Mísseis e máscaras: Coreia do Norte prepara desfile militar em meio à pandemia

Evento no sábado, que marca o 75º aniversário da fundação do partido nacional pode apresentar novos mísseis balísticos intercontinentais do governo

Josh Smith, da Reuters
09 de outubro de 2020 às 02:16
O líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un
Foto: KCNA/via REUTERS

Usando máscaras médicas, autoridades norte-coreanas se reuniram na capital Pyongyang nesta semana, informou a mídia estatal, antes do que deve ser um grande desfile militar no sábado, possivelmente apresentando os mais recentes mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) do país.

O feriado marca o 75º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores da Coreia - o partido político fundador e governante do país -, e os eventos incluem exposições de arte e indústria, um show de iluminação, visitas a monumentos e cerimônias para marcar a conclusão de projetos.

Autoridades da Coreia do Sul e dos Estados Unidos afirmam que a Coreia do Norte pode usar o desfile para exibir um novo míssil balístico intercontinental.

Leia também:
Por dentro dos hotéis coloridos da Coreia do Norte; veja fotos

Seul diz que Coreia do Norte matou sul-coreano a tiros para 'combater Covid-19'

'Temos uma amizade muito especial': cartas entre Trump e Kim são reveladas

"Há uma possibilidade de que a Coreia do Norte revele novas armas estratégicas, como novos mísseis balísticos intercontinentais ou mísseis balísticos lançados por submarino, para chamar a atenção em um momento em que suas conquistas econômicas têm sido lentas", disse o Ministério de Unificação do Sul, que cuida das relações com o Norte, na quinta-feira.

O ministro da unificação, Lee In-young, afirmou aos legisladores sul-coreanos que exibir um novo míssil poderia ser uma "demonstração de força de baixa intensidade" antes da eleição presidencial dos EUA, já que seria menos provocativa do que um lançamento ou teste nuclear.

O líder norte-coreano Kim Jong Un não exibe mísses balísticos do tipo em um desfile desde que se encontrou pela primeira vez com o presidente dos EUA, Donald Trump, em 2018, mas as negociações foram paralisadas e Pyongyang sinaliza um crescente enfrentamento a Washington.

"A exibição de novos ICBMs sinalizaria que a Coreia do Norte estava mudando de estratégia e pode indicar que o país retomará os testes de mísseis de longo alcance", disse Jeffrey Lewis, pesquisador de mísseis do Centro James Martin para Estudos de Não Proliferação.

A Coreia do Norte não relatou nenhum caso confirmado do novo coronavírus, mas o governo impôs controles rígidos de fronteira e medidas de quarentena, e analistas dizem que um surto pode ser devastador para o país econômica e politicamente isolado.

"Tal evento é extremamente arriscado, pois se apenas algumas pessoas forem positivas para Covid-19 na multidão, eles poderiam criar um evento mortal do tipo super-propagador", disse Harry Kazianis, diretor sênior de Estudos Coreanos no Centro para o Nacional Interesse em Washington.