Nova espécie de orquídea é a mais feia do mundo

Orquídeas normalmente são sinônimos de flores delicadas, bonitas e vibrantes —essa recém-identificada pode te fazer mudar de ideia

Amy Woodyatt, da CNN
17 de dezembro de 2020 às 18:49
A Gastrodia agnicellus, de Madagascar, foi considerada a orquídea mais feia do mundo
Foto: Rick Burian/Royal Botanic Gardens, Kew

Orquídeas normalmente são consideradas flores bonitas, delicadas e vibrantes —mas essa que foi identificada recentemente pode te fazer mudar de ideia.

A Gastrodia agnicellus —chamada de "a orquídea mais feia do mundo" — é uma das novas plantas e fungos descritas neste ano, anunciaram pesquisadores do Jardim Botânico Real de Kew (RBG Kew, na sigla em inglês), no Reino Unido.

Essa orquídea, localizada em Madagascar, não tem folhas, cresce a partir de um caule peludo e tuberoso, e passa a maior parte de sua vida sob a terra, emergindo apenas para florescer ou produzir frutos.

Leia também:

Plantar árvores já é insuficiente para sanar gás carbônico da atmosfera

'Tubarão perdido' pode ter sido extinto, diz organização que monitora espécies

A beleza está no olho de quem vê, disse Johan Hermans, o pesquisador de orquídeas responsável pela descoberta, à CNN nesta quinta-feira (17). 

Ainda assim, ele disse: "Não é muito atraente, devo dizer —tem uma aparência de carne, vermelha por dentro e marrom por fora". 

"Vimos primeiro quando estava numa cápsula de sementes. Alguns anos depois, fomos lá de novo e procuramos na mesma área, tentando encontrar uma flor marrom sobre folhas secas marrons e, eventualmente, nós a encontramos", explicou Hermans, associado honorário de pesquisa da RBG Kew. 

"Ela estava meio escondida na base da árvore, e você tinha que remover folhas para encontrar onde estava a planta", acrescentou. 

Pesquisadores pensaram que essa planta esquisita poderia cheirar como carne podre, como é comum em orquídeas que são polinizadas por moscas, mas, em vez disso, essa orquídea os surpreendeu com "um aroma agradável, cítrico e de rosas", disse Hermans. 

"Essa orquídea tem um ciclo de vida incrível —ela tem um caule peludo no solo, não tem folhas, e a flor aparece ligeiramente sobre a folhagem. Ela abre só um pouco, é fertilizada e a semente frutifica e se ergue por cerca de 20 centímetros de altura, depois se abre e distribui a semente". 

Cerca de 156 plantas e fungos em todo o mundo foram descobertos e ganharam um nome oficial pelo RGB Kew e parceiros em 2020, incluindo um arbusto escamoso do sul da Namíbia, um parente do mirtilo encontrado na Nova Guiné e uma nova variedade de hibisco na Austrália. 

O Tiganophyton karasense, arbusto descoberto na Namíbia, que cresce em salares naturais extremamente quentes
Foto: Wessel Swanepoel/Royal Botanic Gardens, Kew

O Diplycosia puradyatmikai, arbusto parente dos mirtilos, descoberto na Nova Guiné
Foto: Wendy Mustaqim/Royal Botanic Gardens, Kew

A Hibiscus hareyae, com pétalas partidas, descoberta na Austrália
Foto: Ian Darbyshire/Royal Botanic Gardens, Kew

Mas muitas dessas plantas já estão ameaçadas de extinção por ameaças a seus habitats, alertou o RGB Kew nesta quinta. 

Cerca de 40% das espécies vegetais do mundo estão ameaçadas, disse a organização mais cedo neste ano, por conta das taxas de deflorestamento crescente, emissões globais de gases e a mudança climática, fora ameaças de novos patógenos, espécies não-nativas e tráfico ilegal.

Uma sexta extinção em massa, causada por humanos, está acontecendo, e especialistas dizem que é mais rápida do que era esperado anteriormente. 

Um milhão das oito milhões de espécies do planeta está ameaçada de extinção por conta da ação humana, alertou um comitê das Nações Unidas no ano passado, acrescentando que uma transformação era necessária para salvar o planeta.

(Texto traduzido, leia o original em inglês)