Eleições nos EUA: melhores e piores momentos do 1º debate entre Trump e Biden

Os dois candidatos à presidência dos Estados Unidos se encontraram na noite de terça-feira (29), em um evento mediado por Chris Wallace

Da CNN 
30 de setembro de 2020 às 08:54 | Atualizado 30 de setembro de 2020 às 08:54
Donald Trump e Joe Biden durante debate em Cleveland
Foto: Morry Gash - 30.set.2020 / Reuters

O primeiro debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump e o democrata Joe Biden, realizado nessa terça-feira (29), foi marcado por uma intensa troca de acusações. Confira abaixo os melhores e piores momentos da noite.

Melhores momentos

Na verdade, talvez não tenha havido um melhor momento, já que o debate não fez nada para educar o público sobre os dois candidatos e o que eles pretendem fazer se ficarem quatro anos na presidência do país. Para o jornalista Chris Cillizza, da CNN americana, foi o pior debate que ele já cobriu em seus 20 anos de carreira. Segundo ele, foi um desserviço à democracia.

Assista e leia também:
Biden venceu 1º debate contra Trump para 60%, diz pesquisa
Debate desbanca para agressões; Biden confronta Trump: 'Cala a boca'
Com momentos hostis, Trump e Biden repetem ataques em 1º debate; veja íntegra

Piores momentos

Donald Trump

Ele precisa dos debates para tentar mudar a dinâmica da corrida presidencial, pois se não o fizer provavelmente vai perder a eleição para Biden. Ao longo dos 90 minutos do evento, sem intervalos comerciais, não se viu nada que possa alterar o cenário atual.

Sim, Trump dominou o debate, mas só porque atacou e interrompeu tanto Biden quanto o moderador Chris Wallace a todo o momento. Óbvio que isso agrada os apoiadores mais fervorosos do republicano, mas eles não precisam disso para ter certeza de que vão votar no atual presidente.

As interrupções tornaram o debate literalmente inassistível. Trump fez uma série de reivindicações bizarras (“eu trouxe o futebol de volta”), além de alegações falsas sobre ele mesmo e sobre Biden. Além disso, o republicano também se recusou a condenar diretamente grupos supremacistas brancos pela violência nos protestos pelo país.

Chris Wallace

A tarefa de mediar o debate dessa terça não seria fácil para nenhuma pessoa do planeta. Trump é como um bate-estacas retórico, apenas fala, fala e fala. Não tem respeito por regras ou pessoas. Não tem educação e não responde às perguntas. 

Com isso, Wallace não conseguiu abordar Trump (ou mesmo Biden) em quase nenhum ponto sobre ele mesmo ou suas políticas que já não fosse sabido. O mediador acabou perdendo o controle do debate nos cinco primeiros minutos, e não conseguiu mais recuperá-lo.

Regras do debate

As duas campanhas presidenciais passaram meses negociando as regras dos debates, principalmente o fato de que cada candidato teria dois minutos de tempo sem interrupção para responder a cada pergunta. Mas isso não aconteceu nem uma vez sequer.

Trump interrompia a cada momento que Biden começava a falar. Wallace tentava lembrar o presidente de que sua campanha havia concordado com as regras, mas não adiantava muito, já que ele interrompia o próprio mediador. Um debate no qual os candidatos se recusam a seguir as regras não é um debate.

Joe Biden

O ex-vice-presidente começou devagar. A resposta dele sobre por que a vaga na Suprema Corte não deveria ser preenchida antes das eleições foi um tanto ruim – o que não deveria acontecer, já que ele sabia que isso seria perguntado. 

Apesar de parecer ter ganhado alguma força em certos momentos, como quando falou que a má gestão de Trump da crise do novo coronavírus custou vidas norte-americanas, Biden acabou se rebaixando algumas vezes ao nível do republicano.

E apesar de a base democrata ter se alegrado quando Biden mandou Trump calar a boca e o chamou de “palhaço”, é difícil ver como esse tipo de atitude casa com a mensagem do candidato de restaurar a decência e a liderança na Casa Branca.

(Com informações de Chris Cillizza, da CNN, em Atlanta)