China aprova lei de biossegurança para prevenir doenças infecciosas


Por Emily Chow, da Reuters
18 de outubro de 2020 às 03:40
Equipe médica atua em hospital de Wuhan, China, epicentro do coronavírus

Equipe médica atua em hospital de Wuhan, China, primeira cidade do mundo a registrar caso do novo coronavírus

Foto: China Daily via REUTERS-16/02/2020

O principal órgão legislativo da China aprovou uma nova lei de biossegurança com o objetivo de prevenir e controlar doenças infecciosas, informou a agência de notícias estatal Xinhua na noite de sábado.

O Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo votou pela adoção da lei, que entrará em vigor em 15 de abril de 2021.

A lei estabelece sistemas para prevenção e controle de risco de biossegurança, incluindo monitoramento de risco e alerta precoce, investigação e avaliação de risco e compartilhamento de informações para evitar doenças.

Leia também:
Brasileiros confiam menos em vacina da China do que nas de outros países

China diz que não há necessidade de vacinar toda a população contra Covid-19

OMS entrevista cientistas de Wuhan sobre origens do coronavírus

 

Segundo a Xinhua, o texto trambém traz disposições para prevenir e responder a riscos específicos de biossegurança, incluindo as principais doenças infecciosas emergentes, epidemias e surtos repentinos e pesquisa, desenvolvimento e aplicação de biotecnologia.

A China anunciou em maio que pretendia acelerar a aprovação da lei de biossegurança até o final do ano, após o surto global do novo coronavírus que foi detectado pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan.

O país quase eliminou as transmissões domésticas do vírus que causa a Covid-19 após medidas agressivas para conter sua disseminação. No entanto, novas infecções detectadas na semana passada na cidade costeira de Qingdao encerraram um período de cerca de dois meses sem que a China relatasse um caso local.

A comissão de saúde do país relatou 13 novos casos no sábado, elevando o número total de casos confirmados para 85.672.