Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Prates diz que decisão sobre dividendos está “nas mãos” do conselho e que governo dará orientação

    Governo deve levar uma proposta de pagamento diretamente à assembleia de acionistas em 25 de abril

    Jean Paul Prates
    Jean Paul Prates 8/12/2022REUTERS/Adriano Machado

    Gabriel Vasconcelos, do Estadão Conteúdo

    O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, disse nesta quinta-feira, 18, que a decisão sobre dividendos extraordinários, que deflagrou a última crise da companhia, está nas mãos do Conselho de Administração (CA) e que o governo federal vai orientar seus representantes a este respeito.

    Ainda assim, questionado por jornalistas, ele admitiu à possibilidade de que o governo leve uma proposta de pagamento diretamente à assembleia de acionistas do dia 25 de abril, sem que isso passe pelo CA.

    Prates, que é conselheiro indicado pela União, disse não ter tratado do assunto com o governo em sua viagem à Brasília nessa semana, e afirmou que a proposta da diretoria para dividendos já estava no conselho contando com “respaldo técnico”.

    Perguntado sobre rumores de que o assunto chegou a ser reenviado à companhia para nova análise, ele demonstrou estranhamento e se limitou a dizer que está evitando comentar rumores. Inicialmente, portanto, o presidente da Petrobras se referia à primeira proposta, de pagar 50% dos proventos extraordinários, enviada ao colegiado ainda antes da decisão pela retenção, que fez as ações da estatal despencarem no início de março.

    Em 7 de março, a maioria do CA da Petrobras decidiu reter R$ 43,9 bilhões em dividendos extraordinários apurados no exercício de 2023, a contragosto de Prates, que propunha o pagamento de metade do valor e se absteve de votar, e dos representantes minoritários, que votaram pelo pagamento integral.

    As últimas semanas têm sido de negociações sobre o tema na Esplanada dos Ministérios. Segundo fontes, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tem defendido pagamento de fração maior, até para ajudar nas contas do governo, que fica com 36,6%.

    Do outro lado, os ministros da Casa Civil, Rui Costa, e de Minas e Energia, Alexandre Silveira, defenderiam porcentual menor, na casa dos 30%.