Clubes da Superliga sofrerão sanções após acordo de desertores com a Uefa

Uefa disse que está iniciando procedimentos disciplinares contra Juventus, Real e Barcelona, que seguem com a intenção de criar a liga dissidente

Da Reuters
07 de maio de 2021 às 17:37 | Atualizado 07 de maio de 2021 às 17:43
Sede da Uefa
Sede da Uefa, que pretende aplicar sanções contra os times dissidentes
Foto: Facebook/Reprodução

Os três times que continuam envolvidos na operação da Superliga - Real Madrid, Barcelona e Juventus - enfrentarão sanções da Uefa, que chegou a um acordo com os nove outros clubes que planejavam integrar a nova competição europeia.

A entidade que administra o futebol europeu disse nesta sexta-feira (7) que os nove clubes que desistiram do plano assinaram uma "declaração de comprometimento de clube", que inclui uma série de etapas de "reintegração".

Os seis times ingleses – Manchester United, Liverpool, Manchester City, Chelsea, Tottenham e Arsenal –, além dos italianos Milan, Inter de Milão e o espanhol Atlético de Madri, assinaram o acordo, disse a Uefa em um comunicado.

"Estes clubes reconheceram seus erros rapidamente e agiram para demonstrar sua contrição e seu comprometimento futuro com o futebol europeu", disse o presidente da Uefa, Aleksander Ceferin.

"O mesmo não pode ser dito dos clubes que continuam envolvidos na chamada 'Superliga', e a Uefa lidará com estes clubes subsequentemente."

A Uefa disse que agora está iniciando procedimentos disciplinares contra Juventus, Real e Barcelona.

"A Uefa se reservou todo o direito de adotar qualquer ação que considere adequada contra estes clubes que até agora se recusam a renunciar à chamada 'Superliga'. A questão será encaminhada prontamente aos organismos disciplinares competentes da Uefa", afirma o comunicado.

Os nove times que voltaram à Uefa concordaram em "adotar todas as medidas em seu poder" para encerrar seu envolvimento na Superliga.

A liga dissidente foi anunciada no mês passado, mas fracassou depois de meras 48 horas.