Agência de governo dos EUA libera transição de Biden

O presidente Donald Trump afirmou que administradora Emily Murphy estava sendo pressionada a ceder para democratas e apoiou a decisão

Da CNN, em São Paulo*
23 de novembro de 2020 às 20:12 | Atualizado 24 de novembro de 2020 às 06:24

A Administração de Serviços Gerais (GSA, na sigla em inglês) informou ao presidente eleito Joe Biden que a administração Trump está pronta para iniciar o processo formal de transição, de acordo com uma carta da administradora Emily Murphy enviada na tarde de segunda-feira e obtida pela CNN.

A carta é o primeiro passo que o governo deu para reconhecer a derrota do presidente Donald Trump, mais de duas semanas depois que Biden foi declarado vencedor da eleição.

A carta sinaliza que Murphy assinará formalmente a vitória de Biden, um processo normalmente superficial conhecido como averiguação. A mudança permitirá que a transição comece oficialmente, permitindo que os funcionários da agência de administração atual coordenem a transição com a nova equipe de Biden e forneçam milhões em fundos governamentais para a transição.

O movimento em direção a averiguação vem depois que Michigan certificou formalmente seus resultados eleitorais nesta segunda-feira (23) e a Geórgia certificou seus resultados presidenciais na sexta-feira (20). A Pensilvânia também está se aproximando da certificação de seus resultados eleitorais.

Assista e leia também:

Michigan confirma vitória de Biden após Trump pressionar para mudar resultado
Governo Biden terá 1ª mulher a chefiar inteligência e Kerry como 'czar do clima'
OMS diz que 'aposta mais segura' é renunciar às festas de Natal e ano-novo

É o mais recente sinal de que a oferta legal carregada de conspiração de Trump, liderada por Rudy Giuliani, para contornar o resultado da eleição está chegando ao fim. Os processos da campanha de Trump para atrasar a certificação da eleição foram indeferidos em vários estados, já que sua equipe jurídica não conseguiu fornecer qualquer evidência de fraude eleitoral generalizada.

Mas, até agora, Murphy se recusou a avançar com o processo de apuração, apesar da vitória clara de Biden, impedindo a equipe do presidente eleito de falar com as agências federais. Murphy, uma nomeado político de Trump, tem enfrentado intenso escrutínio e pressão política dos democratas e, nos últimos dias, dos republicanos que pedem o início de uma transição suave.

Em um comunicado na segunda-feira, o senador Rob Portman, um republicano de Ohio, disse que "não há evidências até agora de qualquer fraude ou irregularidade generalizada que mudaria o resultado em qualquer estado" e pediu o início do processo de transição.

Trump

O presidente Donald Trump foi às redes sociais falar sobre a decisão de Emily Murphy. Ele elogiou a assessora, disse que ela foi "assediada, ameaçada e abusada" e que apoia a adoção dos protocolos iniciais de transição.

"Quero agradecer a Emily Murphy da GSA por sua constante dedicação e lealdade ao nosso país. Ela foi assediada, ameaçada e abusada - e não quero que isso aconteça com ela, sua família ou funcionários do GSA", escreveu Trump no Twitter.

Na sequência, o presidente afirmou que "vamos manter a boa luta" e que segue defendendo a contestação dos resultados. "Nosso caso continua fortemente, vamos manter a boa luta, e acredito que vamos vencer!"

"No entanto, no melhor interesse do nosso país, estou recomendando que Emily e sua equipe façam o que for necessário em relação aos protocolos iniciais, e disse à minha equipe para fazer o mesmo", completa.

Pressão

Murphy disse que não foi pressionada pela Casa Branca para atrasar a transição formal e não tomou uma decisão "por medo ou favoritismo".

"Saiba que tomei minha decisão de forma independente, com base na lei e nos fatos disponíveis", escreveu Murphy. "Eu nunca fui direta ou indiretamente pressionada por qualquer funcionário do Poder Executivo - incluindo aqueles que trabalham na Casa Branca ou GSA - com relação ao conteúdo ou ao momento de minha decisão. Para ser clara, não recebi nenhuma instrução para atrasar minha determinação. "

Na carta, Murphy sugeriu que as regras de apuração eram vagas e deveriam ser atualizadas.

"O GSA não determina o resultado de disputas legais e recontagens, nem determina se tais procedimentos são razoáveis ??ou justificados", escreveu ela.

"Essas são questões que a Constituição, as leis federais e as leis estaduais deixam para o processo de certificação eleitoral e as decisões dos tribunais de jurisdição competente. Não acho que uma agência encarregada de melhorar as aquisições federais e a gestão de propriedades deva se colocar acima do processo eleitoral. Exorto veementemente o Congresso a considerar emendas à lei."

*Com informações de Kristen Holmes e Jeremy Herb, CNN