Os planos dos EUA para manter a segurança diante de ameaças de protestos armados


Eric Levenson, da CNN
13 de janeiro de 2021 às 14:17
Manifestantes pró-Trump invadem Capitólio
Manifestantes pró-Trump invadem Capitólio
Foto: Leah Millis/Reuters

Estados em dos Estados Unidos estão aumentando a segurança em seus edifícios governamentais diante de um alerta do FBI de que há “protestos armados” sendo planejados em todas as 50 capitais.

Um boletim interno do FBI obtido pela CNN alerta que protestos armados estão sendo planejados nas capitais estaduais de sábado (16) até, pelo menos, o dia da posse, na próxima quarta-feira (20). O boletim sugere que há ameaças de um “levante” se o presidente Donald Trump for removido do cargo antes disso.

Para aumentar a preocupação, o boletim do FBI não foi divulgado publicamente, mas vazou para repórteres. Até terça-feira (12), a polícia federal ainda não havia feito uma coletiva de imprensa detalhando o ataque ao Capitólio dos EUA desde o dia em que aconteceu.

Além disso, a remoção de contas que promovem protestos violentos do Twitter e Facebook  tornou difícil para o público entender a extensão do problema.

Leia e assista também:

Capitólio tem segurança reforçada em votação de impeachment Trump

Residência de vice recebe proteção comparável à adotada logo após 11 de Setembro

O alerta surpreendente, poucos dias depois que uma multidão pró-Trump invadiu o Capitólio dos Estados Unidos, está fazendo estados aumentarem a segurança no caso de um ataque semelhante em suas capitais.

Embora muitos estejam fechados devido a restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus, os avisos são especialmente preocupantes em estados que permitem o porte de armas de fogo ou aqueles onde Trump falsamente alegou que houve fraude.

Veja abaixo como diversos estados que são alvo das falsas alegações de fraude de Trump estão se preparando:

Michigan proíbe porte de armas em público

No Michigan, a Comissão do Capitólio do estado proibiu o porte de armas de fogo dentro do próprio edifício, em Lansing, a partir de segunda-feira (11).

A ação foi uma resposta ao tumulto no Capitólio dos EUA, bem como aos incidentes de maio de 2020, em que manifestantes fortemente armados se aglomeraram dentro do Capitólio do estado para protestar contra os lockdowns relacionados à pandemia. Além disso, a governadora democrata Gretchen Whitmer foi alvo de uma suposta conspiração de terrorismo doméstico planejada por membros de grupos de milícia de direita.

No entanto, a alteração da política afeta apenas as áreas públicas dentro do edifício e não muda a política na área do Capitólio do estado, nem proíbe o porte velado de armas curtas, que segue as leis estaduais, de acordo com a comissão.

“A ação da Comissão do Capitólio para proibir o porte de armas no edifício do governo é um bom começo, porém mais ações são necessárias”, disse Whitmer em um comunicado na segunda-feira (11).

A procuradora-geral de Michigan, Dana Nessel, advertiu que a regra da comissão não significa que o Capitólio estadual está seguro.

Leia e assista também:

Impeachment de Trump não deve chegar ao Senado nos próximos dias, diz professora

Youtube remove vídeo de Trump e suspende conta por no mínimo uma semana

“Meu trabalho não é dar aos servidores e residentes do estado ou a outros visitantes de nosso Capitólio uma falsa sensação de segurança, especialmente considerando o atual estado das coisas em Michigan e em todo o país”, disse ela em um tuíte. “Repito, o Capitólio de Michigan não é seguro”.

Nessel disse a Erin Burnett da CNN que os legisladores são “alvos fáceis”.

“Estou extremamente preocupada. Acho que poderíamos certamente dizer que Michigan é o marco zero para aqueles que desejam assumir o controle de um governo estadual”.

Shanon Banner, porta-voz da polícia estadual de Michigan, disse que está ciente do protesto nas capitais estaduais que está sendo promovido online e que vai continuar observando as ameaças à segurança.

“Nosso planejamento de segurança é fluido e os ajustes são feitos conforme a necessidade do dia a dia”, disse Banner. “As melhorias de segurança que podem ser implementadas incluem medidas visíveis e invisíveis. Em geral, não divulgamos medidas de segurança, mas posso confirmar que, por excesso de cautela, estamos aumentando nossa presença visível no Capitólio estadual nas próximas semanas a partir de hoje”.

Leia e assista também:

Não, somente o impeachment não impediria Trump de ser presidente de novo

O prefeito de Lansing, Andy Schor, também pediu à governadora Whitmer que ative a Guarda Nacional de Michigan para fornecer segurança adicional e medidas de controle de multidão em torno do Capitólio estadual no domingo (17) e no dia da posse (20).

“As cenas terríveis da semana passada no Capitólio foram um ataque à nossa democracia e mostram que precisamos estar preparados para atos de violência, já que o presidente eleito Joe Biden será empossado como nosso 46º presidente dos Estados Unidos”.

Wisconsin: Guarda Nacional estadual

O governador democrata Tony Evers autorizou a Guarda Nacional do estado a apoiar a polícia do Capitólio estadual em Madison, disse o gabinete do governador em um comunicado à imprensa na segunda-feira (11).

“Membros da Guarda Nacional de Wisconsin serão mobilizados para o serviço ativo do estado, para auxiliar na proteção e segurança no Capitólio do Estado em Madison”, informou o comunicado. “A Guarda Nacional de Wisconsin servirá como apoio às autoridades locais e conduzirá uma missão de segurança no local”.

Trabalhadores colocam tapumes em sede do governo do Wisconsin
Trabalhadores colocam tapumes em sede do governo do Wisconsin
Foto: Alyssa Pointer/Atlanta Journal-Constitution/AP

De acordo com o comunicado, as tropas são treinadas para responder a chamados de assistência em curto prazo e fazem parte da Força de Reação da Guarda Nacional de Wisconsin.

“As tropas mobilizadas servirão com o status de Serviço Ativo do Estado em apoio à polícia do Capitólio. Para proteger a segurança operacional, a Guarda Nacional de Wisconsin não divulgará o número de tropas, movimentos, cronogramas, equipamentos, táticas ou procedimentos”.

Além disso, as janelas do primeiro andar do Capitólio em Madison foram protegidas com tábuas de madeira na segunda-feira (11), antes de possíveis protestos.

Pensilvânia fecha Capitólio ao público

Uma porta-voz do governador democrata Tom Wolf disse estar ciente dos protestos planejados, mas comentou que o Complexo do Capitólio do estado em Harrisburg está fechado ao público desde dezembro por causa da pandemia.

“A Polícia do Capitólio continuará a trabalhar com as forças policiais estaduais e locais para manter a paz no Complexo do Capitólio em Harrisburg”, disse a secretária de imprensa Lyndsay Kensinger.

Wolf disse na quinta-feira (7) que cerca de mil membros da Guarda Nacional da Pensilvânia foram chamados para apoiar a Guarda Nacional de Washington, DC, em apoio às autoridades civis. A Guarda Nacional da Pensilvânia tem cerca de 19 mil membros ao todo.

“Os membros da Guarda da Pensilvânia são bem treinados e preparados para ajudar nossas comunidades e o país de todas as maneiras possíveis”, disse o general adjunto interino, major-general Mark Schindler. “Também temos muita sorte que os membros de nossa guarda possuem vasta experiência de trabalho ao lado da Guarda Nacional de DC, por conta de treinamentos e cerimônias de posse presidenciais no passado”.

Na terça-feira (12), Wolf disse que “não ouviram falar nada específico” sobre os protestos, mas estão “prontos para tudo o que vier a acontecer”.

Geórgia: sessão legislativa com segurança

O Capitólio do estado da Geórgia em Atlanta já presenciou protestos que causaram preocupações de segurança. Na semana passada, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, foi evacuado do Capitólio como precaução, enquanto um pequeno grupo de manifestantes pró-Trump se reunia do lado de fora, de acordo com a WXIA, afiliada da CNN.

Homens fazem segurança na capital da Geórgia durante o primeiro dia de sessão le
Homens fazem segurança na capital da Geórgia durante o primeiro dia de sessão legislativa
Foto: Alyssa Pointer/Atlanta Journal-Constitution/AP

O estado começou sua sessão legislativa de 2021 na segunda-feira (11) com segurança reforçada ao redor do prédio, incluindo uma nova cerca e guardas armados.

A Polícia Estadual da Geórgia (Georgia Bureau of Investigation - GBI) disse que está ciente dos relatos de possíveis protestos armados nos próximos dias.

“Estamos em contato com nossos parceiros e continuaremos a fazer o que for necessário para garantir a segurança e proteção”, afirmou Nelly Miles, diretora de relações públicas da GBI.

A Polícia de Atlanta disse que também está trabalhando com seus parceiros sobre a segurança.

“O Departamento de Polícia da Cidade de Atlanta (APD) continua a coordenar com as forças policiais locais, estaduais e federais para responder em caso de protestos ou atividades ilegais. Se alguma atividade ocorrer, o APD está preparado para responder rapidamente. Não compartilhamos planos operacionais ou de segurança. No entanto, a segurança de nossa cidade e dos cidadãos é nossa prioridade”, escreveu.

Amanda Watts, Zachary Cohen, Whitney Wild, Lauren del Valle, Caroline Kelly, Rob Frehse, Taylor Romine, Raja Razek, Alec Snyder e Jason Morris da CNN contribuíram para esta reportagem.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).