias restrições às exportações de germânio e gálio, dois elementos essenciais para a produção de semicondutores.

    Impacto na indústria

    As ações dos fabricantes de chips dos Estados Unidos caíram na terça-feira após o anúncio das novas restrições.

    As ações da Nvidia fecharam em queda de 4,7%, enquanto a Intel caiu 1,4%. As ações da AMD terminaram em queda de 1,2%.

    Em pronunciamento, a Nvidia disse que as regras impunham novos requisitos de licenciamento para exportações para a China e outros mercados, como Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Vietnã.

    A empresa disse que seu chip A800, que teria sido criado para clientes chineses a fim de contornar as restrições do ano passado, estaria entre os componentes afetados.

    No entanto, “dada a força da procura pelos nossos produtos em todo o mundo, não prevemos que as restrições adicionais terão um impacto significativo a curto prazo nos nossos resultados financeiros”, disse a Nvidia.

    A indústria mais ampla de fabricação de chips dos EUA também está examinando o impacto das novas regras.

    A Associação da Indústria de Semicondutores disse em um comunicado na terça-feira que, embora reconhecesse a necessidade de proteger a segurança nacional, “controles unilaterais excessivamente amplos correm o risco de prejudicar o ecossistema de semicondutores dos EUA sem promover a segurança nacional, pois incentivam os clientes estrangeiros a procurarem outro lugar”.

    “Pedimos à administração que reforce a coordenação com os aliados para garantir condições de concorrência equitativas para todas as empresas”, acrescentou o grupo, que representa 99% do setor de chips dos EUA.

    As medidas também estão sendo revistas na Europa.

    Na terça-feira, a ASML, fabricante holandesa de equipamentos para fabricação de chips, disse que estava avaliando as implicações das regras, embora não esperasse que elas “tivessem um impacto material em nossas perspectivas financeiras para 2023”.

    Também na terça-feira, o Departamento de Comércio dos EUA adicionou 13 entidades chinesas a uma lista de empresas com as quais as empresas norte-americanas não podem fazer negócios por razões de segurança nacional.

    Eles incluem duas startups chinesas, Biren Technology e Moore Thread Intelligent Technology, e suas subsidiárias.

    O departamento alega que estas empresas estão “envolvidas no desenvolvimento de chips de computação avançados que se descobriu estarem envolvidos em atividades contrárias à segurança nacional dos EUA”.

    A CNN entrou em contato com Biren e Moore Thread para comentar.

    Veja também: China restringe exportação de metais essenciais para fabricação de chips

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original