Rússia inicia testes em massa de segunda vacina contra a Covid-19

O Instituto de Vetores da Sibéria anunciou o início dos testes em massa da EpiCoronaVac, segunda vacina do país - sucessora da Sputnik V

Da Reuters, em Moscou
30 de novembro de 2020 às 10:34 | Atualizado 30 de novembro de 2020 às 10:56
Enfermeira prepara vacina russa Sputnik V contra Covid-19 para aplicação em Moscou
Foto: Tatyana Makeyeva/Reuters (17.set.2020)

A Rússia planeja iniciar testes em massa de sua segunda vacina contra o coronavírus, batizada de EpiVacCorona, em pessoas com mais de 18 anos na segunda-feira (30). A notícia foi dada pela agência RIA, citando como fonte um órgão de apoio aos consumidores da área de saúde chamado Rospotrebnadzor.

Em novembro, a EpiVacCorona, que está sendo desenvolvida pelo Instituto de Vetores da Sibéria, recebeu autorização para ser testada em 150 voluntários com mais de 60 anos e 3.000 voluntários com mais de 18 anos, disse o órgão.

De acordo com a agência de notícias TASS, os testes serão realizados em Moscou e em várias outras cidades, incluindo Kazan e Kaliningrado.

Os casos de Covid-19 aumentaram na Rússia desde setembro, mas as autoridades resistiram em impor um lockdown e disseram que as medidas usadas no momento são suficientes para lidar com a crise.

Leia também:
Pesquisa mostra confiança de brasileiros em relação à vacina russa
Por que Putin ainda não se vacinou com a Sputnik V
Moderna pedirá autorização para uso emergencial de vacina nos EUA e na Europa
Saúde pode divulgar plano nacional de vacinação contra Covid-19 nesta semana
Vacina de Oxford pode fazer mais pelo mundo do que as outras; entenda a razão

A Rússia afirmou no início de novembro que sua outra vacina, a Sputnik V, foi 92% eficaz em proteger as pessoas da Covid-19, de acordo com dados obtidos nos resultados provisórios dos testes.

As autoridades confirmaram 26.338 novos casos do novo coronavírus na segunda-feira (30), incluindo 6.511 em Moscou e 3.691 em São Petersburgo, elevando o total nacional para 2.295.654 desde o início da pandemia. Foram também confirmadas 368 mortes nas últimas 24 horas, elevando o número oficial de mortos para 39.895. 

(Reportagem de Gleb Stolyarov e Maxim Rodionov; escrita de Tom Balmforth; Edição de Toby Chopra e Nick Macfie).