Itamaraty dá aval e Bolsonaro reconhece Biden como presidente dos EUA

Jair Bolsonaro transmitiu mensagem ao Presidente-Eleito Joe Biden após o anúncio dos resultados da votação no Colégio Eleitoral dos EUA

Caio Junqueira e Leandro Magalhães Da CNN, em São Paulo e em Brasília
15 de dezembro de 2020 às 17:04 | Atualizado 15 de dezembro de 2020 às 17:16

 

O Palácio Itamaraty deu aval e o presidente Jair Bolsonaro determinou que o governo brasileiro reconheça a vitória de Joe Biden nas eleições americanas.

Em nota, o presidente brasileiro reconheceu a vitória de Biden nas eleições dos Estados Unidos. Veja a mensagem:

"Cumprimentos do Presidente Jair Bolsonaro ao Presidente-Eleito dos EUA Joe Biden

O Presidente Jair Bolsonaro transmite a seguinte mensagem ao Presidente-Eleito Joe Biden após o anúncio dos resultados da votação no Colégio Eleitoral dos EUA:

- Saudações ao Presidente Joe Biden, com meus melhores votos e a esperança de que os EUA sigam sendo “a terra dos livres e o lar dos corajosos".

- Estarei pronto a trabalhar com V. Exa. e dar continuidade à construção de uma aliança Brasil-EUA, na defesa da soberania, da democracia e da liberdade em todo o mundo, assim como na integração econômico-comercial em benefício dos nossos povos."

Leia também:

Colégio eleitoral oficializa Joe Biden como presidente eleito dos EUA

'É hora de virar a página e curar a nação', diz Biden em discurso inicial

Putin parabeniza Biden por vitória nos EUA: 'Estou pronto para cooperar'

O presidente brasileiro também postou a mensagem em seu Twitter.

A avaliação na diplomacia brasileira foi a de que, com a vitória de Biden no colégio eleitoral e a conclusão da judicialização promovida por Donald Trump --com resultado negativo para ele--- era inevitável o reconhecimento.

Junto com o reconhecimento, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já determinou à Embaixada do Brasil nos Estados Unidos que comece a reconstrução de pontes com o governo americano. O motivo é que chegaram a ele informações de que os democratas passaram de uma situação de incômodo com o não-reconhecimento para um estágio de indiferença com o governo brasileiro.