Criticado por ações durante invasão, chefe da Polícia do Capitólio renuncia

Steven Sund, o chefe da Polícia do Capitólio, foi acusado de despreparo para lidar com multidão que invadiu o Congresso americano na quarta-feira

Por Manu Raju e Ted Barrett, da CNN
08 de janeiro de 2021 às 00:59
Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA
Manifestantes invadem o Capitólio, sede do Congresso dos EUA
Foto: Stephanie Keith/Reuters


O chefe da Polícia do Capitólio, Steven Sund, está renunciando ao cargo em meio a críticas sobre uma aparente falta de preparação para lidar com a multidão violenta que invadiu o Congresso americano na quarta-feira (6).

A renúncia de Sund se tornará efetiva em 16 de janeiro, de acordo com um oficial da Polícia do Capitólio.

Leia também:
Trump muda discurso, condena ataque ao Capitólio e admite transição para Biden
Como a polícia respondeu às manifestações do Black Lives Matter em Washington
“Ninguém sabia o que a gente devia fazer”, diz policial dos EUA sobre protesto

A Presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, pediu nesta quinta-feira (7) a renúncia do Sund e disse que o Sargento de Armas disse a ela que deixaria o cargo.

Michael Stenger, o sargento de armas do Senado, também renunciou, anunciou o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell.

O líder democrata do Senado, Chuck Schumer, afirmou que despediria Stenger quando ele se tornasse o líder da maioria no final deste mês.

Na quinta-feira, a liderança da Polícia do Capitólio forneceu os primeiros detalhes sobre o incidente mortal que deixou legisladores e funcionários temerosos por suas vidas.

Em um comunicado divulgado na manhã de quinta-feira, Sund detalhou as ações violentas dos manifestantes, dizendo que a Polícia do Capitólio e outros policiais foram "ativamente atacados" com canos de metal e outras armas.