Conselheiro de Trump afirma que ter começado isolamento antes teria salvo vidas


Devan Cole Da CNN
12 de abril de 2020 às 20:23 | Atualizado 12 de abril de 2020 às 21:52
Anthony Fauci

Anthony Fauci, médico e chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos

Foto: Alex Brandon/AP

O médico imunologista Anthony Fauci afirmou neste domingo (12), em entrevista à CNN, que pedidos para implementar medidas de distanciamento social enfrentaram "muita resistência" no início da epidemia do novo coronavírus nos Estados Unidos e que agora o país está buscando formas mais efetivas de combater a doença.

Fauci, que integra a força-tarefa do presidente Donald Trump para o combate à COVID-19, afirmou que ter iniciado o isolamento social antes teria prevenido mortes no país. "Logicamente, você pode dizer que se você tinha um processo em andamento e tivesse iniciado a mitigação antes, você poderia ter salvado vidas", disse.

"Ninguém vai negar isso, mas o que acontece nessas decisões é complicado", complementou o médico. "Se nós tivéssemos fechado tudo desde o começo, isso teria sido um pouco diferente. Mas houve muita resistência sobre fechar as coisas naquele momento".

Questionado por que o presidente Donald Trump não recomendou o distanciamento social até o meio de março, cerca de três semanas após os especialistas de saúde do país recomendarem que isso deveria ter sido feito, Anthony Fauci afirmou que "às vezes, a recomendação é aceita, às vezes não".

"Nós olhamos apenas do ponto de vista de saúde. Nós fazemos uma recomendação. Às vezes, essa recomendação é aceita. Às vezes não. Mas nós... E é assim que é. Nós estamos onde estamos agora".

As afirmações do médico vem um dia depois de reportagens apontarem que o governo americano recebeu avisos a respeito do risco representado pela COVID-19 desde novembro de 2019, meses antes que esse risco fosse discutido abertamente pela Casa Branca. Uma reportagem do jornal The New York Times detalhou como a administração de Trump ignorou avisos de seus conselheiros durante o começo da atual crise.

Leia também:

EUA: todos estados estão em situação de desastre pela 1ª vez na história

Mundo ultrapassa marca de 400 mil recuperados da COVID-19, diz universidade

Segundo um oficial do governo confirmou à CNN, os especialistas de saúde concordaram na terceira semana de fevereiro de que era necessária adotar uma estratégia de contenção e mitigação que envolveria o distanciamento social.

De acordo com o jornal, em 21 de fevereiro, Robert Kadlec, responsável pela resposta a desastres no Departamento de Saúde, afirmou à força-tarefa contra o coronavírus que um estudo a respeito da pandemia havia previsto 110 milhões de infecções, 7,7 milhões de hospitalizações e 586 mil mortes.

Neste momento, foi feita a recomendação pelo distanciamento social. O presidente Donald Trump só adotou a orientação três semanas depois, em 16 de março.

Rebote

Anthony Fauci admitiu também que há a possibilidade de um "rebote", ou seja, uma retomada no crescimento da doença, entre o final do outono e o começo do interno. O médico, no entanto, afirmou que tem "esperança" de que será um "jogo totalmente diferente" em breve.

"O que nós estamos enfrentando agora e a capacidade que nós temos para muitos, muitos mais testes, muita, muita, melhor capacidade de vigilância, e a habilidade para medidas de contenção, com medicações que funcionem. Será um jogo completamente diferente", disse.