Debate foi marcado por bate-boca reputacional, diz professora

Segundo análise da professora de relações e internacionais e especialista em EUA, Fernanda Magnotta, dá para contar na mão as propostas apresentadas no debate

Da CNN, em São Paulo
30 de setembro de 2020 às 01:05 | Atualizado 30 de setembro de 2020 às 12:56

O primeiro debate presidencial dos Estados Unidos foi marcado por um discussões sobre a reputação dos dois candidatos, segundo análise da professora de relações e internacionais e especialista em EUA, Fernanda Magnotta.

“O debate confuso, incômodo e cheio de sobreposições. Foi marcado por um bate-boca reputacional e é possível listar nos dedos de uma mão as propostas apresentadas.”

Segundo Magnotta, a estratégia dos dois candidatos ficou no primeiro embate ao vivo entre Donald Trump e Joe Biden. A professora destacou que a estratégia do republicano foi a de associar seu adversário com o radicalismo de esquerda, tentando colar sua imagem a Bernie Sanders.

Leia também

Trump diz que lei lhe permitiu pagar 'menos imposto possível'; Biden ironiza

Biden diz que 'florestas no Brasil estão desmoronando' e defende Acordo de Paris

Debate desbanca para agressões; Biden confronta Trump: 'Quer calar a boca?'

Já Biden falou diversas vezes durante o debate que Trump não tem um plano e tentou mostrar o presidente como um membro da elite americana, descolado da realidade do americano médio.

Se o debate deixou a desejar em relação a propostas, Magnotta minimiza a questão, dizendo que nos últimos anos estes eventos deixaram de ser decisivos para a eleição americana.

“Historicamente os debates são pouco significativos e há base empírica para isso. Prova disso é que Obama, em seu primeiro debate, foi considerado o perdedor e ganhou a eleição enquanto Hillary Clinton foi considerada a vencedora dos debates em 2016 e perdeu a eleição para Trump.”

(Edição de Diego Freire)