Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Autoridades do Fed estão considerando menos cortes nas taxas este ano

    Taxa de juros do Fed foi mantida entre 5,25% e 5,5% pela 5ªa vez

    Prédio do Federal Reserve em Washington
    Prédio do Federal Reserve em Washington 09/06/2006 - REUTERS/Jim Bourg

    Elisabeth BuchwaldBryan Menada CNN

    Os norte-americanos, prejudicados pelos elevados custos dos empréstimos para automóveis, hipotecas e cartões de crédito, não devem esperar grandes cortes este ano.

    Isto porque alguns responsáveis ​​do Federal Reserve (Fed) estão reconsiderando as previsões feitas há três meses, quando avaliavam três cortes nas taxas este ano.

    Atualmente, a taxa de juros do Fed está entre 5,25% e 5,5%, o maior nível em 23 anos.

    Quatro das 19 autoridades ​​do comitê de política monetária consideram agora que as taxas se manterão acima dos 5% este ano, o que implica em um ou nenhum corte nas taxas, de acordo com as novas projeções econômicas da reunião da semana passada. Em dezembro, três autoridades ​​viam as taxas ficarem acima dos 5%.

    No extremo oposto, apenas um funcionário – em comparação com cinco anteriormente – vê as taxas caírem abaixo de 4,5%, o que implica quatro cortes.

    Os riscos são elevados porque haverá consequências se o Fed cortar as taxas em breve ou se deixar as taxas onde estiveram nos últimos oito meses.

    Se o banco central reduzir prematuramente, poderá arriscar perder o controle sobre a inflação, que ainda não está na meta de 2%.

    Mas se o Fed esperar muito tempo para cortar, as taxas de juro elevadas poderão prejudicar ainda mais os norte-americanos e a economia, provocando potencialmente uma recessão.

    Para além das suas projeções oficiais, vários responsáveis ​​também têm defendido, em discursos públicos e aparições nos meios de comunicação social, a forma como o Fed deveria abordar a difícil tarefa de quando começar a cortar as taxas de juro.

    O presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, atualmente membro votante do comitê de fixação de taxas do Fed, chegou ao ponto de sugerir que o banco central só deveria cortar as taxas uma vez este ano.

    “A economia continua a trazer surpresas e continua mais resiliente e mais energizada do que eu havia previsto ou projetado”, disse Bostic na semana passada. É por isso que ele disse que revisou a sua crença de que o banco central deveria cortar as taxas duas vezes este ano, para uma única.

    Primeiro corte nas taxas depende de dados de inflação

    Em fevereiro, Bostic disse à CNN que o primeiro corte nas taxas poderia ocorrer “em algum momento do verão [norte-americano]”. Essa também é a expectativa atual de Wall Street.

    Powell não partilhou publicamente o seu cronograma para o corte das taxas, mas explicou repetidamente que o momento desse primeiro corte nas taxas será, em última análise, determinado pelo que mostram os medidores de inflação e outros dados econômicos importantes.

    Foi precisamente isso que deu um choque de realidade a alguns investidores que anteriormente estimavam vários cortes em 2024.

    Os valores da inflação nos primeiros dois meses do ano foram mais altos do que o esperado, refletindo algumas pressões persistentes sobre os preços dos serviços e da habitação.

    O aumento dos custos de habitação e o aumento dos preços da gasolina contribuíram para 60% do aumento mensal dos preços ao consumidor em fevereiro, de acordo com o último CPI.

    Os preços ao consumidor subiram 3,2% em fevereiro em relação ao ano anterior, acima do aumento anual de 3,1% que os economistas esperavam.

    O Índice de Preços ao Produtor, outro indicador de inflação observado de perto, subiu em fevereiro no ritmo mais rápido em meses.

    O indicador de inflação preferido da Fed, o índice de preços de Despesas de Consumo Pessoal, também refletiu preços teimosos em janeiro.

    “Não creio que a inflação tenha estagnado, porque espero que parte do abrandamento nos gastos dos consumidores e no mercado de trabalho se repercuta nos serviços e proteja a inflação nos próximos meses”, disse David Page, chefe de análise macroeconômica da empresa de gestão de investimentos AXA IM.

    A não desaceleração da inflação, o que impediria quaisquer cortes nas taxas, é uma das maiores preocupações de Wall Street em relação à economia.

    Mas os economistas ainda esperam que a inflação desça gradualmente – talvez apenas não tanto como os investidores entusiasmados esperavam há alguns meses.

    Fed ainda está em modo de esperar para ver

    Powell disse na semana passada que o salto mensal dos preços de janeiro pode ter sido distorcido por “fatores sazonais” e que isso não significa necessariamente que o arrefecimento da inflação tenha cessado.

    Ele não especificou – e é improvável que sinalize – o número de cortes nas taxas que acredita serem apropriados para este ano.

    Em vez disso, ele disse na reunião da semana passada que ele e outros responsáveis ​​do Fed “querem mais confiança de que a inflação está descendo de forma sustentável para 2%”.

    Isso significa que as taxas permanecerão onde estão enquanto as autoridades do Fed aguardam mais dados para saber se a inflação está realmente caminhando para 2%.

    “O caminho da desinflação, como esperado, tem sido acidentado e desigual, mas uma abordagem cuidadosa para novos ajustes de política pode garantir que a inflação retornará de forma sustentável a 2%, ao mesmo tempo em que se esforça para manter o mercado de trabalho forte”, disse a governadora do Fed, Lisa Cook, na segunda-feira (25) durante uma palestra na Universidade de Harvard.

    Tradução: não há necessidade de se apressar em cortar as taxas, mesmo que algumas leituras recentes da inflação não tenham sido ideais.

    Cenário de três cortes

    Mas o presidente do Fed de Chicago, Austan Goolsbee, disse que três cortes este ano estão “em linha” com suas perspectivas.

    “Estamos em um estado de incerteza, mas não me parece que tenhamos mudado fundamentalmente a história de que estamos voltando à meta”, disse Goolsbee, que não votará nas decisões sobre taxas de juros este ano.

    No entanto, Powell disse na reunião de dezembro que os banqueiros centrais não gostariam de esperar até que a inflação regresse ao objetivo da Fed para começar a cortar as taxas de juro porque “seria muito tarde”.

    O seu raciocínio é que pode demorar algum tempo até que o efeito total de um determinado nível de taxas de juro se faça sentir na economia.

    Os chamados “lags longos e variáveis” da política monetária são um fator-chave que as autoridades estão a considerar quando se trata de aproximar cortes nas taxas e a razão pela qual alguns podem ainda estar a considerar três cortes este ano, apesar de alguns dados de inflação indesejáveis.

    O governador do Fed, Christopher Waller, visto como um mensageiro-chave da orientação política do Fed, fará um discurso sobre a economia na quarta-feira (27), em Nova York.

    Ele elogiou a queda da inflação e disse que novas melhorias poderiam abrir a porta para cortes nas taxas – se isso realmente se confirmar.

    No final da semana, Powell participará de uma discussão sobre política monetária organizada pelo Fed de São Francisco.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original