Câmara deve votar hoje resolução pedindo remoção de Trump pela 25ª Emenda

Texto pede ao vice-presidente Mike Pence que use seus poderes para declarar que 'presidente é incapaz de cumprir com sucesso os deveres de seu cargo'

Clare Foran, da CNN
12 de janeiro de 2021 às 08:09 | Atualizado 12 de janeiro de 2021 às 08:10
Câmara dos EUA, controlada pelos democratas, deve votar resolução pedindo que Mike Pence use a 25ª Emenda e remova Donald Trump da presidência
Foto: Hannah McKay - 24.nov.2020 / Reuters

A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos deve votar nesta terça-feira (12) uma medida pedindo que o presidente Donald Trump seja destituído do cargo por meio da 25ª Emenda, após a violenta invasão ao Capitólio na semana passada.

A resolução, apresentada pelo democrata Jamie Raskin, de Maryland, pede ao vice-presidente Mike Pence "que use imediatamente seus poderes sob a seção 4 da 25ª Emenda para convocar e mobilizar os principais membros do Gabinete para declarar o que é óbvio para uma nação horrorizada: que o presidente é incapaz de cumprir com sucesso os deveres de seu cargo".

Além disso, o texto pede a Pence que assuma "os poderes e deveres do cargo de presidente em exercício".

A aprovação da resolução pela Câmara liderada pelos democratas será uma repreensão simbólica ao presidente, já que muitos legisladores estão furiosos com o ataque ao Capitólio por partidários de Trump que tentam reverter os resultados da eleição de 2020.

Assista e leia também:
Saiba como foi a 1ª conversa entre Trump e Pence após a invasão do Capitólio
Processo de impeachment de Trump pode atrasar nomeação de secretários de Biden
Democratas formalizam novo pedido de impeachment contra Trump

Isso ocorre no momento em que os democratas da Câmara se movimentam rapidamente em direção ao impeachment do presidente pela segunda vez como resultado da insurreição, que Trump incitou depois de várias vezes fazer falsas alegações de que a eleição foi roubada dele e pedir a seus apoiadores que lutassem.

Os democratas da Câmara planejam votar o impeachment de Trump na quarta-feira (13), disse o líder da maioria, Steny Hoyer, em uma convocação na segunda-feira, estabelecendo uma votação de impeachment uma semana depois que os manifestantes invadiram e violaram algumas das áreas mais seguras do Capitólio.

A Câmara votará na noite desta terça a resolução instando Pence a invocar a 25ª Emenda e planeja votar na quarta-feira pela manhã sobre a resolução de impeachment, disse Hoyer.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse em uma declaração na segunda-feira (11) que os democratas estão "pedindo ao vice-presidente que responda dentro de 24 horas após a aprovação" da resolução da 25ª Emenda.

Invocar a 25ª Emenda exigiria que Pence e a maioria do Gabinete votem para remover Trump da presidência devido à sua incapacidade de "cumprir os poderes e deveres de seu cargo" – um passo sem precedentes na história dos EUA. Pence até agora não deu nenhuma indicação de que tomaria tal atitude.

Assista e leia também:
Trump chega à última semana acuado e tenta salvar legado do 'trumpismo'
Somente o impeachment não impediria Trump de ser presidente de novo
Melania Trump quebra silêncio, comenta ataque ao Capitólio e rebate críticas

Pelosi e o líder democrata do Senado, Chuck Schumer, ligaram para Pence um dia depois do ataque ao Capitólio para discutir a 25ª Emend, mas Pence não atendeu o telefonema depois de os deixarem em espera por 25 minutos.

"Pelo menos eu estava em casa, colocando louças na máquina de lavar e minhas roupas na lavanderia. Ainda estamos esperando que ele retorne a ligação", disse ela à CBS no domingo à noite.

Em sua declaração na segunda-feira, Pelosi disse que como um "próximo passo", os democratas da Câmara "avançarão com a apresentação da texto de impeachment".

No início da segunda, os democratas tentaram aprovar a resolução da 25ª Emenda por consentimento unânime, mas ela foi bloqueada pelos republicanos.

Pelosi acusou os republicanos da Câmara de "permitir que os atos desequilibrados, instáveis ??e desordenados de sedição do presidente continuem". "Sua cumplicidade põe em perigo a América, corrói nossa democracia e deve acabar", afirmou a democrata.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)