Sally toca solo dos Estados Unidos como furacão de categoria 2


Da CNN
16 de setembro de 2020 às 08:29 | Atualizado 16 de setembro de 2020 às 08:32

Sally tocou o solo dos Estados Unidos como um furacão de categoria 2, nesta quarta-feira (16), perto de Gulf Shores, no estado de Alabama, próximo da divisa com a Flórida.

O sistema da tempestade se movimenta lentamente, a 3 km/h, em direção ao Norte e depois ao Nordeste. Ventos de até 160 km/h foram registrados.

Leia e assista também:
Ciclone, tufão, furacão, tempestade: a diferença entre esses fenômenos naturais
Pela 2ª vez na história, Atlântico Norte tem 5 ciclones ao mesmo tempo

Imagem de satélite mostra movimentação do furacão Sally, que tocou o solo no Ala

Imagem de satélite mostra movimentação do furacão Sally, que tocou o solo no Alabama como um fenômeno de categoria 2

Foto: Reprodução/CNN (16.set.2020)

A previsão é de que o sistema traga chuvas fortes pelas próximas 12 horas e pode provocar enchentes nessa área do golfo dos Estados Unidos.

Durante a passagem pela Flórida, a Guarda Nacional acionou 175 integrantes para operações de busca e resgate – com veículos especiais para enfrentar áreas com enchentes.

Chuva forte durante passagem do furacão Sally nos Estados Unidos

Chuva forte durante passagem do furacão Sally nos Estados Unidos

Foto: Reprodução/CNN (16.set.2020)

Mais de 150 mil pessoas já estão sem energia nos estados de Alabama, Mississippi e da Flórida. Além disso, as autoridades locais deram ordens para retirada de moradores de casas em áreas baixas próximas da costa também foram dadas.

Chuva forte durante passagem do furacão Sally nos Estados Unidos

Furacão Sally nos Estados Unidos provoca ventos de até 160 km/h

Foto: Reprodução/CNN (16.set.2020)

Pela segunda vez na história, o Atlântico Norte tem cinco ciclones tropicais ativos ao mesmo tempo. A primeira ocorrência disse foi registrada em 1971.

Imagem de satélite mostra movimentação do furacão Sally, que tocou o solo no Ala

Imagem de satélite mostra movimentação do furacão Sally e ciclones tropicais no Atlântico Norte

Foto: Reprodução/CNN (16.set.2020)

(Edição: André Rigue)