Morre aos 94 anos Sidney Poitier, primeiro ator negro a ganhar um Oscar

Ele venceu o Academy Awards de 1963 como melhor ator

Ator Sidney Poitier em evento beneficente da Brigitte and Bobby Sherman Children's Foundation no Montage Beverly Hills em 19 de dezembro de 2015, em Beverly Hills, Califórnia
Ator Sidney Poitier em evento beneficente da Brigitte and Bobby Sherman Children's Foundation no Montage Beverly Hills em 19 de dezembro de 2015, em Beverly Hills, Califórnia Jason Kempin/Getty Image

Brandon Griggsda CNN

Ouvir notícia

Sidney Poitier, cujo porte elegante e personagens na tela com princípios o tornaram a primeira estrela negra do cinema de Hollywood e o primeiro negro a ganhar o Oscar de melhor ator, morreu nesta sexta-feira (7). Ele tinha 94 anos.

Clint Watson, secretário de imprensa do primeiro-ministro das Bahamas, confirmou à CNN que Poitier morreu na noite de quinta-feira.

Poitier superou um passado pobre nas Bahamas e suavizou seu forte sotaque da ilha para chegar ao topo de sua profissão em uma época em que papéis proeminentes para atores negros eram raros.

Ele ganhou o Oscar por “Uma Voz na Sombras”, em 1963, no qual interpretou um trabalhador itinerante que ajuda um grupo de freiras brancas a construir uma capela.

Muitos de seus filmes mais conhecidos exploraram as tensões raciais enquanto os americanos lutavam contra as mudanças sociais provocadas pelo movimento dos direitos civis.

Só em 1967, ele apareceu como um detetive da Filadélfia lutando contra o preconceito na pequena cidade do Mississippi em “No Calor da Noite” e um médico que conquistou os pais céticos de sua noiva em “Adivinhe Quem Vem para Jantar”.

Os filmes de Poitier lutaram para serem distribuídos no Sul dos EUA, e sua escolha de papéis se limitou ao que os estúdios dirigidos por brancos produziriam. Os tabus raciais, por exemplo, o excluíam da maioria dos papéis românticos.

Mas seus papéis dignos ajudaram o público das décadas de 1950 e 1960 a imaginar os negros não apenas como servos, mas como médicos, professores e detetives.

Ao mesmo tempo, como o único negro protagonista da Hollywood dos anos 1960, ele foi submetido a um tremendo escrutínio. Ele era frequentemente saudado como um símbolo nobre de sua raça e suportou as críticas de alguns negros que diziam que ele os traíra assumindo papéis higienizados e servindo aos brancos.

“É uma responsabilidade enorme”, disse Poitier a Oprah Winfrey em 2000. “E eu aceitei, e vivi de uma forma que mostrava como eu respeitava essa responsabilidade. Eu tinha que fazer. Para que outros viessem atrás de mim, havia certas coisas que eu tinha que fazer”, completou.

Como um jovem ator, ele superou enormes desafios

O caçula de sete filhos, Sidney Poitier nasceu prematuro de vários meses, em Miami, em 20 de fevereiro de 1927, tão pequeno que cabia nas mãos de seu pai.

Seus pais eram produtores de tomate que frequentemente faziam viagens entre a Flórida e as Bahamas.

Ele não tinha expectativas de sobreviver. Sua mãe consultou uma quiromante, que acalmou seus temores.

“A senhora pegou a mão dela e começou a falar com minha mãe: ‘Não se preocupe com seu filho. Ele vai sobreviver'”, disse Poitier à CBS News em 2013 . “E estas foram as suas palavras; ela disse: ‘Ele andará com reis.'”

Quando ele tinha 15 anos, os pais de Poitier o enviaram das Bahamas para morar com um irmão mais velho em Miami, onde perceberam que ele teria melhores oportunidades.

Seu pai o levou ao porto e colocou três dólares em sua mão.

“Ele disse, ‘cuide-se, filho.’ E ele me virou para ficar de frente para o barco”, disse Poitier à NPR em 2009.

Poitier não gostava de Miami e logo seguiu para o norte, para Nova York, onde tentou atuar. Não foi bem no início. Com escolaridade limitada, ele teve problemas para ler um roteiro.

Mas ele conseguiu um emprego como lavador de pratos em um restaurante, onde um encontro fortuito mudou sua vida. Um garçom idoso se interessou pelo adolescente e passava as noites depois do trabalho lendo o jornal com ele para melhorar sua compreensão, gramática e pontuação.

O ator Sidney Poitier durante o evento TCM Classic Film Festival, em 6 de abril de 2017, em Los Angeles, Califórnia / Charley Gallay/Getty Image

“Aquele homem, todas as noites, o lugar está fechado, todo mundo vai embora e ele fica sentado lá comigo semana após semana após semana”, disse Poitier à CBS News. “E ele me falou sobre pontuações. Ele me disse onde os pontos estavam e o que aqueles pontos significavam entre duas palavras, todas essas coisas.”

Logo depois, Poitier conseguiu trabalho no American Negro Theatre, onde teve aulas de atuação, suavizou seu sotaque das Bahamas e conseguiu um papel no palco como substituto de Harry Belafonte. Isso levou a papéis na Broadway e acabou chamando a atenção de Hollywood.

Ele se recusou a assumir papéis que considerava degradantes

O primeiro filme de Poitier foi “O Ódio É Cego”, de 1950, um filme noir no qual ele interpretou um jovem médico que deve tratar um paciente racista.

Isso levou a papéis cada vez mais proeminentes como um reverendo no drama do apartheid “Os Deserdados”, um estudante problemático em “Sementes de Violência” e um prisioneiro fugitivo em “Acorrentados”, no qual ele e Tony Curtis foram algemados e forçado a conviver para sobreviver. Com aquele filme de 1958, Poitier se tornou o primeiro negro a ser indicado ao Oscar.

Mas, para um ator de pele escura dos anos 1950, era difícil encontrar papéis complexos.

“(Os negros) eram tão novos em Hollywood. Quase não havia referências para nós, exceto como personagens estereotipados e unidimensionais”, disse Poitier a Winfrey. “Eu tinha em mente o que era esperado de mim – não apenas o que os outros negros esperavam, mas o que minha mãe e meu pai esperavam. E o que eu esperava de mim mesmo.”

Logo no início, Poitier tomou uma decisão consciente de rejeitar papéis que não fossem consistentes com seus valores ou que refletissem mal em sua raça. Ele disse a Winfrey que, como um jovem ator em dificuldades, recusou um papel que pagava US$ 750 por semana porque não gostava do personagem, um zelador que não respondeu depois que bandidos mataram sua filha e jogaram o corpo dela no gramado.

“Eu não conseguia me imaginar fazendo esse papel. Então disse a mim mesmo: ‘Esse não é o tipo de trabalho que eu quero.’ E eu disse ao meu agente que não poderia interpretar o papel”, disse Poitier. “Ele disse: ‘Por que você não pode fazer? Não há nada depreciativo nisso em termos raciais’, e eu disse: ‘Não posso fazer isso.’ Ele nunca entendeu.”

Ainda assim, no final dos anos 1950, Poitier estava conseguindo trabalhos regularmente como ator. Ele apareceu na primeira produção da Broadway da peça “A Raisin in the Sun” em 1959 e estrelou a versão cinematográfica dois anos depois. Depois veio “Uma Voz na Sombras”, o épico bíblico “A Maior História de Todos os Tempos” e o drama “Quando Só o Coração Vê”, no qual seu personagem teve um romance casto com uma mulher cega branca.

Estimulado por sua amizade com o mais sincero Belafonte, Poitier também começou a abraçar o movimento pelos direitos civis. Ele compareceu à marcha de 1963 em Washington e em 1964 viajou ao Mississippi para se encontrar com ativistas nos dias que se seguiram ao infame assassinato de três jovens trabalhadores dos direitos civis.

Mas Poitier às vezes se irritava quando os entrevistadores o questionavam muito sobre suas experiências com o racismo.

“O racismo era horrível, mas havia outros aspectos da vida”, disse ele a Winfrey. “Existem aqueles que permitem que suas vidas sejam definidas apenas pela raça. Eu corrijo qualquer um que venha até mim apenas em termos de raça.”

Um ano como nenhum outro

Então veio 1967, um dos anos mais notáveis ​​que qualquer estrela de Hollywood teve antes ou depois. Poitier estrelou três filmes de alto perfil, começando com “Ao Mestre com Carinho”, um drama britânico sobre um professor idealista que deve conquistar adolescentes rebeldes em uma difícil escola do leste de Londres.

A essa altura, Poitier estava tirando US$ 1 milhão por filme, e os cineastas não tinham certeza se teriam condições de contratá-lo. Então, eles fecharam um acordo para pagar a escala de ator – o valor mínimo legal – em troca de uma porcentagem da receita de bilheteria do filme. Embora comum em Hollywood hoje, era uma ideia radical na época – e inteligente para Poitier. “Ao Mestre, com Carinho” se tornou um grande sucesso, rendendo a ele um grande pagamento.

Em seguida, foi “No Calor da Noite”, de Norman Jewison, que deu a Poitier seu papel mais duradouro. Ele interpretou Virgil Tibbs, um detetive de homicídios que passava pelo Mississippi quando foi detido por um fanático chefe de polícia branco (Rod Steiger) como possível suspeito de um assassinato. Tibbs relutantemente concorda em ficar e ajudar a resolver o caso, e os dois homens finalmente encontram um respeito mútuo relutante.

O filme deu a Poitier sua frase mais famosa – “Eles me chamam de Senhor Tibbs!” – um grito indignado por respeito depois de uma afronta humilhante do personagem de Steiger.

Em outra cena memorável, Tibbs leva um tapa na cara de um proprietário de plantação racista e, em seguida, dá um tapa de volta. Antes de concordar em fazer o filme, Poitier solicitou uma mudança de roteiro para adicionar o tapa de retaliação e até mesmo reescrever seu contrato para proibir o estúdio de cortar a cena.

“E, claro, é um daqueles grandes momentos em todo o filme, quando você o esbofeteia de volta”, disse a âncora da CBS News, Lesley Stahl, à Poitier em 2013. Ele respondeu: “Sim, eu sabia que estaria insultando todos as pessoas negras do mundo (se eu não tivesse).”

Poitier seguiu esse filme com “Adivinhe Quem Vem para Jantar”, de Stanley Kramer, outro filme com mensagem sobre tolerância racial, no qual seu personagem médico deve persuadir os personagens de Spencer Tracy e Katharine Hepburn a deixá-lo se casar com sua filha. O filme foi lançado apenas seis meses depois que a Suprema Corte tornou o casamento entre pessoas de diferentes raças legal em todos os 50 estados.

No entanto, por volta da mesma época, alguns negros começaram a reclamar que os personagens santos e não sexualizados de Poitier tinham pouca semelhança com as complexas realidades da vida afro-americana.

O dramaturgo negro Clifford Mason, em uma coluna do New York Times de 1967, argumentou que Poitier interpretou essencialmente o mesmo personagem em todos os filmes: “um cara bom em um mundo totalmente branco, sem esposa, sem namorada, sem mulher para amar ou beijar, ajudando o homem branco a resolver seu problema de homem branco.”

Essa crítica magoou Poitier tanto que ele se retirou para as Bahamas por meses.

“Eu vivi com pessoas se virando contra mim. Foi doloroso por alguns anos […] Eu fui o ator negro de maior sucesso na história do país”, disse Poitier a Winfrey. “As críticas que recebi foram principalmente porque eu geralmente era o único negro no cinema. Pessoalmente, eu achava que era um passo [para frente].”

Ator Sidney Poitier / Danny Moloshok/Reuters (02.mar.2014)

Mais tarde ele se tornou diretor e se voltou para a TV

Na década de 1970, Poitier reduziu sua atuação e voltou-se para a direção, o que, segundo ele, lhe deu mais controle sobre seus projetos cinematográficos.

Ele se juntou a seu amigo Belafonte para o faroeste “Um por Deus, Outro pelo Diabo”, sua estreia como diretor. Ele dirigiu e co-estrelou com Bill Cosby na comédia “Aconteceu num Sábado”, que, junto com suas sequências espirituais “Aconteceu Outra Vez” e “A Piece of the Action”, contou com elencos principalmente de negros.

E em 1980, ele dirigiu “Loucos de Dar Nó”, a comédia de fuga da prisão de Richard Pryor-Gene Wilder, que se tornou um de seus maiores sucessos.

Embora tenha desaparecido como grande atração de bilheteria, Poitier continuou a aparecer na tela esporadicamente na década de 1990, principalmente com Tom Berenger no thriller de ação de 1988 “Atirando para Matar”, com Robert Redford no filme de trapaça de 1992 “Quebra de Sigilo” e com Bruce Willis e Richard Gere em “O Chacal”, de 1997, seu último papel no cinema.

Ele também tardiamente se voltou para a televisão, onde foi indicado ao Emmy por interpretar o juiz da Suprema Corte dos EUA, Thurgood Marshall, e o líder sul-africano Nelson Mandela em duas minisséries. Ele também foi considerado para o papel do presidente Josiah “Jed” Bartlet no programa de TV “West Wing: Nos Bastidores do Poder”, que acabou indo para Martin Sheen.

Em 2000, Poitier se aposentou da atuação, preferindo jogar golfe e escrever um livro de memórias, “A Medida de um Homem: Uma Autobiografia Espiritual”, em que ele descreveu sua tentativa de viver de acordo com os princípios incutidos nele por seu pai e outros ele admirava.

Em seus últimos anos, quando Hollywood procurou reconhecer um homem cujo exemplo abriu portas para tantos outros atores negros, os elogios sobraram. Em 2001, Poitier recebeu um Oscar honorário por sua contribuição geral para o cinema americano. No ano seguinte, ao receber seu Oscar de melhor ator por “Dia de Treinamento”, Denzel Washington disse: “Há quarenta anos estou perseguindo Sidney. […] Sempre estarei perseguindo você, Sidney. Sempre estarei seguindo seus passos.”

Em 2009, o presidente Obama concedeu a Poitier a Medalha Presidencial da Liberdade, a maior homenagem civil do país, dizendo: “Dizem que Sidney Poitier não faz filmes, ele faz marcos […] marcos de excelência artística, marcos do progresso da América.”

A Film Society of Lincoln Center concedeu seu maior prêmio a Poitier em 2011. Entre os palestrantes que o elogiaram estava o cineasta Quentin Tarantino, que disse: “Na história do cinema, houve apenas alguns atores que, uma vez que ganharam reconhecimento, sua influência mudou para sempre a forma de arte.”

“Há um tempo antes de sua chegada, e há um tempo depois de sua chegada. E depois de sua chegada, nada mais será o mesmo. No que diz respeito aos filmes, existia o pré-Poitier, e existe a Hollywood pós-Poitier.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN