Príncipe Charles exibe suas aquarelas em Londres e diz que “a pintura refresca a alma”

São 79 obras de paisagens feitas por ele ao longo de sua vida - essa é a maior em exposição até hoje

Príncipe Charles pintando aquarela em Klosters, Suíça
Príncipe Charles pintando aquarela em Klosters, Suíça UK Press via Getty Images

Oscar Hollandda CNN

Ouvir notícia

Na maior exposição de suas aquarelas até hoje, o entusiasta da pintura, príncipe Charles, descreveu os benefícios restauradores da arte, dizendo que ela o “transporta para outra dimensão”.

O herdeiro do trono britânico ressaltou que a pintura é “um dos exercícios mais relaxantes e terapêuticos que conheço”, acrescentando que seu hobby “refresca partes da alma que outras atividades não podem alcançar”.

Os comentários aparecem em um painel de exposição em uma nova mostra que reúne 79 pinturas de paisagens do príncipe. Em exibição em Londres até meados de fevereiro, as obras retratam cenas do interior da França, das Terras Altas da Escócia e da Tanzânia, que é “um dos lugares favoritos do príncipe para pintar”, de acordo com um comunicado de imprensa de sua instituição de caridade educacional, The Prince’s Foundation.

“Eu comecei a pintar inteiramente porque achava a fotografia menos do que satisfatória”, diz no painel. “Simplesmente, senti um desejo irresistível de expressar o que vi por meio da aquarela e transmitir aquela sensação quase ‘interior’ de textura que é impossível de alcançar através da fotografia.”

Como sua tataravó, a rainha Vitória I, o príncipe é um “aquarelista interessado” que “pinta sempre que sua agenda permite”, de acordo com seu site oficial. Ele retrata regularmente as propriedades da família real, incluindo o Castelo de Balmoral e a Sandringham House, e também produziu aquarelas na Turquia, Nepal e Alpes suíços.

No texto da exposição, o príncipe admitiu que está “chocado com o quão ruins” eram suas primeiras obras.

As aquarelas estão em exibição na Capela Garrison em Chelsea Barracks, Londres / Cortesia Richard Ivey

“Não tenho a ilusão de que meus esboços representam uma grande arte ou um talento florescente”, ele adicionou. “Eles representam, mais do que qualquer outra coisa, minha forma particular de ‘álbum fotográfico’ e, como tal, significam muito para mim.”

Embora o príncipe não venda suas aquarelas, litografias de suas obras são usadas para arrecadar dinheiro para seu fundo de caridade. Em 2016, o Daily Telegraph, do Reino Unido,  informou que ele havia vendido aproximadamente £ 2 milhões (US $ 2,7 milhões) em uma loja em Highgrove House.

“Vista no sul da França”, por Sua Alteza Real o Príncipe de Gales. / Cortesia Richard Ivey

Em 1994, o Royal Mail da Grã-Bretanha apresentou pinturas de paisagens de Charles em uma série de selos postais marcando 25 anos desde a cerimônia que o reconheceu formalmente como Príncipe de Gales. A Galeria Nacional da Austrália também exibiu várias de suas obras em 2018 para marcar seu 70º aniversário. Duas décadas antes, em seu aniversário de 50 anos, cerca de 50 de suas aquarelas foram exibidas no Palácio de Hampton Court, a residência de seu antepassado Henrique VIII.

Em um comunicado à imprensa, a curadora da nova exposição em Londres, Rosie Alderton, disse que o príncipe “gosta de se sentar no ambiente real e pintar ‘en plein air'”, acrescentando: “Sua paixão por criar belas artes é transmitida fortemente neste exibição.”

As aquarelas são exibidas na Capela Garrison em Chelsea Barracks, um quartel do exército convertido no bairro nobre de Belgravia, em Londres. Também está em exibição uma tapeçaria baseada em uma das pinturas do príncipe, “Casa de Campo Abandonada na Ilha de Stroma”, que levou oito meses para ser concluída pelo tecelão Ben Hymers.

“Huna Mill, John O’Groats”, de Sua Alteza Real o Príncipe de Gales / Cortesia Richard Ivey

Mais Recentes da CNN