Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Wall Street teme nova crise em setor bancário nos EUA

    Mercado imobiliário do país está em crise e é avaliado em US$ 20 trilhões

    Mais de US$ 2,2 trilhões em dívidas do setor imobiliário vencerão até o final de 2027
    Mais de US$ 2,2 trilhões em dívidas do setor imobiliário vencerão até o final de 2027 16/11/2023 - REUTERS/Brendan McDermid

    Nicole Goodkindda CNN

    Nova York

    Wall Street vive um caso de déjà vu. Já passou quase um ano desde que o colapso de três credores regionais dos Estados Unidos deixou as instituições financeiras e os reguladores em alerta para evitar a propagação de uma crise bancária.

    Hoje, os investidores estão preocupados por conta de sinais familiares ao cenário passado.

    Mas embora a última crise tenha sido toda relacionada com o risco das taxas de juro, esta gira em torno do mercado imobiliário de US$ 20 trilhões dos EUA.

    Setor imobiliário em crise

    Após décadas de crescimento sustentado por taxas de juro baixas e crédito fácil, o imobiliário comercial atingiu um impasse.

    As avaliações de escritórios e propriedades comerciais têm caído desde que a pandemia mudou o local onde as pessoas vivem e trabalham e a forma como fazem compras.

    Os esforços do Federal Reserve (Fed) para combater a inflação através do aumento das taxas de juro também prejudicaram a indústria dependente do crédito.

    Isso é uma má notícia para os bancos regionais. Os bancos dos EUA detêm cerca de US$ 2,7 trilhões em empréstimos imobiliários comerciais.

    A maior parte desse montante, cerca de 80%, segundo economistas da Goldman Sachs, é detida por bancos regionais menores – aqueles que o governo dos EUA não classificou como “demasiado grandes para falir”.

    Grande parte dessa dívida está prestes a vencer e, num mercado conturbado, os bancos regionais poderão ter problemas para cobrar esses empréstimos.

    Mais de US$ 2,2 trilhões vencerão até o final de 2027, de acordo com a empresa de dados Trepp.

    Os temores foram exacerbados na semana passada, quando o New York Community Bancorp relatou uma perda surpresa de US$ 252 milhões no último trimestre, em comparação com um lucro de US$ 172 milhões no quarto trimestre de 2022.

    A empresa também relatou US$ 552 milhões em perdas com empréstimos, um aumento significativo de US$ 62 milhões no trimestre anterior. O aumento foi impulsionado em parte pelas perdas esperadas em empréstimos imobiliários comerciais, afirmou.

    As ações do banco despencaram quase 50% nos últimos cinco pregões. O índice do Banco Regional dos EUA caiu cerca de 7% no mesmo período.

    O medo também se espalhou para o exterior. O Aozora Bank, do Japão, disse na semana passada que os empréstimos inadimplentes vinculados a escritórios nos EUA eram parcialmente responsáveis ​​pela perda anual projetada de 28 bilhões de ienes (US$ 190 milhões) no ano passado.

    A CNN Internacional informou na semana passada que o maior credor da Alemanha, o Deutsche Bank, disse ter alocado 123 milhões de euros (133 milhões de dólares) durante o último trimestre para absorver potenciais incumprimentos nos seus empréstimos imobiliários comerciais nos EUA.

    Isso é mais que o quádruplo do valor reservado durante o mesmo período de três meses em 2022.

    Algumas empresas estão até vendendo suas propriedades outrora valiosas por preços de pechincha.

    O Conselho Canadense de Investimento em Pensões Públicas vendeu recentemente uma participação de 29% em um bloco de escritórios no centro de Manhattan para a Boston Properties por US$ 1. O fundo de pensão investiu US$ 71 milhões no prédio.

    O Conselho de Supervisão da Estabilidade Financeira, do qual são membros a secretária do Tesouro, Janet Yellen; o presidente do Fed, Jerome Powell; e o presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, Gary Gensler; divulgou um relatório em dezembro passado que citava o imobiliário comercial como um grande risco financeiro potencial.

    “À medida que as perdas de uma carteira de empréstimos [imobiliários comerciais] se acumulam, o problema pode repercutir amplamente no sistema financeiro”, escreveram.

    “As vendas de propriedades em dificuldades financeiras podem reduzir os valores de mercado das propriedades próximas, levar a uma espiral descendente mais ampla de avaliação de imóveis comerciais e até mesmo reduzir as receitas fiscais sobre a propriedade dos municípios.”

    Risco de “contágio”

    Yellen, entretanto, testemunha perante o Comitê de Serviços Financeiros da Câmara nesta terça-feira sobre as consequências da crise bancária regional do ano passado.

    Ela tem um trabalho difícil; a secretária do Tesouro terá de tranquilizar os legisladores e os americanos de que o sistema bancário é seguro, ao mesmo tempo que reconhece os riscos de uma crise impulsionada pelo imobiliário comercial.

    Powell também abordou o assunto durante uma aparição no programa “60 Minutes” da CBS no domingo (4) à noite.

    “Existem alguns bancos regionais e menores que concentraram exposições nessas áreas que enfrentam desafios e estamos trabalhando com eles”, disse ele.

    “Parece um problema no qual trabalharemos durante anos. É um problema considerável. Não parece ter os ingredientes que vimos algumas vezes no passado, por exemplo, com a crise financeira global.”

    Mas, Powell acrescenta que “haverá alguns bancos que terão de ser fechados ou fundidos por causa disto. Suspeito que serão bancos menores, em sua maior parte”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original