Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ozempic está chegando nas academias dos EUA; saiba como elas estão reagindo

    Academias preparam planos especiais para pessoas que utilizam medicamentos do tipo

    Efeito colateral comum para alguns pacientes que tomam esses medicamentos é a perda muscular
    Efeito colateral comum para alguns pacientes que tomam esses medicamentos é a perda muscular Divulgação/La Réserve

    Nathaniel Meyersohnda CNN Nova York

    As academias norte-americanas estão ajustando suas estratégias à medida que mais membros tomam medicamentos para perder peso.

    Academias de luxo como a Life Time estão adquirindo clínicas de perda de peso com médicos que podem prescrever GLP-1s, a nova classe de medicamentos que ajuda as pessoas a perder peso; enquanto a Equinox está projetando programas de exercícios especificamente para pessoas que tomam o medicamentos.

    A indústria está passando por uma grande mudança à medida que os baby boomers (geração nascida entre 1945 e 1964) começam a envelhecer fora da população típica que frequenta academias, e novos medicamentos permitem uma perda de peso mais fácil.

    Ozempic, Wegovy e outros medicamentos prescritos com GLP-1 tem tomado atenção desse público pelo mundo.

    Profissionais de saúde dos Estados Unidos prescreveram mais de 9 milhões de receitas de Wegovy e outros medicamentos injetáveis ​​utilizados para perda de peso apenas nos últimos três meses de 2022.

    Os analistas do JPMorgan estimam que 30 milhões de pessoas poderão estar tomando medicamentos GLP-1 até 2030, ou cerca de 9% da população dos EUA, o que pode impulsionar a economia do país em US$ 1 trilhão.

    Embora o impacto geral dos GLP-1 ainda não esteja claro, as academias querem ter certeza de que não serão deixadas para trás na mudança para medicamentos para perda de peso.

    A indústria historicamente ganhou bilhões de dólares com pessoas que esperavam perder peso.

    Mas as academias também visam construir músculos. Um efeito colateral comum para alguns pacientes que tomam esses medicamentos é a perda muscular.

    Assim, elas estão começando a comercializar as suas marcas para os clientes que dizem estar tomando GLP-1, e esperam poder adicionar adesões no futuro, à medida que as pessoas que tomam estes medicamentos procuram manter e construir músculos.

    A Planet Fitness e outras redes de academia de baixo custo também poderão se beneficiar do crescimento destes medicamentos à medida que os preços caem, dizem alguns analistas.

    Por enquanto, os medicamentos GLP-1 são restritivamente caros, custando cerca de US$ 1.000 (R$ 4.930,43) ou mais por mês.

    “Em um mundo onde os GLP-1 se tornam amplamente acessíveis, as academias, desde a Planet Fitness até as marcas mais sofisticadas, provavelmente lançarão campanhas de marketing visando aumentar suas bases de associados”, disse Simeon Siegel, analista da BMO Capital Markets que cobre empresas de fitness.

    Médicos e personal trainers

    A Life Time lançou uma clínica que oferece aos membros treinamento pessoal focado na perda de peso e acesso a médicos que podem prescrever medicamentos GLP-1 para pessoas qualificadas para eles.

    As pessoas que tomam GLP-1 “vão querer as instalações profissionais certas e personal trainers e nutricionistas profissionais para ajudá-las”, disse Bahram Akradi, CEO da Life Time, em teleconferência de resultados na quarta-feira (6).

    “Estamos confiantes de que esta megatendência [GLP-1] será particularmente positiva para a Life Time.”

    A Equinox lançou um “protocolo GLP-1”, um programa de treinamento pessoal para membros que tomam essas drogas, para preservar a massa muscular. A empresa disse que lançou o programa em resposta a perguntas dos membros sobre o medicamento.

    O plano promete um “programa de condicionamento físico direcionado [que] pode ajudá-lo a reter e construir músculos durante o processo”, diz Equinox.

    A Xponential Fitness, que possui marcas boutique como Club Pilates, Rumble e Pure Barre, adquiriu uma rede de clínicas médicas para perda de peso no sul da Califórnia com médicos que podem prescrever GLP-1s.

    Academias mais baratas, como a Planet Fitness, afirmam que o GLP-1 pode ajudar a rede a atrair novos frequentadores de academia que desejam evitar a perda muscular. Alguns analistas concordam.

    “Se isso se tornar popular, acredito que as academias e centros fitness encontrarão um novo conjunto de membros em potencial”, disse Siegel. “Isso pode fazer com que pessoas que nunca pisaram na academia tenham uma nova visão de sua saúde.”

    Mas alguns analistas dessa indústria dizem que é muito cedo para entender como os usuários do GLP-1 irão se exercitar e o impacto nas academias.

    “Ainda é muito prematuro destacar o uso de medicamentos para perda de peso e o papel dos clubes”, disse Rick Caro, presidente da Management Vision, uma empresa de consultoria de fitness.

    Indústrias se preparam para novo Ozempic

    A indústria das academias é uma das muitas que estão tentando se preparar para um futuro em que mais pessoas tomam esses medicamentos.

    Conhecidos como peptídeo 1, semelhante ao glucagon ou agonistas do receptor GLP-1, esses medicamentos foram originalmente desenvolvidos para tratar o diabetes tipo 2.

    O Ozempic não foi aprovado para perda de peso por reguladores; embora o Wegovy, um medicamento semelhante, tenha conseguido a certificação.

    O Vigilantes do Peso lançou um novo plano de assinatura que dá aos membros acesso a médicos que podem prescrever esses medicamentos.

    A associação também fez um acordo de mais de US$ 100 milhões para comprar a Sequence, uma empresa de telessaúde que oferece aos pacientes prescrições virtuais desses medicamentos.

    A indústria alimentícia também está se preparando para que os consumidores de GLP-1 comprem menos snacks e bebidas açucaradas.

    O JPMorgan disse no ano passado que os atuais usuários do GLP-1 compraram cerca de 8% menos alimentos – incluindo lanches, refrigerantes e produtos ricos em carboidratos – em relação ao ano anterior, em comparação com os consumidores que não usavam esses medicamentos.

    A gigante alimentar Nestlé planeja investir mais em produtos nutritivos que, segundo ela, proporcionam “benefícios” às pessoas em tratamento com GLP-1, como os seus batidos de alta proteína Opifast.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original