EUA: reduzido de furacão para tempestade, Sally causa 'enchentes históricas'

Após tocar solo como furacão, fenômeno foi reduzido para tempestade tropical. Órgão americano classificou enchentes no Alabama e Flórida como 'catastróficas'

Devika Krishna Kumar e Catherine Koppel, da Reuters
17 de setembro de 2020 às 03:04
Chuva forte durante passagem do furacão Sally nos Estados Unidos
Foto: Reprodução/CNN (16.set.2020)

Após tocar o solo dos EUA como furacão, o Sally perdeu força e se tornou uma tempestade tropical nesta quarta (16), mas, em seu trajeto, arrancou árvores, inundou ruas e cortou a energia de centenas de milhares de casas e empresas, trazendo o que o o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC) classificou de enchentes "históricas e catastróficas" para a costa do Alabama e Flórida.

Sally, que atingiu a costa na manhã de quarta-feira (horário local) perto de Gulf Shores, Alabama, como furacão, foi rebaixada à tarde para uma tempestade tropical, pois os ventos máximos sustentados caíram para 70 milhas por hora (113 km/h).

Leia também:
Ciclone, tufão, furacão, tempestade: a diferença entre esses fenômenos naturais

Acredita-se que a tempestade matou uma pessoa no Alabama. "Acreditamos que foi relacionado ao furacão, mas não temos prova definitiva disso agora", disse Trent Johnson, tenente da polícia em Orange Beach, sobre o caso.

Algumas partes do estado foram inundadas com mais de 46 centímetros de chuva nas 24 horas anteriores, com mais precipitação prevista conforme os ventos da tempestade diminuam ainda mais, disse o Centro Nacional de Furacões (NHC).

A comunidade costeira de Pensacola, Flórida, experimentou até 1,5 metros de inundação e registrou estradas e pontes danificadas. Mais de 500.000 casas e empresas em toda a área ficaram sem energia quando a tempestade derrubou imponentes carvalhos e arrancou cabos de energia dos postes.

Vários residentes ao longo das costas do Alabama e da Flórida disseram que os danos da tempestade lenta os pegaram desprevenidos.