Imagens capturam a beleza de estruturas construídas no Ártico; veja fotos

Em novo livro, fotógrafo Gregor Sailer explora paisagens pouco exploradas do norte do mundo

Estação de pesquisa EastGrip na Groenlândia
Estação de pesquisa EastGrip na Groenlândia Gregor Sailer

Eva Rothenbergda CNN

Ouvir notícia

O Ártico convida a imagens do vazio. As temperaturas extremas levam a paisagens áridas e escassamente povoadas, fora do alcance da maioria dos viajantes. Essa dificuldade de acesso é o que primeiro atraiu o fotógrafo austríaco Gregor Sailer à região.

“Gosto dessa atmosfera crua e dessa luz empolgante, onde tudo é exposto”, disse ele em entrevista por vídeo, explicando que o Ártico “sempre o fascinou”. “Por um lado, o deserto quer matá-lo e, por outro lado, a vida é possível e continua. Há coisas acontecendo nesses lugares remotos que afetam a todos nós, e é importante que as pessoas entendam esses desenvolvimentos.”

O novo livro de Sailer, “The Polar Silk Road”, explora o Ártico através de suas lentes. Ao longo de quatro anos, o fotógrafo visitou o Canadá, a Noruega, a Groenlândia e a Islândia, capturando imagens de algumas das estruturas mais ao norte do mundo.

“Ficou claro desde o início que não havia muita arquitetura no Ártico, então voltei com relativamente pouco material”, disse Sailer sobre suas primeiras viagens. Mais tarde, ele concentrou sua atenção em cerca de uma dúzia de instalações de pesquisa científica remotas, bases militares e centros de desenvolvimento econômico e extração de matéria-prima.

Assim como a própria região, essas instalações costumam ser austeras e frias. Composto por formas geométricas agudas e elementos estruturais expostos, suas formas funcionais se destacam em contraste com a desolação de seu ambiente.

“Quero que meu trabalho mostre a natureza extremamente exposta dessas instalações”, disse Sailer. “Tento ter a impressão de todo o espaço em que estou trabalhando e, então, decido quais detalhes são importantes para capturar para permitir que pessoas de fora tenham acesso a esse espaço.”

Construindo em uma paisagem árida

Enquanto registrava o projeto, Sailer suportou tempestades de neve e temperaturas abaixo de 15ºC negativos. Ele usou uma câmera analógica que não depende de baterias (que podem se esgotar rapidamente em temperaturas abaixo de zero), o que o livrou de uma preocupação a menos em uma região de clima extremo.

Trabalhar com filme físico ainda deixa o fotógrafo vulnerável aos elementos, pois pode ser facilmente danificado ou perdido. Mesmo assim, Sailer prefere: “Parte do jogo é risco. Aumenta minha consciência, me acalma e aumenta minha percepção”.

À primeira vista, as estruturas nas imagens de Sailer revelam pouco sobre suas funções pretendidas; antenas parabólicas e linhas de energia suspensas entre torres de radar são encontradas em bases militares e instalações de pesquisa semelhantes. Mas o fotógrafo disse que suas imagens procuram explorar mais como a arquitetura opera na paisagem.

“Eu queria capturar um vazio que não fosse vazio. É importante para mim que os espectadores sintam os arredores e as dimensões dessa paisagem vasta e surreal”, explicou. “Tento fazer isso por meio de fotos gerais e, em seguida, entrando em detalhes, para que as pessoas possam ter uma ideia melhor da função dessas instalações”, acrescentou.

As fotografias de Sailer enfatizam a cor e a forma das estruturas, em vez de seu tamanho, permitindo que o vazio dê aos observadores uma sensação abrangente do ambiente.

Alguns dos edifícios, como torres de radar de defesa aérea em Tuktoyaktuk, Canadá, são construídos com materiais brancos ou cinzas que se misturam quase perfeitamente com a tela pálida do céu. Outras fotografias retratam edifícios pequenos e de cores vivas que contrastam fortemente com seus arredores brancos, como aqueles nas instalações de pesquisa EastGrip na Groenlândia.

Base Noruega
Base militar na Noruega / Gregor Sailer

Corrida por influência

O Ártico pode compreender grandes extensões de terra inóspita, mas agora é o assunto de crescente interesse geopolítico. Atores como Rússia, Estados Unidos e, mais recentemente, China estão correndo para desenvolver novas rotas marítimas na região.

Adequado, então, que Sailer tomou emprestado o título de seu projeto da iniciativa da Rota da Seda Polar da China, uma proposta apoiada pelo governo para desenvolver infraestrutura e transporte marítimo de carga no extremo norte. O nome do livro, assim como seu conteúdo, fala da competição e cooperação que tem definido as relações internacionais na região.

Várias das fotos de Sailer se concentram no Observatório Ártico China-Islândia (Ciao), um esforço conjunto entre os dois países para coletar dados sobre as interações sol-terrestres na atmosfera polar, como as auroras. Em outro lugar, Sailer descreve uma base do Alasca operada pelo Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (Norad), uma organização nascida da ansiedade da Guerra Fria sobre os avanços tecnológicos soviéticos, que monitora o espaço aéreo americano e canadense.

Mas as reivindicações territoriais no Ártico vão além de autodefesa – tratam de garantir o controle dos recursos ocultos sob o gelo que derrete, como petróleo e gás natural, escreve Günter Köck, coordenador dos Programas de Pesquisa Internacional da Academia Austríaca de Ciências, no livro de Sailer.

Tomemos, por exemplo, o remoto assentamento ártico de Tuktoyaktuk (que constitui um capítulo no livro de Sailer) na costa do Mar de Beaufort, rico em petróleo. Nas últimas décadas, as empresas de petróleo e gás investiram pesadamente na exploração e desenvolvimento de campos de petróleo ao longo da costa de Beaufort. Então, em 2016, o governo canadense anunciou que estava contribuindo para uma nova rodovia que “diminuiria o custo de vida em Tuktoyaktuk, aumentaria as oportunidades de desenvolvimento de negócios, reduziria o custo de acesso em terra e oportunidades offshore de petróleo e gás e fortaleceria a soberania do Canadá no Norte”, de acordo com um comunicado do governo à imprensa.

Centro Pesquisa Groenlândia
Observatório Ártico China-Islândia / Gregor Sailer

Mudança climática “é o motor’

Há, segudo Sailer, um único fio que tece o crescimento econômico, militar e científico documentado em seu livro: a ameaça iminente das mudanças climáticas.

Muitos dos edifícios que ele fotografou em Tuktoyaktuk estão ameaçados pela erosão constante do permafrost. Com suas fundações comprometidas, as estruturas mais antigas estão começando a se inclinar e afundar no solo devido ao derretimento do gelo, explicou.

“A mudança climática é o motor por trás de todos os desenvolvimentos, e eu queria documentar isso”, disse Sailer. “Se o gelo não estivesse desaparecendo, essas rotas comerciais não apareceriam.”

Várias das instalações no livro de Sailer são dedicadas a compreender as mudanças climáticas — como os locais de perfuração de núcleo de gelo em Kangerlussuaq, Groenlândia, onde pesquisadores internacionais analisam o acúmulo de gelo ao longo de centenas de milhares de anos para entender melhor os padrões atmosféricos e climáticos em mudança.

Sailer espera que, ao publicar “The Polar Silk Road”, ele possa mostrar ao público como os desenvolvimentos no Ártico influenciam — e são influenciados — pelas mudanças climáticas.

“Meu trabalho como fotógrafo é ir a esses lugares menos conhecidos, onde as coisas que influenciam nossa sociedade estão acontecendo, e trazer esses eventos à luz”, disse. “Eu ofereço essas fotos com a esperança de iniciar uma discussão e com a esperança de que as pessoas comecem a pensar sobre esses tópicos ou a considerar o mundo ao seu redor de uma nova maneira.”

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN