Conselheira de Trump, Kellyanne Conway anuncia que deixará a Casa Branca

Conway foi gerente da campanha de Trump em 2016 e tinha discurso esperado na Convenção Republicana. Seu marido, crítico de Trump, também se afastará da política

Paul LeBlanc, da CNN
24 de agosto de 2020 às 02:03 | Atualizado 24 de agosto de 2020 às 02:04
Donald Trump e Kellyanne Conway
Foto: Twitter/ Reprodução

A conselheira da Casa Branca Kellyanne Conway anunciou, na noite deste domingo (23), que deixará seu posto no final do mês, enquanto seu marido, George Conway, disse que se desligará do Projeto Lincoln (grupo formado por republicanos anti-Trump), ambos citando a necessidade de se concentrar em sua família.

"Deixarei a Casa Branca no final deste mês. George também fará mudanças", disse Kellyanne Conway em um comunicado.

"Discordamos muito, mas estamos unidos no que mais importa: as crianças. Nossos quatro filhos são adolescentes e pré-adolescentes começando um novo ano letivo, no ensino fundamental e médio, remotamente de casa por pelo menos alguns meses. Como é do conhecimento dos pais em todo o país, os filhos 'estudando em casa' exigem um nível de atenção e vigilância incomum".

Leia também:
Trump fará convenção em situação rara para buscar reeleição: atrás nas pesquisas

Divergências com o marido sobre Trump

George Conway tuitou minutos antes que estava se retirando do The Lincoln Project - um grupo formado por republicanos anti-Trump - para "dedicar mais tempo aos assuntos familiares".

Kellyanne Conway está programada para falar na Convenção Nacional Republicana desta semana, mas não está claro se ela ainda o fará.

Uma das filhas de Conways, em idade escolar, chamou a atenção nas redes sociais sobre sua família e suas opiniões políticas nos últimos meses.

O anúncio da noite de domingo marca o fim abrupto do período de destaque de Kellyanne Conway na Casa Branca, onde ela ganhou a reputação de uma das mais ferozes - e mais controversas - defensoras do presidente. Ela conquistou seu cargo em 2016 depois de se tornar a primeira gerente de campanha do sexo feminino a sair vencedora em uma corrida presidencial.

Mas a tensão política com o marido se espalhou para o público nos últimos anos.

Um advogado de Washington que foi considerado para vários cargos no Departamento de Justiça no início do mandato de Trump, George Conway rapidamente emergiu como um crítico proeminente do presidente.

Ele disse anteriormente que Trump é "culpado" de ser "impróprio" para o cargo, pediu ao Congresso que removesse o "câncer" de Trump da presidência e questionou abertamente a saúde mental do presidente.

Sua oposição ganhou um novo significado quando ele se juntou ao Projeto Lincoln.

Cada um dos diretores do Lincoln Project se alinhou com o movimento "NeverTrump" na eleição de 2016 e têm sido críticos declarados de Trump e do Partido Republicano desde então.

O próprio Trump rejeitou dizer o nome George Conway no ano passado, rotulando-o de "Sr. Kellyanne Conway" em um tuíte. No domingo anterior, George Conway tuitou: "Eu posso entrar em um hiato no Twitter em breve" antes de listar alguns de seus artigos de opinião críticos sobre o presidente.

Ainda assim, Kellyanne Conway afirmou em sua declaração no domingo que "os incríveis homens, mulheres e crianças que conhecemos ao longo do caminho reafirmaram minha experiência mais tarde na vida de que o serviço público pode ser significativo.

“Apesar de todas as suas diferenças políticas e clivagens culturais, este é um lindo país repleto de pessoas incríveis. A promessa da América pertence a todos nós”, disse Kellyanne Conway.

Ela também enfatizou que a decisão "é totalmente minha escolha".

“Com o tempo, irei anunciar planos futuros. Por enquanto, e para meus filhos amados, será menos drama, mais mamãe”, disse ela.