Checagem de fatos: 10 distorções recorrentes de Trump para se atentar no debate

Veja 10 afirmações falsas entre as mais repetidas pelo presidente

Daniel Dale, da CNN
29 de setembro de 2020 às 16:29 | Atualizado 29 de setembro de 2020 às 17:59
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump
Foto: Tom Brenner - 23.set.2020 / Reuters

Donald Trump fez dezenas de afirmações falsas durante os três debates presidenciais contra Hillary Clinton em 2016. 

Trump volta ao palco de debate nesta terça (29) contra o democrata Joe Biden —após fazer milhares de outras afirmações falsas como presidente.

Leia também:

Cinco pontos para ficar atento hoje no debate entre Trump e Biden

O que você precisa saber sobre os debates presidenciais entre Biden e Trump

CNN Brasil e a CNN americana irão transmitir simultaneamente o debate, a partir das 21h45 (horário de Brasília). Em parceria com a CNN Brasil, o portal UOL retransmitirá o evento.

Será possível acompanhar o debate pela CNN na TV, pelo canal 577 nas maiores operadoras de TV paga: Claro/NET, Sky, Oi e Vivo Fibra. Para outras operadoras, consulte a lista oficial com a numeração.

Também será possível ainda assistir ao vivo pelo site da CNN Brasil e em seus perfis no Facebook e no Twitter

Aqui estão 10 declarações falsas que estão entre as mais repetidas por Trump:

Escolha dos veteranos

Mesmo criticando a administração do ex-presidente Barack Obama, em que Biden foi vice, Trump gosta de levar o crédito por uma lei que Obama assinou. Ele declarou mais de 150 vezes que foi ele quem criou o programa de cuidados médicos Veterans Choice (Escolha dos veteranos, em português, voltado para ex-combatentes de guerra). 

Na verdade, Obama assinou a lei do Veterans Choice em um evento de 2014. Foi uma iniciativa bipartidária liderada por duas pessoas repetidamente criticadas por Trump, o senador Bernie Sanders e o ex-senador John McCain (que morreu em 2018). 

O que Trump assinou foi o ato VA Mission de 2018, que expandiu e mudou o programa Choice.

Condições médicas pré-existentes

Trump continua prometendo que ele vai "sempre" proteger pacientes com condições médicas pré-existentes, e continua a declarar que Biden irá "destruir" essas proteções. 

Essa é uma distorção da realidade.

As proteções foram criadas durante o governo Obama —como parte do programa Obamacare, a lei de 2010 que Biden jurou preservar e fortalecer caso seja eleito. Trump, por sua vez, repetidamente tentou aprovar leis que enfraqueceriam essas proteções. Ele está agora tentando derrubar completamente o Obamacare nas cortes. 

Um decreto vago de Trump de setembro deste ano sobre o tema não tem força de lei. 

A guerra do Iraque

Trump criticou Biden pelo voto dele no Senado a favor da guerra no Iraque, o que é justo, mas Trump às vezes acrescenta que ele próprio era um notório oponente da invasão. 

Ele não era. Trump se tornou oponente explícito da guerra em 2004, mais de um ano após seu início. Não há registros em que ele a critica antes de começar —e quando o apresentador de rádio Howard Stern o perguntou em 2002 se ele era a favor de uma invasão, ele respondeu, "Sim, acho que sim. Eu gostaria que tivesse sido feito corretamente da primeira vez". 

Tarifas para China

Trump se gabou repetidamente que fez com que a China pagasse bilhões em tarifas, que ele distribuiu aos agricultores americanos. 

O dinheiro não está vindo da China. Estudo após estudo mostrou que os americanos estão arcando com o custo das tarifas de Trump sobre os produtos chineses importados. E importadores americanos, não exportadores chineses, fazem os pagamentos das tarifas para o governo dos EUA. 

Restrições de viagem

A declaração falsa mais frequente de Trump em relação à pandemia é a insistência dele de que teria instituído uma "suspensão" em viagens vindas da China e da Europa.

A palavra "suspensão" é um claro exagero. Enquanto ele impôs restrições de viagem, elas continham exceções para cidadãos americanos, residentes permanentes, familiares e outros grupos. Além disso, as restrições europeias deixaram de fora países inteiros. 

Ventiladores mecânicos

Trump encontrou uma maneira de criticar a administração de Obama enquanto, simultaneamente, elogia sua própria performance em relação à crise do coronavírus. Ele já declarou que, embora agora os EUA estejam bem-equipados com ventiladores mecânicos, ele não herdou nenhum de seus predecessores. (Às vezes, ele é mais vago, dizendo que herdou prateleiras vazias). 

Essa afirmação não é verdadeira. Um porta-voz do departamento de saúde federal confirmou que havia mais de 16 mil ventiladores mecânicos em bom estado de funcionamento no estoque nacional. 

Votação por correspondência

Uma grande porcentagem do que Trump diz sobre votação por correspondência é falsa. A declaração errônea mais frequente é a mais básica: a insistência de que a votação por correspondência é cheia de fraudes. Na verdade, fraudes são bastante raras.

Empregos de fábrica

A promessa de Trump de trazer de volta os empregos na manufatura foram centrais para sua campanha de 2016. Ele afirmou na semana passada que conseguiu trazer de volta 700 mil desses.

Isso não está nem perto a verdade. Até agosto, houve uma perda de 237 mil empregos de fábrica durante o mandato de Trump. E mesmo se você terminar a contagem em fevereiro, antes da crise econômica relacionada à pandemia, havia um ganho de 483 mil, não 700 mil. 

Monumentos e penalidades 

Trump tentou levar crédito por arrefecer os protestos que surgiram em escala nacional nos últimos meses, após a morte de George Floyd pela polícia de Minneapolis em maio.

Uma das declarações favoritas de Trump nesse tema é que ele deteve os manifestantes ao assinar uma nova lei ou ao atualizar uma nova lei, para penalizar pessoas que danificassem monumentos com 10 anos de detenção.

Ele não assinou nenhuma lei. Ele apenas publicou um decreto em junho dizendo ao governo federal que processassem completamente as pessoas sob as leis já existentes relacionadas a danos a monumentos —que preveem um máximo de 10 anos de prisão, não os 10 anos de prisão automáticos que Trump continua a sugerir. 

Impeachment 

Após um ano inteiro do surgimento de um delator anônimo que revelou informações sobre as negociações de Trump com a Ucrânia, Trump ainda está atacando essa pessoa —dizendo que ela é "falsa" e que suas alegações não eram precisas. 

Na verdade, elas eram altamente precisas. As acusações primárias do delator foram corroboradas por testemunhos durante o processo de impeachment de Trump e pela transcrição de uma ligação divulgada pelo próprio Trump. 

(Texto traduzido. Leia o original em inglês)