Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Atlético-MG detalha valores de modelo da SAF: “Maior do Brasil”; veja

    Bruno Muzzi, CEO do Galo, deu detalhes sobre o modelo em entrevista coletiva na sede do clube

    Bruno Muzzi, CEO do Atlético-MG
    Bruno Muzzi, CEO do Atlético-MG Reprodução/TV Galo

    Henrique Andréda Itatiaia

    Nesta quinta-feira (13), o Atlético-MG convidou jornalistas para entrevista coletiva com Bruno Muzzi, CEO do Alvinegro. O encontro na sede de Lourdes aconteceu para esclarecer dúvidas sobre a transformação do clube em Sociedade Anônima do futebol (SAF).

    Perguntado sobre o aporte inicial na SAF, que supera R$ 900 milhões, Muzzi esclareceu como o clube irá fazer uso do montante.

    “O aporte na SAF será de R$ 913 milhões, porque os R$ 313 milhões de dívidas (com Rubens Menin) estão deixando de ser pagos. Os R$ 600 milhões serão disponibilizados de forma imediata e começaremos a negociar com todos os credores. O planejamento é manter a SAF equilibrada em 2024, 25 e 26. Daremos prioridade aos bancos, agentes e clubes, evitando processos na Fifa, etc”, destacou.

    Tentaremos diminuir as taxas de juros, alongando um pouco mais a dívida. Durante este período, conseguiremos manter uma folha de futebol competitiva, que hoje está na casa de R$ 220 milhões. A ideia é ter um teto orçamentário e não passaremos de um determinado valor.

    Bruno Muzzi, CEO do Atlético-MG

    “Vamos respeitar isso. Estamos também tentando colocar um limite inferior para esta folha, imagino na casa de 30% a 42%. Se em 2024 tivermos um faturamento de R$ 600 milhões, se for 40%, teremos uma folha de R$ 240 milhões; se for 30%, não podemos abaixar de R$ 180 milhões. Assim manteremos o Atlético sustentável, com uma folha super competitiva”, foi além.

    Ainda de acordo com o CEO do Atlético, todo planejamento está sendo feito para ser respeitado, mesmo caso haja pressão externa (torcida, imprensa, etc.) para que, em determinado momento, o clube arrisque mais nas investidas.

    “Este planejamento para as próximas três temporadas, está tudo num bolo só. Tudo aquilo que é relacionado a compra e venda, estará no fluxo de caixa de investimento. Em 2024 serão R$ 40 milhões de investimento. A partir do momento que compro ou vendo, tenho este fluxo. Este ano já conseguimos respeitar isso. Só vamos poder usar a janela se a gente abrir espaço na folha. O importante é que a SAF manterá o Atlético sustentável e sendo competitivo”, explica.