Ex-jogadores da NBA são indiciados por esquema de fraude contra a liga

Dezoito atletas receberam mais de R$ 13 milhões em receitas fraudulentas de plano de saúde

Quadra das finais da NBA em 2020
Quadra das finais da NBA em 2020 Foto: Divulgação/ NBA

Sonia Mogheda CNN

Ouvir notícia

Dezoito ex-jogadores da NBA foram indiciados nesta quinta-feira (7) por acusações de fraude de milhões de dólares em plano de saúde que atende a ex e atuais atletas da liga.

Os promotores federais de Manhattan informaram que os ex-jogadores da NBA e um familiar de um deles participaram de um “esquema generalizado para fraudar” o plano de saúde da NBA ao apresentar quase US$ 4 milhões [cerca de R$ 22 milhões] em alegações “falsas” a serem reembolsadas por médicos e serviços odontológicos que não foram efetivamente prestados.

As pessoas acusadas na acusação receberam cerca de US$ 2,5 milhões [cerca de R$ 14 milhões] em receitas fraudulentas, disseram os promotores na acusação.

 

 

A procuradora do Distrito Sul de Nova York, Audrey Strauss, disse em uma entrevista coletiva que o FBI já prendeu 16 dos réus, incluindo Terrence Williams, que ela chamou de “líder da conspiração”.

A CNN entrou em contato com Williams para comentar mas não recebeu resposta.

Strauss disse que Williams supostamente obteve faturas médicas e odontológicas fraudulentas, enviou-as para os outros envolvidos no esquema, que então submeteram as reivindicações ao plano, que pagou “a maior parte” de suas reivindicações por procedimentos que nunca receberam.

O suposto esquema, disse Strauss, começou por volta de novembro de 2017. Ao todo, 19 pessoas foram indiciadas por uma acusação de conspiração para cometer fraude no sistema de saúde.

Cada pessoa supostamente tentou reivindicar entre US$ 65.000 e US$ 420.000 [cerca de R$350 mil e R$2,3 milhões, respectivamente] em reembolsos fraudulentos de serviços médicos, disse Strauss. Em muitos casos, as pessoas que enviam as faturas não estavam em nenhum lugar próximo ao local onde alegavam estar recebendo tratamentos.

“Registros de viagens, e-mail, dados de GPS e outras evidências mostram que os réus que supostamente receberam serviços médicos e odontológicos em um local em uma data específica muitas vezes não estavam perto dos escritórios dos provedores quando os serviços alegados foram supostamente fornecidos”, disse Strauss.

Bola de basquete NBA
/ NBA

Um ex-jogador da NBA, apresentou comprovante alegando que teve sedação intravenosa e canais radiculares em oito dentes em 20 de dezembro de 2018 em um escritório em Beverly Hills, Califórnia. Mas naquela data os registros de viagens e até mesmo “registros de jogos disponíveis publicamente” mostram que o homem estava na verdade jogando basquete profissional em Taiwan.

A acusação alega que pelo menos 10 co-réus concordaram em pagar a Williams cerca de US$ 230.000 [cerca de R$ 1,3 milhão] no total em “propinas” em troca de ele fornecer faturas falsas para ajudar em seu esquema.

“Os planos de benefícios fornecidos pela NBA e pela NBPA aos nossos jogadores são extremamente importantes para apoiar sua saúde e bem-estar ao longo de suas carreiras como jogador e ao longo de suas vidas, o que torna essas alegações particularmente desanimadoras”, disse a NBA disse em um comunicado. “Cooperaremos totalmente com o Ministério Público dos EUA neste assunto.”

A CNN entrou em contato com o sindicato dos jogadores da NBA para comentário mas não recebeu resposta.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN