Boris Johnson diz que não pode garantir vacina contra Covid-19 até fim do ano


Da CNN
20 de julho de 2020 às 10:37 | Atualizado 20 de julho de 2020 às 11:04

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse nesta segunda-feira (20) que “não pode garantir” que desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus será concluído até o final deste ano.

"Para afirmar que estou 100% confiante que teremos uma vacina, neste ano ou de fato ano que vem, é, infelizmente, simplesmente um exagero. Não estamos lá ainda", disse Johnson após o Reino Unido anunciar acordos para o fornecimento de mais duas potenciais vacinas que estão em desenvolvimento.

A vacina mais adiantada desenvolvida no país é a da Universidade de Oxford, que está realizando parte dos testes clínicos no Brasil.

Johnson fez os comentários durante sua visita à Discovery School em West Malling, Kent, onde se juntou aos alunos pintando e brincando com blocos de construção.

Assista e leia também:

Promessa de vacina antes de conclusão dos testes é prematura, diz infectologista

'Impossível ficar indiferente', diz 1ª voluntária de vacina para Covid no Brasil

Estoques de vacina

Apesar de o premiê estar em dúvida sobre a disponibilidade da vacina ainda em 2020, o Reino Unido anunciou nesta segunda que garantiu acesso antecipado a mais de 90 milhões de doses de vacinas, assim como a tratamentos de anticorpos neutralizantes da Covid-19.

De acordo com o secretário de Estado para Negócios, Alok Sharma, o anúncio é resultado do acordo de licenciamento global assinado com a AstraZeneca e a Universidade de Oxford para pesquisa, desenvolvimento e fabricação de 100 milhões de doses de vacina para o novo coronavírus para a população britânica.

“A caça para encontrar uma vacina é um verdadeiro esforço global, e estamos fazendo tudo o que podemos para garantir que o povo britânico tenha acesso a uma vacina segura e eficaz contra o novo coronavírus assim que possível”, disse Sharma.

(Com informações da Reuters)