Bernie Sanders sobre vitória de Biden: “A democracia venceu”

Em entrevista, o senador e ex-candidato dos Democratas afirmou que é hora de ouvir os trabalhadores e trabalhar para o unir o país

Adrienne Vogt, da CNN
07 de novembro de 2020 às 18:41 | Atualizado 07 de novembro de 2020 às 18:48
O pré-candidato democrata à Presidência dos EUA, Bernie Sanders
Sanders: "É hora de unir as pessoas em torno de uma agenda que funcione para todos"
Foto: Lucas Jackson/Reuters (09.mar.2020)

O senador Bernie Sanders parabenizou o presidente eleito Joe Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris por sua vitória neste sábado (7)

Esta eleição “foi sobre se nós continuamos ou não um país que acredita na Constituição, que acredita na regra da lei e que acredita na democracia”, disse o ex-candidato democrata em entrevista à CNN Internacional. “Graças a Deus, a democracia venceu. Então eu apenas desejo o melhor a Joe e Kamala na tarefa de liderar o nosso país”, acrescentou.

Leia também: 

Trump diz que eleição está ‘longe do fim’ e promete processo judicial na segunda

Governo brasileiro já se divide sobre reconhecimento a Biden

Sanders disse que o desafio de Biden será unir os americanos. “Eu não invejo Joe Biden pelo desafios enormes que ele tem pela frente, incluindo um racismo sistêmico, incluindo mudanças climáticas, uma infraestrutura desmoronando. É com isto que ele terá que lidar pela frente. E nosso trabalho agora é unir a pessoas, na minha visão, em torno de uma agenda que funcione para todos”, disse Sanders.

“O desafio é alcançar as pessoas e dizer – ‘nós escutamos a sua dor’. Agora é a hora de os trabalhadores serem ouvidos e de lidarmos com as suas dores”, acrescentou.

De acordo com Sanders, Biden tem “um mandato muito forte” para implementar uma agenda progressiva em temas como imigração, salário mínimo e saúde.

“Se olharmos tema por tema e o que os americanos querem, eles querem uma agenda que os defenda, que defenda as famílias trabalhadoras – negros, brancos e latinos. Essa é a agenda que eles querem, e eles querem que o Congresso tenha a coragem de assumir os seus poderes.”