Minerador da Tanzânia fica rico após achar pedras raras e ganhar US$ 3,3 mi

Dois minerais da cor azul violeta escuro, cada um do tamanho de um antebraço humano, foram descobertos por Saniniu Laizer em uma mina de tanzanita

Reuters
26 de junho de 2020 às 08:13 | Atualizado 26 de junho de 2020 às 10:28
Saniniu Laizer (de traje quadriculado) encontrou as duas pedras preciosas e foi parabenizado pelas autoridades do país
Foto: Divulgação / Ministério de Minas da Tanzânia

Um minerador da Tanzânia ficou milionário nessa quarta-feira (24) depois que o governo deu a ele um cheque de US$ 3,35 milhões pelas duas maiores pedras de tanzanita já encontradas desde o começo das atividades de mineração em Mirerani, no norte do país.

Os dois minerais da cor violeta escuro, cada um do tamanho do antebraço humano de um adulto, foram descobertos por Saniniu Laizer em uma das minas de tanzanita no norte do país, que são cercadas por um muro para controlar o contrabando de pedras preciosas.

A primeira peça encontrada pesa 9,247 kg e a segunda, 5,103 kg, de acordo com o porta-voz do Ministério de Minas da Tanzânia. A tanzanita é uma pedra preciosa que existe apenas em uma pequena área ao norte do país.

Assista e leia também:

Arqueólogo espanhol é condenado à prisão por falsificar descobertas

Descoberto antigo mosaico romano em perfeito estado

Laizer foi filmado por emissoras locais com o grande cheque nas mãos, depois que o Banco da Tanzânia comprou as pedras. O presidente do país, John Magufuli, fez um telefonema para parabenizá-lo. 

“Esta é uma confirmação de que a Tanzânia é rica”, afirmou Magufuli ao ministro de Minerais, Doto Biteko.

Em 2019, o país criou centros comerciais para permitir que os mineradores artesanais vendessem suas pedras ao governo. Eles não são funcionários oficiais de nenhuma empresa de mineração e normalmente trabalham somente com as mãos.

Em abril de 2018, Magufuli inaugurou um muro em torno das áreas de concessão de mineração de tanzanita no norte da Tanzânia para tentar controlar a mineração ilegal e o contrabando. Na época, ele disse que 40% das pedras do local estavam se perdendo em meio ao comércio irregular.