Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China habilita mais 38 exportadores de carnes do Brasil e impulsiona embarques do setor

    Número é o maior dado pelo país asiático de uma só vez para o Brasil

    As habilitações pelo maior importador de carnes do Brasil incluem 8 abatedouros de frango, 24 de bovinos, um estabelecimento bovino de termoprocessamento e cinco entrepostos
    As habilitações pelo maior importador de carnes do Brasil incluem 8 abatedouros de frango, 24 de bovinos, um estabelecimento bovino de termoprocessamento e cinco entrepostos Foto: REUTERS/Paulo Whitaker

    Reuters

    Mais 38 unidades frigoríficas brasileiras foram habilitadas para vender carnes à China, informou o Ministério da Agricultura nesta terça-feira, em medida que deve impulsionar os embarques do maior exportador de carne bovina e de frango para o principal mercado importador, segundo associações da indústria.

    De acordo com o ministério, foi o maior número de habilitações concedidas pelos chineses de uma só vez na história para o Brasil, que tem a chance de ganhar mercado especialmente em proteínas bovinas, já que os Estados Unidos lidam com uma baixa oferta de gado e maiores custos com a matéria-prima.

    As habilitações pelo maior importador de carnes do Brasil incluem 8 abatedouros de frango, 24 de bovinos, um estabelecimento bovino de termoprocessamento e cinco entrepostos, “algo inédito com o comércio da China, dos quais um é de bovino, três de frango e um de suíno”, afirmou o ministério.

    “Com essa nova lista aprovada, sem dúvida a consequência é o aumento das exportações para China. Até porque, se analisar, os Estados Unidos vêm passando por problemas de oferta de animais, reduzindo o rebanho bovino”, disse o presidente da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), Paulo Mustefaga, à Reuters.

    Ele ponderou que, embora as novas habilitações abram esta oportunidade, é preciso analisar outras questões, como a conjuntura econômica da China, que aponta um desaquecimento da economia, além da oferta de suínos, que melhorou.

    Em 2023, o país asiático importou 2,2 milhões de toneladas de carnes do Brasil, gerando receitas de mais de 8,2 bilhões de dólares, segundo dados do governo.

    Foi o “maior incremento de habilitações de aves já realizado pela China, após cinco anos sem novas unidades autorizadas”, disse o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin.

    Ele ressaltou que as habilitações são um importante reconhecimento da China ao trabalho realizado pelo Brasil.

    O diretor de mercados da ABPA, Luís Rua, disse que há boas expectativas sobre o desempenho das vendas brasileiras para o país asiático com estas habilitações, especialmente porque novos grupos empresariais terão pela primeira vez acesso a este importante mercado.

    “A China é o principal destino das exportações brasileiras de carne de frango, com 10% de todos os embarques realizados pelo setor no primeiro bimestre deste ano”, comentou ele.

    Recentemente, após a atuação do governo brasileiro, a China notificou o Brasil sobre a não renovação da medida antidumping que vinha sendo aplicada desde 2019 às exportações brasileiras de carne de frango.

    A medida também deve aquecer os embarques, porque muitos produtores não conseguiam competir devido aos direitos antidumping que eram impostos, acrescentou o ministério em nota.

    A medida impunha uma sobretaxa variando entre 17,8% e 34,2% conforme a empresa exportadora e deixou de vigorar no dia 17 do mês passado.

    “Esse é um momento importante para os dois lados. A China que vai receber carnes de qualidade com preços competitivos, garantindo produtos a sua população, e ao Brasil a certeza de geração de emprego, oportunidade e crescimento da economia brasileira”, afirmou o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, em nota.

    Até o início de março deste ano, o Brasil possuía 106 plantas habilitadas para a China, sendo 47 de aves, 41 de bovinos, 17 de suínos e 1 de asininos, segundo o ministério.

    Terceirizada

    Entre as novidades da nova lista está a unidade da Emergent Cold LatAm, única empresa de logística terceirizada (3PL) do Brasil autorizada a exportar carnes para a China.

    A partir de agora, a unidade da empresa localizada no Rio Grande do Sul tem permissão para armazenar e enviar carnes congeladas ao mercado chinês. Com isso, a expectativa é dobrar o volume de cargas armazenadas e movimentadas na unidade, afirmou a Emergent Cold LatAm, em nota.

    A empresa exporta carnes de terceiros, o que deve “transformar o cenário das exportações brasileiras, oferecendo oportunidades sem precedentes para as empresas nacionais expandirem seus horizontes”, disse o diretor-geral da Emergent Cold LatAm no Cone Sul, Evandro Calanca.