EUA acusam China de realizar ciberataque para roubar pesquisas sobre coronavírus


Zachary Cohen e Alex Marquardt, da CNN
25 de abril de 2020 às 03:10 | Atualizado 25 de abril de 2020 às 09:07
Cientista trabalha em laboratório no Departamento de Ciências Forenses em Washin

Cientista trabalha em laboratório no Departamento de Ciências Forenses em Washington

Foto: Manuel Balce Ceneta - 19.mar.2019/Reuter

Os Estados Unidos acusam a China de tentar roubar pesquisas sobre o novo coronavírus, enquanto altos funcionários do governo Donald Trump afirmam que identificaram uma onda crescente de ciberataques a agências governamentais e instituições médicas norte-americanas.

Segundo os funcionários, diversos hospitais, laboratórios de pesquisa, prestadores de serviços de saúde e companhias farmacêuticas foram atingidos. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos - que supervisiona a ação do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA - tem sido alvo de uma onda de ataques diários, informou uma fonte do governo com conhecimento sobre o assunto.

“É seguro dizer que há apenas dois lugares no mundo que poderiam atingir [o Departamento de Saúde e Serviços Humanos] do jeito que aconteceu”, afirmou um funcionário à CNN.

Tamanho e extensão das ações

Os primeiros nomes apontados como culpados pelos ciberataques foram a Rússia e a China, segundo a fonte, por causa do tamanho e da extensão das ações. 

Assista e leia também:

EUA: Missouri processa China por 'perdas econômicas' causadas pelo coronavírus

COVID-19 permanece mais tempo em pacientes não saudáveis, diz estudo chinês

Após certa hesitação dos EUA em atribuir responsabilidade aos ciberataques a países específicos - seja por motivos políticos ou falta de certeza sobre as informações -, membros do setor de Segurança Nacional decidiram apontar apenas Pequim como autor dos ataques. O Departamento de Justiça disse que está preocupado com os ataques realizados por hackers chineses, que tiveram como alvo hospitais e laboratórios dos EUA, para roubar pesquisas relacionadas à COVID-19.

"É certamente a conclusão lógica de tudo o que eu disse", disse John Demers, chefe da Divisão de Segurança Nacional do Departamento de Justiça, quando perguntado especificamente sobre as ações da China durante uma discussão online na quinta-feira sobre espionagem chinesa organizada pelo Strategic News Service. "Estamos muito sintonizados com o aumento de invasões cibernéticas em centros médicos, centros de pesquisa, universidades e qualquer pessoa que esteja pesquisando nessa área."

“Não há nada mais valioso hoje do que estudos médicos sobre vacinas e tratamentos para o novo coronavírus”, continuou Demers. “É de grande importância, não apenas pelo valor comercial, e qualquer país, empresa ou laboratório de pesquisa que desenvolva a vacina primeiro e possa produzi-la, terá uma história de sucesso geopolítico significativo."

A CNN solicitou à embaixada chinesa em Washington comentários sobre as acusações, mas não obteve resposta.

Os EUA registram mais de 890,5 mil casos de COVID-19, incluindo ao menos 51 mil mortes, de acordo com dados da Universidade de Medicina Johns Hopkins.