Pence diz a Trump que não tem autoridade para bloquear a certificação de Biden

Fonte da CNN americana informou sobre conversa na qual o vice disse ao presidente dos EUA não poder bloquear a certificação da vitória de Biden no Congresso

Por Kaitlan Collins e Jim Acosta, da CNN
06 de janeiro de 2021 às 00:45 | Atualizado 06 de janeiro de 2021 às 06:59
Mike Pence em campanha no Arizona, em 2016
Mike Pence durante campaanha 
Foto: Gage Skidmore -2.nov.2016/Divulgação

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse na terça-feira (5) ao presidente Donald Trump que ele não tem autoridade para bloquear a certificação da vitória do presidente eleito Joe Biden quando o Congresso se reunir para contar os votos eleitorais.

A informação sobre a conversa entre o atual vice e o atual presidente é de fontes da CNN americana.

Trump, que já havia pressionado Pence para apoiá-lo na constestação do resultado à eleição, advertiu-o de que seria politicamente "prejudicial" para Pence se recusar a bloquear a certificação.

Leia também:
Congresso dos EUA certifica hoje vitória de Biden no colégio eleitoral; entenda
Bush diz que vai à posse de Biden e ignora contestações sobre eleição
Promotor decide não processar policial branco que atirou em Jacob Blake

Ainda segundo uma fonte próxima ouvida pela CNN, Pence, gentilmente, informou Trump durante a reunião que não tem poder para inviabilizar o processo.

O vice-presidente disse a Trump que há pessoas isoladas dizendo que a autoridade existe, mas Pence foi informado pelo Gabinete do Conselho da Casa Branca que ele não tem essa possibilidade, de acordo com a fonte.

Destaques do CNN Brasil Business:
Queima de estoque do Magazine Luiza terá itens com até 80% de desconto
Bitcoin pode alcançar US$ 146 mil conforme vire 'ouro digital', diz JPMorgan

A reunião na Casa Branca aconteceu depois que Pence se encontrou com um parlamentar do Senado no início desta semana para discutir seu papel nos procedimentos.

O jornl The New York Times foi o primeiro a relatar a mensagem de Pence ao presidente. Fontes disseram à CNN que, ainda assim, espera-se que o vice-presidente faça declarações de apoio aos esforços de Trump para contestar os resultados.