Drake desiste de indicações aos Prêmios Grammy de 2022

Drake, 35, recebeu duas indicações ao Grammy no mês passado no campo do rap – melhor álbum de rap por 'Certified Lover Boy' e melhor performance de rap por sua canção 'Way 2 Sexy'

Drake nos prêmios Billboard Music Awards
Drake nos prêmios Billboard Music Awards 23/05/2021REUTERS/Mario Anzuoni

Reuters

Ouvir notícia

O rapper canadense Drake retirou-se na segunda-feira (6) do Grammy Awards, removendo suas duas indicações para as maiores honras da música, disseram fontes próximas ao músico.

Drake, 35, recebeu duas indicações ao Grammy no mês passado no campo do rap – melhor álbum de rap por “Certified Lover Boy” e melhor performance de rap por sua canção “Way 2 Sexy”.

As fontes disseram que o pedido de retirada de consideração foi feito pelo rapper e sua gestão, mas não deram motivos para a mudança. O site da Recording Academy estava sendo atualizado na segunda-feira para remover as indicações de Drake da lista do Grammy, disseram as fontes.

Drake, cujo “Certified Lover Boy” foi um dos álbuns mais vendidos de 2021, tem um relacionamento contencioso com os Grammy.

No ano passado, ele criticou o Grammy por excluir totalmente o canadense The Weeknd de sua lista de indicações. Em 2019, Drake se recusou a se apresentar na cerimônia e depois criticou o show de premiação no palco.

“Quero que você saiba que estamos jogando um esporte baseado em opinião, e não baseado em fatos”, disse ele ao aceitar o Grammy por seu single “God’s Plan”.

“Este é um negócio em que às vezes depende de um monte de gente que pode não entender o que um garoto mestiço do Canadá tem a dizer ou uma garota espanhola de Nova York ou qualquer outra pessoa”, acrescentou Drake.

As indicações ao Grammy são escolhidas pelos membros da Recording Academy e votadas pelos membros. O músico de jazz Jon Batiste liderou as indicações este ano com 11 acenos, seguido por Justin Bieber, Doja Cat e H.E.R.

Os vencedores serão anunciados em uma cerimônia em Los Angeles em 31 de janeiro.

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN