Reino Unido retoma fechamento parcial contra cepa mais infecciosa do coronavírus

Premiê Boris Johnson anunciou restrições em Londres e no sudeste da Inglaterra a partir de domingo (20); Itália também terá restrições durante o fim do ano

Da CNN, em São Paulo
19 de dezembro de 2020 às 14:23 | Atualizado 19 de dezembro de 2020 às 19:36

 

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou neste sábado (19) uma série de restrições contra o novo  coronavírus, depois que uma cepa recém-identificada de Covid-19 se espalhou mais rapidamente do que cepas anteriores do vírus.

Londres e o sudeste da Inglaterra --que somam cerca de um terço da população inglesa-- estão atualmente no nível mais alto de um sistema de regras de três níveis e agora serão colocados em um novo nível 4. As novas restrições valem a partir de domingo (20).

As pessoas serão obrigadas a ficar em casa, exceto por motivos essenciais, como trabalho, e o comércio não essencial será fechado, assim como atividades de lazer e entretenimento. A reunião social será limitada a encontrar uma outra pessoa em um espaço ao ar livre. 

Em áreas sob o Nível 3, os encontros serão permitidos apenas no Natal.

"Isso agora está se espalhando muito rápido", alertou Johnson. "É com o coração muito pesado que digo que não podemos continuar com o Natal como planejado." Há poucos dias, Johnson havia reiterado sua promessa de relaxar as regras durante o período de Natal, permitindo que até três famílias se encontrassem por cinco dias.

Assista e leia também:
Reino Unido identifica nova variante de coronavírus que se espalha mais rápido
Mutações já detectadas não alteram eficácia de vacinas contra Covid-19
Correspondente Médico: Mutações do novo coronavírus explicam aumento de casos?

Nova cepa mais infecciosa

"A propagação está sendo impulsionada pela nova variante do vírus", disse Johnson, em uma entrevista coletiva convocada às pressas. "Parece se espalhar mais facilmente e pode ser até 70% mais transmissível do que a cepa anterior."

O diretor médico da Inglaterra, professor Chris Whitty, alertou mais cedo que uma variante recém-identificada da Covid-19 "pode se espalhar mais rapidamente" do que as cepas anteriores do vírus.

De acordo com Whitty, a nova variante é responsável por 60% das infecções em Londres, que quase dobraram na última semana. Anteriormente, ele disse que um "trabalho urgente" está em andamento para estabelecer se a nova cepa, prevalente no sudeste da Inglaterra, pode causar uma taxa de mortalidade mais alta.

Assista e leia também:
Estudo descobre quase 200 mutações genéticas do novo coronavírus
Mutação do novo coronavírus se espalha mais facilmente, mas é menos perigosa
Mutação do novo coronavírus se espalha pela Europa e chega a doze países

"Não há evidências atuais que sugiram que a nova cepa cause uma taxa de mortalidade mais alta ou que afete vacinas e tratamentos, embora um trabalho urgente esteja em andamento para confirmar isso", disse Whitty em comunicado.

Como acontece com outras novas variantes ou cepas de Covid-19, esta carrega uma impressão digital genética que o torna mais fácil de rastrear. Isso não significa que a mutação a tornou mais fácil de se espalhar, nem significa necessariamente que essa variação seja mais perigosa.

Vários especialistas em genética e epidemiologia de vírus disseram que esta poderia ser apenas uma cepa "sortuda" que foi amplificada por causa de um evento que causou um super espalhamento.

O grupo de aconselhamento científico do governo para a Covid-19 também alertou que a nova cepa é um "verdadeiro motivo de preocupação" e pediu uma ação urgente. 

Whitty também incentivou as pessoas a tomarem mais precauções. "Dado este último desenvolvimento, agora é mais vital do que nunca que o público continue a agir em sua área para reduzir a transmissão", disse ele.

Lockdown na Itália

Premiê da Itália, Giuseppe Conte, pediu responsabilidade aos italianos
Premiê da Itália, Giuseppe Conte, pediu responsabilidade aos italianos
Foto: Reuters

A Itália também adotará um lockdown nacional durante grande parte do feriado de Natal e Ano Novo, informou o primeiro-ministro Giuseppe Conte, na noite de sexta-feira (18), para tentar evitar um novo aumento de casos do novo coronavírus.

O anúncio encerrou dias de indecisão e disputas dentro da coalizão, que estava dividida entre aqueles que queriam o fechamento total e aqueles que pressionavam por ações mais limitadas para ajudar empresas em dificuldades e permitir algumas reuniões familiares.

"A situação é difícil em toda a Europa. O vírus continua circulando por toda parte", disse Conte a repórteres. "Nossos especialistas estavam seriamente preocupados com a possibilidade de um aumento no número de casos no Natal. Portanto, tivemos que agir, mas posso garantir que não foi uma decisão fácil."

Sob as novas regras, as lojas não essenciais serão fechadas entre 24 e 27 de dezembro, 31 de dezembro e 3 de janeiro e 5 e 6 de janeiro. Nesses dias, os italianos só poderão viajar por motivos de trabalho, saúde ou emergência.

No entanto, visitas limitadas serão permitidas, por exemplo, para ver pais idosos que morem sozinhos. Conte disse que a polícia não será enviada às casas das pessoas para verificar se as regras estão sendo respeitadas, mas pediu aos italianos que mostrem responsabilidade.

As lojas poderão abrir entre 28 e 30 de dezembro e em 4 de janeiro e as pessoas poderão deixar suas casas nesses dias. No entanto, durante o período de férias, todos os bares e restaurantes devem permanecer fechados.

(Com informações da CNN e da Reuters)

Alerta do governo britânico sobre a Covid-19 em Londres
Alerta do governo britânico sobre a Covid-19 em Londres; partes do país voltarão a adotar lockdown
Foto: Toby Melville - 19.dez.2020/Reuters