Olimpíada de 2021 está cercada de incertezas, diz governadora de Tóquio


George Ramsay e Will Ripley, da CNN
08 de junho de 2020 às 14:58 | Atualizado 08 de junho de 2020 às 16:14
Olimpíada de Tóquio seria realizada de 24 de julho a 9 de agosto

Olimpíada de Tóquio seria realizada de 24 de julho a 9 de agosto, mas foi adiada

Foto: Denis Balibouse - 24.mar.2020 / Reuters

O destino da Olimpíada de 2021 depende da forma com a qual o Japão vai lidar com o novo coronavírus, segundo a governadora de Tóquio, Yuriko Koike.

Ela disse que os Jogos podem significar uma “vitória” sobre a pandemia, mas que ainda há trabalho a fazer para melhorar o tratamento e a testagem. Koike afirmou ainda que os organizadores lidam com uma série de incertezas.

A Olimpíada de Tóquio estava programada originalmente para começar em julho deste ano, mas foi adiado para 24 de julho de 2021 por causa da Covid-19.

“A Olimpíada de Tóquio é um evento importante pelo qual todos estão esperando”, disse Koike à CNN. “O adiamento custa muito e, acima de tudo, não sabemos como estará a situação do novo coronavírus em julho do ano que vem. Temos algumas incertezas aqui”, afirmou ele. 

“Custa muito para começar, precisamos entender do [ponto de vista do] povo de Tóquio. Não podemos gastar muito. Precisamos tornar os Jogos seguros para os atletas e os espectadores.”

Assista e leia também:
Japão cogita Olimpíada ‘simplificada’ em 2021, diz governadora de Tóquio
CEO responsável pelas Olimpíadas de Tóquio demonstra incerteza sobre nova data
Adiamento da Olimpíada de Tóquio torna incerta classificação de atletas

Em dezembro, os organizadores disseram que o custo de sediar a Olimpíada era de aproximadamente US$ 12,35 bilhões, enquanto patrocinadores, seguradoras e empresas responsáveis pela transmissão do evento comprometeram bilhões de dólares com o evento.

Combate à Covid-19

Há 17.039 casos confirmados de Covid-19 no Japão e 917 mortes registradas, de acordo com os dados mais recentes da Universidade de Medicina Johns Hopkins.

Desde o adiamento da competição mundial, autoridades têm afirmado que não há planos para um novo adiamento. “Temos que identificar as especificidades do vírus, desenvolver um remédio para a cura, melhorar as estruturas de testagem”, afirmou Koike.

“Mas não podemos deixar que a batalha contra o novo coronavírus dure 10 ou 20 anos. A comunidade global precisa ter um objetivo claro para vencer a doença, competir por soluções para tornar a sociedade segura e compartilhar exemplos bem-sucedidos [de combater o vírus]. Eu gostaria que o sucesso da Olimpíada de 2020 fosse [um sinal] da vitória da humanidade sobre o novo coronavírus”, disse o governador.

Apesar da alta densidade populacional, Tóquio tem resistido bem à doença, com 5.347 casos confirmados e 307 mortes, de acordo com a Johns Hopkins.

“Tudo isso é graças à cooperação do povo de Tóquio”, destacou Koike. “Usar máscaras se tornou obrigatório para os japoneses desde a pandemia da gripe espanhola em 1918. O senso de higiene dos japoneses era excelente e isso ajudou a conter o número de mortos, em comparação a países ocidentais.”

(Texto traduzido. Clique aqui e leia o original em inglês)